A luta do PCC com o liberalismo ocidental

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 21 MAR, 2022 -

Pessoal de segurança monta guarda na entrada da Cidade Proibida perto de uma imagem do líder chinês Xi Jinping (D), enquanto a sessão de encerramento do Congresso Nacional do Povo (APN) ocorre no Grande Salão do Povo nas proximidades de Pequim em março 11, 2022. (Noel Celis/AFP via Getty Images)

As dificuldades da Rússia na Ucrânia podem fazer Pequim pensar duas vezes sobre seus planos para Taiwan


O Partido Comunista Chinês (PCC) está observando de perto a dificuldade que a Rússia está tendo na Ucrânia e está tomando notas.


E muito é notável na Ucrânia.


O efeito ucraniano


Muitos esperavam que uma vitória russa sobre a Ucrânia demorasse apenas alguns dias. Certamente, não se esperava que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky – um ex-ator, comediante e neófito político eleito em 2019 – enfrentasse o exército invasor de Vladimir Putin.


Mas ele agiu.


Hoje, quase um mês depois, a Rússia ainda está tentando prevalecer. A resistência ucraniana provou ser muito mais dura do que Moscou esperava.


A grande resposta do Ocidente


Além disso, a reação do Ocidente à invasão é certamente maior do que o esperado também. Os Estados Unidos, a Polônia, a Alemanha e outros reabasteceram armamento antitanque e antiaéreo portátil e altamente eficaz, suprimentos médicos e muito mais que ajudaram a frustrar os avanços militares russos.


Mas, de longe, o fator mais importante foi a determinação do povo ucraniano, liderado pela liderança destemida de Zelensky. Dado o passado da Ucrânia, não deveria ter sido uma surpresa.


Memórias Ruins do Domínio Russo


Milhões de ucranianos lembram como era a vida como um estado soviético sob a Rússia. Com décadas de regime comunista ainda viva na memória, os ucranianos não têm interesse em se tornar vassalos da Rússia mais uma vez. Eles desfrutam das liberdades que têm em sua república, por mais imperfeita que seja, com eleições e um menu comparativamente amplo de direitos civis e oportunidades econômicas.


Além disso, a Rússia não é um modelo de vitalidade econômica. Pelo contrário, é basicamente um posto de gasolina com armas nucleares que vende equipamentos militares ao lado de vastas extensões de campos de trigo e cevada.


Por que os ucranianos não lutam até a morte para não serem russificados?

Militares ucranianos caminham por um caminho improvisado para atravessar um rio próximo a uma ponte destruída perto da cidade de Irpin, a noroeste de Kiev, na Ucrânia, em 13 de março de 2022. (Aris Messinis/AFP via Getty Images)

Pesadelo ocidental de Putin e fraqueza militar


A realidade é que, de 1991 até hoje, os ucranianos se tornaram, em sua maioria, ocidentalizados.


É exatamente assim que Putin vê. Seu recente lamento da influência negativa que o Ocidente teve na cultura russa e ucraniana diz tudo.


A ironia é que Putin não precisa ir tão longe quanto a Ucrânia para ver a influência do Ocidente. Está lá, dentro da sociedade russa também.


Este fato pode explicar parcialmente o desempenho menos estelar do exército russo na Ucrânia. De modo geral, é muito mais provável que os jovens russos estejam mais interessados em jogar guerras de vídeo do que de fato participar de uma, principalmente na Ucrânia, onde muitos russos têm laços familiares próximos.


Pequim teme uma Taiwan forte


Isso nos leva à China, Xi Jinping e ao resto da liderança do PCC. Taiwan é semelhante à Ucrânia em vários aspectos.


A nação é uma aliada de longa data dos Estados Unidos, com uma visão ocidental da vida. É uma sociedade robusta baseada mais ou menos na liberdade, no livre mercado e nos valores democráticos. Economicamente, cerca de dois terços da economia global depende de chips fabricados em Taiwan.


Memórias de Mao — Velhas e Novas


Além disso, a maioria dos taiwaneses são filhos ou netos de habitantes do continente que fugiram para a ilha de Formosa em 1949 para escapar de Mao Zedong e do banho de sangue que acompanhou a revolução comunista na China. Embora poucos taiwaneses daquela época ainda estejam vivos, todos testemunharam a repressão do PCC em Hong Kong e o esmagamento da democracia e da liberdade lá.


Além disso, os taiwaneses podem ver o regime chinês intimidando e ameaçando outros países da região, das Filipinas à Austrália. Aviões de guerra que violam rotineiramente o espaço aéreo defensivo de Taiwan e os jogos de guerra navais reforçam as intenções de Pequim. Em suma, a sociedade e a economia taiwanesa têm muito em comum com o Ocidente.


Pequim provavelmente está considerando todos esses fatores em relação aos seus planos de “reunificação” com Taiwan.


O medo de Pequim da resposta do Ocidente


O PCC deve estar se perguntando, por exemplo, quão determinados seriam os 23 milhões de cidadãos de Taiwan se a China lançasse uma invasão?


Eles resistiriam ferozmente como os ucranianos? Uma força civil armada saudaria o Exército Popular de Libertação da China (PLA)?

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, fala enquanto inspeciona o treinamento de reservistas em uma base militar em Taoyuan, Taiwan, em 12 de março de 2022. (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Ou seria uma caminhada?


Taipei ordenaria a destruição de todas as fábricas críticas de chips e outros ativos tecnológicos, ou algum tipo de reunificação gradual seria negociado?


O PCC também deve estar questionando como outras nações podem reagir se a China atacar Taiwan.


Economicamente, o mundo boicotaria os bens e serviços chineses? As nações da Ásia e do Ocidente apreenderiam fábricas chinesas ou congelariam seus ativos?


E em caso afirmativo, tal reação seria suficiente para fazer Pequim repensar sua decisão?

De uma perspectiva de impacto social, o PCC pode se perguntar quanta dificuldade uma resposta unificada contra a economia da China causaria ao cidadão chinês médio. Quanta dor as pessoas estão dispostas a suportar?


Culturalmente, Xi expressou preocupação com as influências ocidentais nas normas sociais chinesas. Ele alertou o país sobre a influência do Ocidente em suavizar as sensibilidades masculinas, lançando uma campanha de masculinidade para combater a tendência.


A invasão desencadearia uma guerra mais ampla?


O impacto militar é outro grande ponto de interrogação. A ambiguidade estratégica dos Estados Unidos, por exemplo, pode se tornar muito menos ambígua. As vendas de armas dos EUA para Taiwan continuam e, segundo o presidente Joe Biden, a política dos EUA em relação a Taiwan permanece inalterada.


Muito menos ambígua, porém, é a política do Japão. Lembre-se de que o Japão emitiu um white paper em 2021, no qual afirma explicitamente que sua segurança nacional está diretamente ligada à de Taiwan. Como consequência, Tóquio está reorganizando sua estratégia de defesa com foco em enfrentar a ameaça da China.


Tanto a Rússia quanto a China estão percebendo que o envolvimento com o Ocidente é uma via de mão dupla. Toda a propaganda do mundo não se compara à atração dinâmica de liberdade e vitalidade econômica que o Ocidente proporciona. Além disso, não demora muito para perder o acesso às economias ocidentais e seus mercados.


Tanto Moscou quanto Pequim têm boas razões para se preocupar.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele mora no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/



11 views0 comments