top of page

A 'nova guerra civil' da China continental se transforma em terror

THE EPOCH TIMES - Gregório Copley - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 OUT, 2022


A “nova guerra civil” da China continental não foi resolvida com o 20º Congresso do Partido Comunista Chinês, que terminou em 22 de outubro. Ela apenas começou sua mudança para uma fase nova e globalmente significativa.


O retorno da China ao maoísmo, a repressão em massa e – como ferramenta de repressão – a fome e o foco interno entraram em uma nova fase importante com a reeleição do secretário-geral do Partido Comunista, Xi Jinping. Ainda assim, foi uma coisa de curto prazo para ele.


Xi estava expurgando altos funcionários de segurança até o início do Congresso e adiou a libertação de autoridades econômicas condenatórias até depois do evento, a fim de não lançar sombras sobre sua tomada final do poder.


Agora, a guerra civil dentro do partido avança para uma nova fase de repressão bastante aberta dos oponentes de Xi e do público em geral.


Os danos à economia internacional serão imensos. O custo para o povo chinês será incomensuravelmente mais grave.


O único paralelo pode ser visto na própria supressão de oponentes de Mao Tsé-tung na Revolução Cultural (1966-1976) e no anterior Grande Salto Adiante (1958-1962). Muitas dezenas de milhões de chineses morreram — as estimativas variam de 30 milhões a 60 milhões — nos esforços de Mao para suprimir toda a oposição.


A fome em massa forçada dos tempos maoístas pode ser vista como os progenitores do atual início da fome urbana causada pelos bloqueios “COVID-zero” de Xi nas cidades. E Xi chamou a si mesmo – e está provando ser – um maoísta devoto.


O 20º Congresso Nacional terminou como a maioria das pessoas suspeitava que aconteceria: Xi garantiu um terceiro mandato e todos os seus oponentes varreram os postos poderosos do Partido. A certeza de Xi de que ele havia derrotado as tentativas de seus oponentes de frustrar sua reeleição ficou evidente quando ele conseguiu expurgar um símbolo principal da oposição, seu antecessor como secretário-geral, Hu Jintao, em uma remoção forçada deliberadamente humilhante do homem de 79 anos durante a cerimônia de encerramento do Congresso.


Jiang Zemin, 96, secretário-geral do Partido antes de Hu, nem sequer compareceu ao Congresso. Essa foi a primeira pista de que Xi havia triunfado, mesmo quando o Congresso começou. No final, o primeiro-ministro Li Keqiang também foi retirado do Comitê Permanente do Politburo, assim como os membros do Comitê Permanente Han Zheng (o chefe do Partido de Xangai, leal a Jiang), o chefe do órgão consultivo do Partido Wang Yang e Li Zhanshu, um antigo aliado de Xi e o chefe do cerimonial Congresso Nacional do Povo.


Podemos não ter notícias deles novamente.

Nova equipe

Havia sinais de cima a baixo de que Xi havia vencido esta fase imediata da “nova guerra civil” dentro do PCC. O outrora ferozmente independente, o jornal South China Morning Post, em Hong Kong, publicou um artigo servilmente pró-Xi do colunista Alex Lo em 24 de outubro, intitulado “Falar mal sobre mini-expurgo de Xi Jinping não poderia estar mais longe da verdade”.


A única divergência de Xi em relação ao maoísmo de estilo antigo estava na forma, não na substância: ele abandonou o “Livro Vermelho” de Mao, que foi usado como slogan para as massas. Xi a substituiu pela Iniciativa do Cinturão e Rota (sigla em inglês BRI, também conhecida como “One Belt, One Road”). Ele sabia que os slogans de Mao não poderiam despertar o mundo para que ele o transformasse com dinheiro. A BRI tornou-se o “livrinho de cheques vermelho”.


Mas só funcionou até que a repentina montanha de riqueza da China continental – criada por empresários chineses, não pelo Partido – estivesse lá para sustentar os empréstimos e “investimentos” muitas vezes ilógicos da BRI, todos projetados para comprar amigos em vez de garantir um retorno estável sobre o investimento. Portanto, a iniciativa está entrando em colapso, junto com a economia interna da BRI.


Então o que acontece agora?


O expurgo dos oponentes mais visíveis de Xi – como Jiang Zemin, Hu Jintao, Le Keqiang e Han Zheng – foi uma tentativa de “matar a cobra cortando sua cabeça”. Mas a oposição maciça a Xi continua, parte dela dentro do Exército de Libertação Popular (sigla em inglês PLA). Muito disso será levado à clandestinidade pela remoção da liderança visível da oposição. Mas houve expressões de preocupação dentro do PLA de que Xi possa colocar tudo em risco por meio de ações imprudentes no exterior, incluindo um ataque militar a Taiwan.


Uma questão em particular é se Xi, agora que alcançou a ditadura absoluta, ainda sentiria a urgência de atacar Taiwan e acabar com a guerra civil chinesa original entre o Partido Comunista e os nacionalistas. Essa guerra civil, iniciada depois que a República of China (ROC) emergiu do colapso da era imperial em 1911-12, nunca foi resolvida. O governo da ROC recuou para Taiwan e outras ilhas, mas nunca foi conquistado.


Xi quer acabar com essa guerra civil – a “grande” guerra civil – para garantir que não haja dúvidas de que o PCC foi o vencedor inquestionável de toda a China. Mas com domínio absoluto agora sobre a China continental, ele pode aliviar a urgência da tentativa altamente simbólica de destruir a ROC em Taiwan. Muito dependerá de ele conseguir conter a agitação no continente, onde o declínio econômico motivou dramaticamente a população urbana a protestar.


Uma guerra com Taiwan pode distrair disso, ou pode apenas drenar enormes recursos militares que seriam necessários para reprimir ainda mais a população doméstica.


Mas, aconteça o que acontecer, a economia agora mergulhará ainda mais, dada a realidade de que a assunção de poder draconiano de Xi – mesmo além de suas políticas especificamente antimercado – afastará o investimento estrangeiro e deprimirá o consumo doméstico. A demanda chinesa por matérias-primas em todo o mundo continuará a diminuir vertiginosamente. Os sonhadores na Austrália e Nova Zelândia, América do Norte e Europa devem agora enfrentar o fato de que o dinheiro que a China injetou na economia global evaporou.


E África, América Latina, Oriente Médio, Sudeste Asiático e Oceania verão o fim do dinheiro da China, mesmo que Pequim intensifique suas ameaças e demandas por meio da “diplomacia do lobo guerreiro”.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Gregório Copley é presidente da Associação Internacional de Estudos Estratégicos com sede em Washington. Nascido na Austrália, Copley é Membro da Ordem da Austrália, empresário, escritor, conselheiro governamental e editor de publicações de defesa. Seu último livro é “A Nova Guerra Total do Século 21 e o Gatilho da Pandemia do Medo”.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/mainland-chinas-new-civil-war-descends-into-horror_4816661.html


17 views0 comments
bottom of page