A luta pelos direitos das mulheres afegãs está apenas começando

- NATIONAL INTEREST - Ahmed Charai - Tradução César Tonheiro -24 SET, 2021 -

A perseguição às mulheres afegãs é generalizada e impiedosa. As mulheres têm sido sistemática e sumariamente demitidas de seus empregos no governo, até mesmo de cargos completamente apolíticos que não envolvem contato com o público, como engenheiras de filtragem de água. As meninas não podem estudar depois dos doze anos. Professoras perderam seus empregos porque apenas homens podem ensinar meninos. Vários estudantes universitários me telefonaram das províncias para expressar sua preocupação com o futuro incerto.


Alguns dos preconceitos do Taleban são surpreendentemente mesquinhos. Em algumas províncias, onde o clima é quente e seco, o Taleban força as mulheres afegãs a usar burcas e meias para cobrir os pés. (No governo anterior, na década de 1990, as meias não eram exigidas para mulheres que usavam sandálias.) Embora as meias logo fiquem sujas e desconfortáveis, o Taleban diz que está se protegendo contra a tentação sexual representada por dedos expostos.


O povo Hazara, uma minoria étnica e religiosa no Afeganistão, está entre os principais alvos do Taleban. Eles são fisicamente distintos, falam uma língua diferente e, com muita frequência, são alvo de abusos pelos radicais mais baixos e falantes do povo Pushtun agora no poder. (Diferença entre Hazara e Pushtun).


Por duas décadas, o Taleban tem passado o tempo nas madrassas do Paquistão, debatendo, discutindo , planejando. Naqueles longos anos, eles não aprenderam moderação.

A perseguição do Taleban às mulheres afegãs e às minorias étnicas revela a face vingativa do Islã radical e destaca a urgência de uma ação coletiva contra sua tirania.

Os combatentes e comandantes do Taleban que conhecem apenas a guerra e as armas não podem aceitar as mudanças sociais e econômicas na sociedade afegã, especialmente a independência financeira de mulheres instruídas e a prosperidade conquistada a duras penas por grupos étnicos não-pushtuns. Pedir ao Taleban que respeite as mulheres ou os direitos das minorias é pedir-lhes que preservem os ganhos do regime que derrubaram. É contra sua ideologia e sua inclinação para fazê-lo.


Em Mazar-e-Sharif, capital da província de Balkh, que faz fronteira com o Uzbequistão, várias dezenas de mulheres e homens também estiveram presentes na semana passada na Praça Darwaze-Jamhori, a leste da majestosa mesquita azul da cidade. Sob o grande retrato de cerâmica do comandante Ahmad Massoud, o melhor inimigo do Talibã, os novos senhores da cidade, o tráfego era denso e os vendedores ambulantes preparavam suas barracas.


Um grupo de uma dúzia de mulheres jovens, com idades entre 20 e 30 anos, começou a entoar slogans em nome da liberdade para exigir um governo que incluísse mulheres. Tensas, elas sabiam que os protestos deviam ser declarados ao Ministério do Interior para serem autorizados. O Taleban, que chegou rapidamente, formou um cordão de segurança impedindo que outras mulheres se juntassem a eles, bem como os rapazes que vinham apoiá-las.


Essa corajosa resistência talvez seja o resultado de vinte anos de presença americana no Afeganistão, que ajudou a transformar as mulheres afegãs em uma verdadeira força política. Mais numerosas e mais representativas, as mulheres afegãs hoje representam a última resistência ao Talibã.


Como podemos ajudar essas mulheres corajosas? O governo Biden congelou fundos do governo afegão que estão em bancos americanos. Outros aliados da OTAN devem seguir o exemplo.


Além disso, os Estados Unidos deveriam usar sua influência no Banco Mundial e no Fundo Monetário Internacional para negar fundos ao Taleban até que ele reconheça os direitos iguais das mulheres.


Mas, acima de tudo, a luta contra a exportação de papoula deve ser intensificada. Sem heroína e outras drogas ilegais, que o submundo afegão transporta para o Irã para embarque através dos ex-estados soviéticos para a Rússia, Europa e América do Norte, o Taleban estaria faminto por dinheiro. Combater o flagelo das drogas e o terror do Taleban é o que os legisladores chamam de “dois ferimentos”.


Finalmente, a pressão deve ser exercida sobre o Paquistão, o aliado mais confiável do Taleban. A venda de armas e os valores de Islamabad podem ser suspensos até que o Talibã seja posto de lado.


Claro, o Departamento de Estado dos EUA deve fazer o que puder para trabalhar com o Taleban, para realocar os americanos presos e seus aliados. Mas não se deve falar em “normalizar” as relações diplomáticas com um grupo terrorista até que ele normalize o tratamento das mulheres e das minorias étnicas. Tratar o regime de Cabul como um país normal, sem essas mudanças, provavelmente solaparia o que une os Estados Unidos: seus valores.


Ahmed Charai é editor do The Jerusalem Strategic Tribune. Ele faz parte do conselho de administração do Atlantic Council, é conselheiro internacional do Center for Strategic and International Studies de Washington e membro do Conselho Consultivo do Center for the National Interest.

Imagem: Reuters.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://nationalinterest.org/feature/fight-afghan-women%E2%80%99s-rights-just-beginning-194382


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


10 views0 comments