A repressão da China lembra a Big Tech quem está no comando

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - 23 SET, 2021 - Tradução César Tonheiro -

Os líderes políticos da China temem o poder de seus CEOs ultrarricos da Big Tech e reagem à ameaça com perseguição política. Mas nos Estados Unidos? Não muito.


O velho ditado, “Dinheiro é poder”, está provando ser muito menos confiável hoje em dia do que costumava ser, principalmente na China comunista.


Basta perguntar a Jack Ma.

Esta foto aérea mostra o logotipo (L) da empresa pioneira de pagamentos digitais da China, Alipay, no prédio de escritórios de sua empresa-mãe Ant Group em Xangai em 4 de novembro de 2020. (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

Repreender Pequim custa caro


Ma, o bilionário (ou ex-trilionário) fundador e chefe da gigante da internet Alibaba, é — ou era — o homem mais rico da China. Estima-se que o patrimônio líquido de Ma ultrapassa US $ 1 trilhão. Mas suas riquezas não serviam tão bem quanto ele poderia ter pensado que serviriam, ou poderiam.


Em 24 de outubro de 2020, Ma cometeu o erro de ser crítico da China e, por extensão, do Partido Comunista Chinês (PCC) que governa o país. Ma declarou publicamente em Xangai que a China "carecia de um sistema financeiro funcional" e que os bancos chineses eram administrados com uma " mentalidade de casa de penhores" .


Sem dúvida ele agora sabe, que isso não é maneira de falar sobre a mais nova superpotência, cuja liderança é supostamente infalível. Pior, a crítica de Ma foi realmente um tiro no ditador vitalício da China, Xi Jinping, e ameaçou a já frágil legitimidade do PCCh.


O desaparecimento de Jack Ma


Previsivelmente, o único líder e autoridade final na China reagiu de forma rápida e decisiva. De repente, Ma não estava em lugar nenhum. Ele simplesmente desapareceu. Sem tweets, sem posts em qualquer mídia, sem aparições em qualquer lugar, por meses.


Quando questionado pelo Financial Times sobre a súbita ausência de Ma nos eventos, a justificativa de um representante do Alibaba simplesmente esboçou a desculpa de um "conflito de agenda".


Coincidentemente, a divisão da fintech do Alibaba, Ant Group, viu sua oferta pública de US $ 37 bilhões desaparecer repentinamente. Uma investigação sobre as operações do Alibaba também foi iniciada por reguladores estaduais. Em dezembro de 2020, o Alibaba foi multado em US $ 2,8 bilhões pelas autoridades chinesas.

O logotipo do Alibaba Group é visto em seu escritório em Pequim, China, em 5 de janeiro de 2021. (Thomas Peter / Reuters)

Não é preciso se perguntar para onde foi o produto das multas.


Desconstruindo o Império de Ma


Mas esse não foi o fim da ira do PCCh. O império de Ma levaria mais golpes. Pequim pediu — ou melhor, ordenou — que o Alibaba liquidasse seus ativos de mídia, incluindo a propriedade do jornal South China Morning Post e do Weibo, a plataforma de mídia social equivalente ao Twitter da China.


E o sistema bancário que Ma criticou? O banco central da China cortou os vínculos do Ant Group com sua empresa de serviços de pagamento, Alipay. Essa ação separou financeiramente as empresas fortemente conectadas de Ma e sua capacidade de se comunicarem umas com as outras. O banco acabou controlando todos os produtos de fundos de Ma, incluindo as informações e a liquidez financeira desses fundos.


O PCC odeia competição


Claramente, Ma escolheu o caminho errado.


Mas ele não é o único magnata chinês da Big Tech a ser alvo do PCC. Parece provável que Pequim tenha percebido que a audácia de Ma não foi única. Outras empresas de tecnologia e mídia, como a Tencent, Baidu, Didi Chuxing, SoftBank e outras, foram visadas pelos reguladores do mercado com multas, ordens de desinvestimento e até mesmo cessação de negócios pelo crime de operar como monopólios.


