A repressão da China às empresas de tecnologia é um alerta para os investidores dos EUA

- THE EPOCH TIMES - 12 AGO, 2021 - Frank Fang - Tradução César Tonheiro -

Os investidores e empresas dos EUA precisam aprender uma lição com a recente repressão de Pequim às empresas de tecnologia chinesas, advertiu Riley Walters, vice-diretor do Japan Chair do instituto Hudson, com sede em Washington.


“Pequim não quer que o poder dessas empresas de tecnologia rivalize com o deles”, disse Walters em uma entrevista recente à NTD, uma afiliada do Epoch Times. Além disso, ele disse que o regime comunista estava lembrando essas empresas, mesmo que fossem listadas nas bolsas de valores estrangeiras, Pequim ainda seria seu "único regulador".


“Para Pequim, ninguém vem antes do Partido [Comunista Chinês] na China”, acrescentou.

Vídeo aqui


A gigante do comércio eletrônico chinês Alibaba é uma das empresas que está recebendo a repressão regulatória da China. Em abril, a Alibaba foi multada em US $ 2,8 bilhões por táticas anticompetitivas. No mesmo mês, os reguladores chineses exigiram que a subsidiária da Alibaba, a Ant Group, passasse por uma grande reestruturação, cinco meses depois que a oferta pública inicial (IPO) da empresa em Xangai e Hong Kong foi suspensa.


Antes de a Alibaba ser alvo das autoridades chinesas, seu fundador Jack Ma criticou abertamente o regime comunista por sufocar a inovação, enquanto acusava os bancos chineses de terem uma “mentalidade de casa de penhores” em outubro do ano passado.

Outra empresa chinesa de comércio eletrônico, a Pinduoduo, listada na Nasdaq, foi convocada em maio pelo Conselho do Consumidor de Xangai, um órgão quase governamental, devido às supostas práticas da empresa que prejudicavam os direitos dos consumidores.


No início de julho, a gigante chinesa Didi Chuxing foi condenada a retirar seus aplicativos de lojas de aplicativos na China, após ser acusada de coletar ilegalmente dados pessoais de usuários. A repressão contra Didi veio poucos dias depois de ter levantado US $ 4,4 bilhões de investidores globais em sua IPO nos Estados Unidos.


As ações de Didi caíram mais de 35% desde sua IPO. Em 11 de agosto, suas ações fecharam a US $ 8,83.


No final do mês passado, a gigante chinesa da internet Tencent foi multada em 500.000 yuans (cerca de US $ 77,100) por comportamento anticompetitivo no mercado de música online chinês.


À luz da repressão da China, Gary Gensler, presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), emitiu uma declaração em 30 de julho, exigindo que as empresas chinesas fornecessem divulgações de risco adicionais antes que sua declaração de registro pudesse ser declarada efetiva.


As divulgações adicionais incluem que “os investidores enfrentam incertezas sobre as ações futuras do governo da China que podem afetar significativamente o desempenho financeiro da empresa operacional”.


Embora a repressão do regime tenha até agora sido limitada às empresas chinesas, a repressão pode eventualmente se expandir para empresas estrangeiras, de acordo com Walters.


“Para empresas estrangeiras, não apenas investidores, mas empresas que investem na China, existe a possibilidade de um dia você cair no martelo” (leiloado por merrecas), explicou.

Quanto aos investidores, Walters disse que precisam “repensar algumas de suas escolhas de investimento”.


“Como vimos recentemente, Pequim está disposta a reprimir certos setores, ao que quase parece por centavos”, explicou ele.


“E então, um dia, você está investindo em um determinado setor e acha que é um investimento seguro. A próxima coisa, você sabe, Pequim está dizendo, não vamos deixar isso acontecer mais.”


Já há sinais de que a China pode levar sua repressão ao próximo nível em um futuro próximo.

Em 11 de agosto, o Conselho de Estado chinês, semelhante a um gabinete, emitiu um novo plano para cinco anos, terminando em 2025, sobre como melhorar a governança do país. O plano pede o “fortalecimento” da legislação em áreas como segurança nacional, inovação tecnológica, saúde pública, biossegurança e antimonopólio.


Além disso, as agências devem “examinar cuidadosamente o assunto” no campo jurídico em vários setores, incluindo economia digital, finanças da Internet, inteligência artificial, big data e computação em nuvem.


Outro plano prevê o “reforço” da aplicação da lei em certos setores, que vão desde alimentos e medicamentos, saúde pública, serviços financeiros e tutoria educacional.


“Pequim não vai mudar as novas regulamentações para essas empresas. Não é apenas um desvio temporário”, disse Walters.


“Eles [a China] simplesmente continuarão a investir nessas novas regulamentações. Vemos isso o tempo todo. Depois que uma iniciativa é implementada, ela não desacelera. Assim como para os investidores, eles precisam estar cientes disso.”


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinas-crackdown-on-tech-companies-should-be-a-warning-taken-seriously-expert_3945484.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


6 views0 comments