A participação da China em portos pelo mundo ameaça a cadeia de suprimentos global

THE EPOCH TIMES - Mary Hong - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 18 NOV, 2022


O PCC reforça seu controle sobre a cadeia de suprimentos por meio de acordos portuários e da iniciativa Belt and Road

Contêineres chineses ao lado de uma bandeira dos EUA no porto de Los Angeles em Long Beach, Califórnia, em 14 de maio de 2019 (Mark Ralston/AFP/Getty Images)

O presidente dos EUA, Joe Biden, expressou preocupação com a atividade militar chinesa e a transparência na Base Naval Ream do Camboja durante uma reunião com o primeiro-ministro cambojano Hun Sen em Phnom Penh, de acordo com um comunicado à imprensa da Casa Branca em 12 de novembro.



A China respondeu que sua assistência na construção da instalação militar portuária do Camboja é uma “atividade normal” entre parceiros cooperativos estratégicos abrangentes. A atividade chinesa visa “fortalecer” a marinha cambojana e defender sua integridade territorial marítima, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning.


Especialistas que analisaram as ambições do regime comunista em estabelecer cabeças de ponte em solo estrangeiro determinaram que seu objetivo é mais do que controle militar aberto, coleta de informações ou influência cultural. É também exercer um controle mais efetivo sobre a cadeia de suprimentos, que é igualmente vital para a conquista do poder global pela China.


Uma preocupação internacional compartilhada


Tao Rei, um comentarista de assuntos da China, disse à edição em chinês do Epoch Times que a força militar da China e sua expansão são uma grande preocupação para a comunidade internacional.


Embora ele acredite que o país anfitrião ainda tem a palavra final sobre o uso de seus portos em caso de emergência, “o uso comercial deve estar no topo em sua consideração estratégica”, disse ele em 15 de novembro.


Se o controle do regime deve ser verificado, cabe aos governos individuais restringir a participação acionária do porto por empresas chinesas, disse Tao.


Aumento do controle dos portos põe em risco o fluxo de mercadorias


As empresas chinesas possuem ou operam ativos terminais em 96 portos em 53 países, segundo pesquisa de Isaac B. Kardon, do US Naval War College, e Wendy Leutert, da Universidade de Indiana, publicada no início deste ano na revista International Security.


Está documentado que, desde 2017, os navios de guerra chineses fizeram mais de 32 “paradas técnicas” na rota da China através do Oceano Índico e no Mediterrâneo – um uso intensivo e ativo de instalações comerciais que funde a capacidade militar e civil, disseram os pesquisadores.


Kardon e Leutert antecipam que esse padrão provavelmente se expandirá para muitos dos outros 64 portos.


Eles concluíram que esses portos – entraves essenciais no transporte global de mercadorias – permitem que o exército de Pequim projete poder regional e globalmente.


Os autores alertaram que o fluxo de mercadorias, vital para a saúde econômica e as capacidades militares dos EUA, corre o risco de ser interrompido.


É digno de nota que os navios chineses são evidentes em cinco dos portos comerciais mais movimentados dos Estados Unidos - Miami, Houston, Long Beach, Los Angeles e Seattle — onde as empresas chinesas têm participações.


De acordo com um relatório de outubro na Newsweek, os críticos acreditam que é assim que Pequim exerce sua influência estrategicamente: fundindo interesses políticos, comerciais e militares com potencial para espionagem.

Um cargueiro de propriedade chinesa no porto de Hamburgo, na Alemanha, durante sua viagem inaugural em 13 de janeiro de 2015. (Christian Charisius/AFP/Getty Images)

O Despertar Lento do Ocidente


O economista Davy Jun Huang disse ao Epoch Times que, infelizmente, a maioria da comunidade internacional não reconhece a agressão política do regime comunista e sua apropriação de recursos naturais.


“Muitos ainda contemplam ganhos econômicos ao lidar com Pequim”, disse ele, referindo-se à Iniciativa do Cinturão e Rota (sigla em inglês BRI) da política externa chinesa, que entrou em vigor em 2013 depois que Xi Jinping assumiu a liderança do regime.


Por meio de empréstimos e investimentos maciços em infraestruturas estatais estrangeiras, o Partido Comunista Chinês (PCC) obteve acesso a portos críticos em todo o mundo.


Huang disse que os países ocidentais estavam focados em seus próprios interesses e eram ingênuos à ameaça chinesa. Essa ingenuidade deu ao PCCh sua oportunidade.


“Havia Itália, Grécia, Turquia, Espanha, Portugal e agora é a Alemanha.” Não são casos isolados e “a ação conjunta deles é muito desanimadora”, disse.


No ano passado, a empresa Cosco, de propriedade do PCC, fechou um acordo com a autoridade portuária de Hamburgo. O ministro da Economia da Alemanha se opôs ao acordo. No entanto, as comunidades de navegação e negócios da cidade, bem como os principais setores do governo, foram a favor, citando aparente ganho comercial, de acordo com a Newsweek.


Pontes Ultramarinas


Muitos países pobres e em desenvolvimento caíram na armadilha da dívida do PCC pagando os empréstimos da BRI com recursos alternativos, como acesso a portos, instalações públicas ou minas: o que Huang chama de “cabeça de ponte militar ou política”.


Assim, a implementação de uma década da BRI colocou muitos portos geopoliticamente significativos sob o controle do PCCh.


Huang disse que não foi até o governo Trump que o Ocidente começou a despertar da agressão do PCCh. No entanto, ele disse que até agora os esforços do Ocidente para libertar esses países do impacto do PCC tiveram pouco efeito.

Isso pode ser porque, em termos de estratégia global, o PCC tem uma estrutura econômica diferente da do Ocidente.


“Pequim não se preocupa com nenhum dos custos econômicos, mas apenas com o controle e a dominação”, disse Huang.


Xia Song e Luo Ya contribuíram para este relatório.


Mary Hong contribui para o Epoch Times desde 2020. Ela faz reportagens sobre questões de direitos humanos e política chinesas.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-stake-in-geopolitically-significant-ports-threatens-global-supply-chain-experts_4871440.html


17 views0 comments