A SINUOSA ROTA DA SEDA DIGITAL

11/03/2020


- NATIONAL INTEREST -

Tradução César Tonheiro




Os perigos ocultos da Rota da Seda Digital da China


O mundo está mudando rapidamente e há sinais de que as ambições da China com o Belt and Road Initiative — e todos os seus componentes digitais — fazem parte do poder persistente de uma nova hegemonia.

11 de março de 2020 por John Hemmings


A China ativou sua rede comercial 5G em 31 de outubro de 2019. Foi quando as três operadoras estatais sem fio da China, China Mobile, China Unicorn e China Telecom, lançaram pacotes de assinatura 5G. As operadoras de celular observaram que cobrariam dos clientes pela velocidade, e não pelo uso de dados — e a velocidade máxima custaria cerca de US $ 45 por mês. Pequim prometeu que a rede de próxima geração desencadeará "uma revolução tecnológica". O anúncio é uma mensagem para os Estados Unidos e o mundo de que o impulso da China em direção ao domínio global do 5G não será retardado pela oposição dos EUA.


O investimento da China em tecnologias de próxima geração, incluindo tecnologia de comunicação de informação (ICT), inteligência artificial, análise de big data, computação em nuvem e blockchain, entre outros, tornou-se uma alta prioridade do presidente Xi Jinping. Uma série de diretrizes governamentais, documentos técnicos, iniciativas e estratégias de planejamento levaram as empresas de tecnologia chinesas a adotarem as tecnologias "certas". Essa ambição de transformar a China em uma potência tecnológica e cibernética global é de natureza abertamente geopolítica, como mostra o Esboço da Estratégia Nacional para o Desenvolvimento da Inovação de 2016 : “tecnologias disruptivas estão constantemente surgindo, remodelando continuamente o cenário competitivo do mundo e mudando o equilíbrio de poder entre os estados.”


Os projetos de infraestrutura digital e de telecomunicações em rápida expansão — todos parte da Rota da Seda Digital — em toda a massa da Eurásia terão efeitos reais nas pessoas que vivem nesses sistemas, impactando os sistemas de governança e poder estatal sobre dados. À medida que as empresas de tecnologia chinesas exportam esses complexos ecossistemas de tecnologias, normas e padrões nos programas Smart City e Smart Port, os Estados Unidos e seus aliados terão que monitorar como afetam os países receptores.

Embora o impacto normativo dessas tecnologias seja preocupante, é o seu potencial estrutural mais amplo na ordem global que é o mais alarmante. Se considerarmos os componentes constituintes da ordem ocidental — finanças, bancos, domínio tecnológico, influência sobre o mercado e regras comerciais — é claro que Pequim está oferecendo alternativas em todos os níveis, construindo uma vasta nova ordem que se adapte às suas próprias preferências. Apesar da natureza díspar das atividades da China, elas coletivamente formam a base para a hegemonia futura. Neste artigo, focamos em três áreas nas quais a RPC está usando a tecnologia para promover seus objetivos: valores e governança, mercados e comércio e expedição.


Valores e Governança


Conforme mencionado, as Smart Cities, construídas sobre os alicerces das redes 5G, ricas em dados, integram informações díspares de diferentes fontes para criar uma plataforma centralizada de troca de dados, essencial para as operações diárias das operações administrativas, industriais, ambientais, energia e segurança de sistemas. A premissa é que uma cidade melhor integrada e efetivamente operada impulsiona a atividade econômica e promove o crescimento sustentável no futuro, uma tecnologia promissora para muitos municípios do sul da Ásia, onde o crescimento populacional está criando novas cidades em rápido crescimento. No entanto, a China exportará valores e normas ao treinar futuros usuários de seus equipamentos, usando redes de pesquisa como o Laboratório Nacional de Engenharia (NEL) para aplicações de big data em detecção, prevenção e controle de riscos de seguridade social. O relatório Freedom House 2018 observou como a China oferece pacotes de treinamento a autoridades estrangeiras sobre como lidar com big data em "gerenciamento de opinião pública" e "desenvolvimento de novas mídias".


A ZTE ajudou a Venezuela a monitorar e controlar sua população através de um sistema de cartão de identificação inteligente. Vinculados ao sistema de satélite da China, os cartões armazenam dados de localização, informações financeiras, transações bancárias, assistência médica e até registros de votação. O governo usa os cartões para controlar o acesso a benefícios públicos. Alguns estados estão moldando suas leis cibernéticas para imitar as da China com o Vietnã, Egito, Tanzânia e Uganda, produzindo leis, não muito diferentes da Lei de Segurança na Internet da China de 2016, que exige a coleta e a verificação das identidades dos usuários.


Há um risco muito real de que, como arquiteto-chefe e administrador dessas redes digitais e cidades inteligentes, Pequim tenha acesso a resmas de dados nos países destinatários, seja por pactos de compartilhamento de informações ou por acesso direto ao servidor — outro requisito da Lei de Segurança da Internet 2016. O acesso a esses dados — e a capacidade de coletá-los usando a análise de big data — daria alavancagem a Pequim na forma de kompromat (material comprometedor), usando informações confidenciais para influenciar líderes estrangeiros importantes em questões críticas aos interesses chineses.


