A Tentativa de Derrubar os Estados Unidos

- GATESTONE INSTITUTE - 12 Set, 2020 -

por Guy Millière - Tradução: Joseph Skilnik -



A onda de distúrbios que se seguiram após a morte de George Floyd em Minneapolis em 25 de maio, ao que parece não tem nada a ver com a morte de Floyd e tudo a ver com grupos que querem derrubar os Estados Unidos. Prefeitos de muitas cidades e outras autoridades locais deliberadamente protegeram criminosos em vez de protegerem os bons cidadãos e nada fizeram para evitar o quebra-quebra. Foto: Fogos de artifício lançados pelos vândalos explodem próximo a um grupo de policiais em Washington DC em 30 de maio de 2020. (Foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP via Getty Images)

A morte de George Floyd em Minneapolis em 25 de maio de 2020 pode parecer, visto pelo retrovisor, como pretexto para o caos. Ao que consta, o assassinato foi cometido por um policial branco e na sequência virou uma onda de tumultos em bairros de inúmeras cidades de porte, que foram devastadas. Lojas foram saqueadas, edifícios foram incendiados e pessoas foram assassinadas enquanto prefeitos e demais autoridades públicas locais optaram por deixar vândalos correrem soltos, catalizarem o conflito racial e protegerem os criminosos, em vez de protegerem os cidadãos que estavam sofrendo a violência. A baderna, num piscar de olhos, parecia não ter nada a ver com a morte de Floyd e tudo a ver com grupos que queriam derrubar os Estados Unidos.


No passado, integrantes da organização radical Antifa cometeram atos de violência, mas nunca haviam conseguido semear o terror nas grandes cidades. Desta vez eles tinham condições e conseguiram.


Além disso, o movimento marxista Black Lives Matter (BLM), que dava a impressão de ter desaparecido desde a eleição do Presidente Donald J. Trump que, aliás, fez mais pelas comunidades de minoria negra e hispânica em três anos do que qualquer um havia feito em décadas, reapareceu de repente, com dinheiro no bolso e bem organizado, bem no olho do furacão dos tumultos. O BLM recebeu mais apoio de prefeitos de várias cidades importantes e obteve mais popularidade ainda por atacar primeiro as estátuas de ex-donos de escravos, como George Washington e depois as do escravo que conseguiu fugir e abolicionista Frederick Douglass. Em Washington DC e na cidade de Nova York, as palavras "Black Lives Matter" foram pichadas nas avenidas em enormes letras amarelas, em Nova Iorque pelo próprio prefeito.


Esta pode ter sido a primeira vez na história dos Estados Unidos que um movimento marxista tenha recebido apoio corporativo: a Amazon, Microsoft, Nabisco, Gatorade, Deckers e outras grandes empresas americanas doaram centenas de milhares de dólares para o Black Lives Matter Global Network Foundation, agora um grande beneficiário da doação corporativa dos EUA. Muitas faculdades e universidades também se uniram para apoiar o movimento. Os curadores da Universidade de Princeton decidiram remover o nome de Woodrow Wilson da escola de políticas públicas da universidade. Eles disseram que haviam examinado a "longa e danosa história do racismo nos Estados Unidos" e que "o pensamento e as políticas racistas de Wilson o tornaram um homônimo impróprio para uma escola ou faculdade". Chamamentos para a "#CancelYale" pipocaram nas redes sociais, alegando que o homônimo de Yale, Elihu Yale, era dono e traficante de escravos e que a universidade deveria mudar de nome. O presidente da Universidade de Yale, Peter Salovey, no entanto, salientou que não mudará o nome e esclareceu que Yale era "um nome relativamente comum naquela época".


CONTINUAR LENDO:

https://pt.gatestoneinstitute.org/16495/derrubar-estados-unidos

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube