A produção de café prejudica o planeta. Os cientistas acham que podem ter outra maneira

- CNBC - Charmaine Jacob - Trad. C. Tonheiro - 15 DEZ, 2021 -

PONTOS CHAVE

. O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo — mas o aumento da demanda está ameaçando o meio ambiente.


. Nos últimos 30 anos, a crescente demanda por café levou a um aumento de 60% na produção e representou uma miríade de ameaças ao meio ambiente, de acordo com a Organização Internacional do Café.


. Cientistas na Finlândia estão tentando encontrar uma alternativa sustentável, desenvolvida em laboratório, para a próxima xícara de café — mas a tecnologia para produzi-lo ainda é muito cara.


O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo — mas o aumento da demanda está ameaçando o planeta, levando ambientalistas e cientistas a buscar formas sustentáveis de produzir café.


“A maior parte do café passa por um processo de moagem úmida que usa quantidades significativas de água doce para descolar e lavar o café. Em seguida, o café é seco, torrado, enviado e fermentado — cada um dos quais usa energia ”, disse Bambi Semroc, vice-presidente sênior do Centro para Terras e Águas Sustentáveis da Conservation International.


Nos últimos 30 anos, a crescente demanda por café levou a um aumento de 60% na produção, de acordo com a Organização Internacional do Café.


Do desmatamento ao alto uso de recursos hídricos e energéticos, pesquisas mostram que o aumento da produção de café está destruindo o planeta.


O Brasil, o maior produtor mundial de café, viu o desmatamento de sua floresta amazônica atingir o máximo de 15 anos, de acordo com um relatório publicado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil.


Estima-se que 13.235 quilômetros quadrados — equivalentes a 2.429 campos de futebol — foram perdidos entre agosto de 2020 e julho de 2021, o que representa um aumento de 22% em relação ao ano anterior.


A produção de café também deixa uma grande pegada hídrica e energética, com 140 litros de água necessários para produzir apenas 125 milímetros de café, de acordo com a Water Footprint Network.


Mas, ao mesmo tempo, a indústria do café também é vulnerável às mudanças climáticas.

Apenas neste ano, o Brasil experimentou ondas de geadas e secas em junho, que empurraram os preços do café arábica para uma alta em sete anos.


Especialistas em commodities prevêem que os preços continuarão a subir “dada a atual instabilidade dos mercados globais, bem como as incertezas em torno da produção do próximo ano dos produtores de café dominantes — Brasil, Vietnã e Colômbia”, disse Semroc, do Centro para Terras e Águas Sustentáveis da Conservation International.


Alguém cultivou café em laboratório?


Cientistas na Finlândia estão tentando encontrar uma alternativa sustentável, desenvolvida em laboratório, para a próxima xícara de café — mas a tecnologia para produzi-lo ainda é muito cara.


O Centro de Pesquisa Técnica VTT da Finlândia produziu com sucesso células de café em um biorreator por meio da agricultura celular, em uma tentativa de tornar a produção de café mais amiga do ambiente.


O café cultivado em laboratório do centro de pesquisa elimina a necessidade de desmatamento e o processo tem uma pegada hídrica muito menor, pois os cientistas podem usar água reciclada para gerar seus biorreatores.


“O café é um produto de luxo e as pessoas querem poder comprá-lo com a consciência tranquila” — Heiko Rischer / CENTRO DE PESQUISA TÉCNICA VTT DA FINLÂNDIA


Outra vantagem é que o café pode ser produzido a qualquer momento sob condições controladas de temperatura, luz e oxigênio, eliminando a volatilidade do abastecimento da indústria.


“Não somos produtores de café, mas gostaríamos de colaborar e trabalhar com partes que tenham experiência e visão para levar algo assim ao mercado”, disse Heiko Rischer, chefe de biotecnologia vegetal do instituto de pesquisa.


“Também requer um investimento significativo porque todo o processo de aprovação ... não só precisa de tempo, mas é claro que também é um exercício caro”, acrescentou.