Mercados e Comércio


A proliferação de aplicativos de pagamento móvel chineses — como Alipay, Baidu Wallet e WeChat Pay — aumentará a quantidade de dados financeiros que passam pelas mãos chinesas, pois todas essas transações devem passar pela câmara de compensação do Banco Popular da China, Wanglian. Isso permite não apenas as empresas de tecnologia chinesas — mas também seu banco estatal — conhecerem as transações financeiras estrangeiras em tempo real. Além da expansão dos sistemas móveis de pagamentos eletrônicos da China, as redes e sistemas de TIC construídos na China em toda a Rota da Seda Digital pressionam os países beneficiários a favorecer a moeda da China e suas empresas. Além dos acordos de troca de moeda com muitos parceiros da BRI, a China deixou clara sua intenção de "desincentivar" a economia mundial do domínio do dólar. O sistema de pagamentos interbancários transfronteiriços é considerado por alguns um desafio para a Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais dos EUA.


À medida que a fintech chinesa cresce, as empresas chinesas se beneficiam de informações valiosas do consumidor, semelhante à maneira como a Amazon emprega agregação de pesquisa em tempo real para obter insights sobre tendências e desejos do consumidor. As empresas chinesas podem usar inteligência artificial para avaliar as necessidades do mercado em tempo real em escala global. As empresas privilegiadas podem levar os produtos desejados ao mercado, à frente das empresas domésticas ou americanas. Além disso, as empresas chinesas compreendem as capacidades e necessidades exatas dos países anfitriões, dando-lhes uma vantagem competitiva distinta sobre as empresas ocidentais e locais no design e produção de produtos. É provável que essa vantagem seja particularmente aguda em áreas que a China acredita serem estrategicamente importantes, como veículos autônomos, inteligência artificial e Internet das Coisas.


Pilar de transporte SLOC


Um dos pilares mais antigos do poder hegemônico tem sido o controle das rotas marítimas e do comércio que ocorre sobre elas. 80% do comércio global é transportado por via marítima e quase 2/3 do comércio marítimo passam por portos de propriedade chinesa. A partir de 2019, empresas estatais chinesas como COSCO e China Merchants possuem quarenta e dois portos principais em trinta e quatro países nas costas da Eurásia e da África. Aqui, a Digital Silk Road da China e a Maritime Silk Road se reúnem na forma de portas inteligentes. A centralização de dados e o aumento da automação criarão eficiência e automação no carregamento, aumentando assim a capacidade.


Em uma rede, a Plataforma de Monitoramento de Riscos de Big Data no Escritório de Alfândega de Nanning rastreia o comércio transfronteiriço com 26 portos no sudeste da Ásia. Essa plataforma permite que a China rastreie o status em tempo real de mercadorias, destinos e relacionamentos em todo o mundo. Embora os manifestos de remessa rastreiem o movimento de mercadorias, nunca antes os portos tiveram a capacidade de mapear de maneira abrangente as cadeias de suprimentos globais em tempo real. Esta informação permite um sistema de sanções não oficial que atinja os bens das nações (ou mesmo indivíduos) que a RPC deseja influenciar. De fato, a China já fez isso de maneira pouco tecnológica quando restringiu as exportações de banana das Filipinas para entrar nos mercados asiáticos entre 2016 e 2018 devido a tensões bilaterais relacionadas ao Mar do Sul da China.


O mundo está mudando rapidamente e há sinais de que as ambições da China com Belt and Road Initiative — e todos os seus componentes digitais — fazem parte do poder persistente de uma nova hegemonia. Os líderes chineses reconhecem que as novas tecnologias disruptivas promovem mudanças nos contatos pessoais e também podem mudar a forma como os estados negociam, policiam e administram seus municípios. A promoção de Pequim de suas empresas de tecnologia na massa terrestre da Eurásia permite a futura exploração de dados internacionais para efeito político — permitindo que os líderes chineses estabeleçam regras, criem normas e padrões e controlem o comércio e a atividade política. Estamos entrando em uma era de competição e não é apenas entre as nações, mas entre as ideologias e os estados que as hospedam.


O Dr. John Hemmings é professor associado do Centro de Estudos de Segurança Daniel K. Inouye do Pacífico Asiático para Estudos de Segurança, um centro regional do Departamento de Defesa dos EUA e um membro associado sênior da Henry Jackson Society, uma empresa sediada em Londres. think tank. Ele escreve em sua própria capacidade pessoal.

Patrick Cha é estagiário no Centro de Estudos de Segurança Daniel K. Inouye da Ásia-Pacífico. Ele se formou em 2019 na Escola de Relações Públicas e Internacionais Woodrow Wilson da Universidade de Princeton.



https://nationalinterest.org/feature/hidden-dangers-chinas-digital-silk-road-131887

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online