Muito provável que a liderança chinesa via Ma soou como um indicativo de outros bilionários da tecnologia, na medida em que representavam um perigo claro e presente para o Partido e deviam ser enfrentados incontinenti. Há mais exemplos, de serviços de streaming de vídeos de músicas a serviços de tutorial para mineração de criptomoedas, mas você entendeu. Quando se trata de monopólios e poder, o PCCh odeia competição.


As consequências para as empresas visadas são irrelevantes para o Partido. Não faz diferença se o preço das ações de uma empresa caiu em bilhões ou trilhões ou se os fundadores repentinamente não puderam ser encontrados. O resultado final é que tudo ou quem quer que fique no caminho do controle totalitário do PCC sobre o país é tratado com severidade.


Ma reeducado?


É possível, porque os fundadores de empresas privadas de sucesso podem ver que a vida e o grande sucesso são possíveis sem que o Partido atrapalhe. Portanto, as repressões vêm rapidamente e os exemplos são feitos para manter os outros na linha.


Nesse sentido, em um vídeo divulgado meses após seu desaparecimento, Ma parecia contido e sombrio, bem diferente de sua típica personalidade extravagante. Sua declaração, “Tenho estudado e pensado, e me tornei mais determinado a me dedicar à educação e ao bem-estar público”, está totalmente fora de seu personagem. Poucas pessoas, se é que alguma pessoa, viu ou fotografou Ma desde então.

O cofundador da Alibaba, Jack Ma (R) e o CEO da Tencent Holdings, Pony Ma, aplaudem durante uma reunião de celebração que marca o 40º aniversário da política de "reforma e abertura" da China no Grande Salão do Povo em Pequim, em 18 de dezembro de 2018 . (Wang Zhao / AFP / Getty Images)

O que eles viram, entretanto, é o que Ma descobriu: em última análise, o dinheiro nem sempre é poder, mas o poder político é.


Big Tech acima do limite e o governo dos EUA


Curiosamente, no entanto, não parece haver esse tipo de problema com os magnatas da Big Tech americana. Eles não ameaçam o poder crescente e o alcance legal do atual governo de forma alguma.


Eles o habilitam.


Isso é possível porque, em vez de uma relação antagônica, a Big Tech e o atual governo dos Estados Unidos são cooperativos por natureza. Dezenas de altos funcionários da administração têm laços profissionais profundos com grandes empresas de tecnologia, como Google, Apple, Microsoft, Twitter, Uber e muitas outras.


Claro, há uma campanha publicitária sobre um esforço para controlar a Big Tech, mas isso realmente acontecerá?


A administração e a manipulação da mídia e dos dados favorecem um lado político em detrimento do outro, proporcionando enormes vantagens. O Dr. Robert Epstein, psicólogo pesquisador sênior do Instituto Americano de Pesquisa e Tecnologia Comportamental, explicou ao Senado dos Estados Unidos como o Google e outras empresas de tecnologia são uma grande ameaça para a democracia americana.


Um caso de esquecimento


Eles se sentiriam perfeitamente em casa na China, onde o PCC pune os líderes da Big Tech porque eles ameaçam a reivindicação de legitimidade do partido. Como Ma e outros como ele perceberam, todos os bilhões de dólares não importam sem liberdade e justiça. Eles estão aprendendo agora que o dinheiro é poder apenas quando os poderes [políticos] permitem a você a liberdade e a oportunidade de ganhá-lo, gastá-lo, expressar-se e proteger legalmente esses direitos.


Em última análise, o problema de Ma é um simples caso de esquecimento. Quando ele falou contra o PCCh, ele se esqueceu de que não era livre para fazer isso. Ele se esqueceu de quem estava criticando. Ele se esqueceu de que, em última análise, aqueles que controlam o dinheiro e os militares detêm o poder real.


Ele certamente se lembra agora.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele mora no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinas-crackdown-reminds-big-tech-whos-in-charge_4010985.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


16 views0 comments