A inovação também remove o longo processo de transporte do café do país de origem ao país consumidor e “tem impacto na rastreabilidade e transparência do processo ... isso muitas vezes também é um grande problema na cadeia de abastecimento do café”, disse Rischer.

Culturas de células de café (à direita) e café torrado produzidos pelo método de agricultura celular da VTT. Centro de Pesquisa Técnica VTT da Finlândia

“Não estamos trabalhando com grãos de café como matéria-prima, mas sim com um pó liofilizado que produzimos no laboratório”, disse ele à CNBC.


Depois de torrado, o pó pode ser preparado da mesma forma que uma xícara de café convencional.


Embora Heiko previsse que poderia levar no mínimo quatro anos antes que o café cultivado em laboratório da VTT recebesse a aprovação regulatória, já havia um grande interesse em torno do produto na Finlândia, o maior consumidor de café do mundo.


“No passado, víamos uma grande resistência aos alimentos geneticamente modificados, por isso ficamos positivamente surpresos quando as pessoas demonstravam interesse em comprar e saborear o produto ... O café é um produto de luxo e as pessoas querem poder comprá-lo com uma boa consciência”, disse Heiko.


Falta de investimentos


Programas como os da World Coffee Research and Conservation International também visam ajudar a atender à crescente demanda global de café, aumentando a produção dos pequenos agricultores e aumentando os investimentos nas fazendas existentes.


“A pesquisa do café é uma prioridade distante quando você tem prioridades humanitárias mais urgentes ... Muitos países de baixa renda são responsáveis por distribuir café para o mundo, mas não têm sido capazes de investir em maneiras que possibilitem a seus cafeicultores reduzir os riscos,” disse Jennifer Long, CEO da World Coffee Research.


“Os investimentos no desenvolvimento agrícola, com uma dedicação focada na pesquisa e tecnologia agrícolas, são os investimentos singulares mais importantes que você pode fazer”— Jennifer Long / CEO, WORLD COFFEE RESEARCH


Mais de 100 líderes mundiais na Cop26, a cúpula do clima global das Nações Unidas, se comprometeram em novembro a encerrar coletivamente o desmatamento até 2030. Eles também estão buscando redesenhar as políticas agrícolas para incentivar a agricultura sustentável.


No entanto, a falta de investimento em pesquisa e desenvolvimento agrícola pode levar a preços mais voláteis no futuro, alertaram os especialistas.


A produção de café representa uma grande parcela das receitas de exportação de muitos países em desenvolvimento — se os investimentos em pesquisa e inovação não forem feitos, “a consequência da volatilidade no mercado de café pode ser muito pronunciada para os cafeicultores”, acrescentou ela.


Dos 12,5 milhões de pequenos cafeicultores, pelo menos 5,5 milhões de pessoas vivem abaixo da linha internacional de pobreza de US $ 3,20 por dia, de acordo com a Enveritas, uma organização sem fins lucrativos que ajuda os pequenos cafeicultores a encontrar soluções sustentáveis.


“Os investimentos no desenvolvimento agrícola, com uma dedicação focada na pesquisa e tecnologia agrícolas, são os investimentos singulares mais importantes que você pode fazer”, disse Long, destacando que os desafios específicos da agricultura muitas vezes deixam os pequenos agricultores vulneráveis.


Os investimentos agrícolas são importantes para garantir que as metas de segurança alimentar possam ser alcançadas, apesar dos desafios globais que impedem a produção hoje, disse Long.


“As árvores são um ótimo lugar para começar porque absorvem e retêm muito carbono”, acrescentou ela, sugerindo que os sistemas de produção agrícola precisam ser modificados para integrar mais árvores por meio da agrossilvicultura.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.cnbc.com/2021/12/16/climate-change-lab-grown-coffee-and-sustainable-ways-growing-coffee.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


45 views0 comments

Related Posts

See All