A "quinta modernização" da China mostra sua intenção de liderar o mundo

13/12/2019


- PRESENT DANGER CHINA -

Tradução César Tonheiro




13.12.2019 Por Bradley Thayer e Lianchao Han - Originalmente publicado no Hill


No final de outubro, o Partido Comunista Chinês (PCC) convocou 300 de seus membros do Comitê Central para realizar o  Quarto Plenário do 19º Congresso do Partido Comunista  — uma confluência de palavras que garante a falta de atenção da mídia ocidental. No entanto, este foi um evento significativo que forneceu detalhes importantes sobre os objetivos estratégicos do PCC e etapas específicas para alcançá-los, além de métricas para medir o progresso.


Como de costume para o PCC, este documento crítico é cheio de clichês, hipérbole, conversas duplas e um título tão prolixo que faria Karl Marx corar: “A decisão do Comitê Central do Partido Comunista da China em aderir e melhorar o sistema socialista com características chinesas e promoção da modernização do sistema nacional de governança e da capacidade de governança.”


O Quarto Plenário é um marco porque definiu a quinta modernização da China — a  modernização da governança nacional. As quatro modernizações anteriores foram sobre agricultura, indústria, ciência e tecnologia e militares. A modernização da governança nacional, o PCCh, significa seu modelo político que é usado internamente e mostrado a aliados e estados ideologicamente simpatizantes.


Este é um presságio para a nova era na qual a China está prestes a implementar o que chamamos de “Doutrina Xi” para alcançar e legitimar a hegemonia do Estado-Partido exportando o sistema político totalitário da China e o modelo econômico socialista de mercado para o mundo. 


O documento expõe 13 superioridades do sistema socialista chinês ostensivas, que o PCCh acredita que podem ser usadas para substituir o inferior sistema de democracia liberal ocidental. De fato, a quinta modernização não trata de fechar as brechas ou alcançar o Ocidente, como foram as quatro anteriores, mas sim  um caminho para a governança global  — em outras palavras, usar o sistema socialista da China para acabar com o capitalismo.


Quando  Xi Jinping  assumiu o poder no final de 2012, ele abandonou a estratégia de Deng Xiaoping de — "escondendo nossa capacidade, aguardando nosso tempo" — para tornar a China uma grande potência. Xi assumiu uma postura mais agressiva para fornecer um papel maior à China na política internacional, para se igualar e depois superar os Estados Unidos.


Essa estratégia evoluiu para participação ativa mediante pressão por reformas de governança global, um eufemismo para reescrever as regras internacionais, que evoluiu ainda mais para "um mundo, dois sistemas ", criando um sistema internacional duplo para competir diretamente contra a democracia liberal. Agora, a República Popular da China entrou no que a mídia oficial chinesa chamou de “estágio inevitável da ascensão da China” - isto é, a  China liderará  o mundo no futuro.


A confiança do PCCh vem do que ele considera um “modelo dominante” de grande sucesso, que é um sistema melhor do que o Ocidente em todos os aspectos. Para o PCCh, a China levará a uma grande nova ordem global. Isso exige que a China lidere o mundo, estabelecendo regras e normas para todos os outros estados. Essa intenção é cristalina: a China acredita que agora é a hora do Estado-Partido ultrapassar sua identificação como potência regional e se destacar nos holofotes do mundo.  


O que isso significa para o mundo é que a China está ofensiva e intenciona liderar com suas soluções para o crescimento econômico, como o Belt and Road Iniciative (BRI ou OBOR), desenvolvimento por meio do Banco Asiático de Investimento em Infra-estrutura e, para uma visão de futuro global unido, a “Comunidade do Destino Comum com a Humanidade”, retórica que anima documentos e discursos oficiais chineses.


Mas a China também busca a vitória do socialismo. O PCCh se vangloria de que pode levar o mundo à vitória socialista porque — em suas palavras — "desvendou os segredos do governo". Acontece que o segredo principal não é tão secreto. Antes, como todas as ditaduras, é manter o controle absoluto da liderança centralizada do PCC sobre a vida política e econômica do país. O Partido está acima do estado e da lei; o Partido é o Estado e a LeiO exército pertence ao partido, não ao estadoTodos devem obedecer ao PCC, e o PCC obedece a Xi — esse é o poder absoluto do controle.  


Portanto, a chamada modernização da governança decorrente do Quarto Plenário é promover a segurança do regime de Xi e o domínio mundial. A principal tarefa do partido é aperfeiçoar esse sistema ditatorial e torná-lo mais eficiente e eficaz para suprimir a dissidência e promover a legitimidade do regime.


Um passo estratégico para executar o modelo de governança da China é fortalecer o sistema total de vigilância para eliminar preventivamente quaisquer riscos que possam ameaçar a segurança do regime. Na fraseologia do PCC, é "melhorar a tridimensionalidade, a legalização, a especialização e a esperteza da segurança social". Sem dúvida, a China se tornou uma superpotência de vigilância digital de alta tecnologia desde que Xi Jinping assumiu o poder, e agora seu  longo braço de vigilância  está alcançando o mundo. 

O modelo de governo da China reflete a regressão de Xi a um  regime de homens fortes no estilo Mao  — com a ditadura absoluta do partido, com violência e terror, e absolutamente sem piedade de qualquer dissidência. A  opressão da minoria muçulmana  na China é o exemplo atual mais flagrante.


Para responder à nova ofensiva da China, os EUA devem se engajar ativamente na guerra ideológica e promover a liberdade e os valores liberais. Ele deve interromper as tentativas de Xi de definir valores globais chamando a atenção para o esforço do domínio da China. Além disso, os EUA devem revelar a fonte do modelo chinês e elucidar o custo para o povo chinês e para o resto do mundo, para que se tornem os princípios políticos dominantes no mundo.


Bradley A. Thayer é professor de ciência política na Universidade do Texas, em San Antonio, e é co-autor de "Como a China vê o mundo: Han-Centrism e o equilíbrio de poder na política internacional ".


Lianchao Han é vice-presidente de Iniciativas de Poder do  Cidadão para a China . Após o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989, ele foi um dos fundadores da Federação Independente de Alunos e Bolsistas Chineses. Ele trabalhou no Senado dos EUA por 12 anos, como consultor legislativo e diretor de políticas para três senadores.



https://presentdangerchina.org/2019/12/chinas-fifth-modernization-shows-its-intent-to-lead-the-world/

24 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online