A irresponsabilidade do 'investimento responsável'

- THE EPOCH TIMES - Fan Yu - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 7 ABR, 2022 -

Investimentos russos e chineses destacam o fracasso da indústria ESG


O setor de investimentos com foco em ESG (ambiental, social e governança) mais uma vez questionou seus padrões.


O mercado global de US $ 2,7 trilhões para fundos ESG investe em dívida e patrimônio de empresas supostamente socialmente responsáveis. Há toda uma indústria artesanal formada em torno do ESG, incluindo agências de classificação, auditores e consultores de investimentos. A indústria tornou-se cada vez mais popular e muitas empresas de capital aberto estão alterando suas estratégias corporativas para se qualificar.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


Hoje, a invasão da Ucrânia pela Rússia provocou debates sobre as práticas da indústria.

Os fundos de investimento internacionais, incluindo os administrados pelo UBS, possuem os chamados “títulos verdes” – dívida cujos recursos devem financiar iniciativas consideradas sustentáveis e ecologicamente corretas – emitidos pela Russian Railways JSC e pelo banco russo Sovcombank PJSC. Ambas afiliadas ao Kremlin agora estão sancionadas pelos Estados Unidos e pelos aliados da Europa Ocidental, forçando os investidores atrelados ao ESG a vender suas participações em seus títulos verdes desses emissores.


Basta dizer que os títulos emitidos por muitas outras empresas russas – bloqueados dos mercados de capitais globais com alguns sendo cortados da rede SWIFT Dollar – não se qualificam mais para investimentos ESG.


Isso nos leva à China, o aliado mais próximo da Rússia.


A China apresenta um conjunto semelhante de questões para investidores ESG. O regime dominante da China, o Partido Comunista Chinês (PCC), está intimamente alinhado com Moscou e até agora se absteve de condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia. Alguns especialistas políticos até acreditam que Pequim vê a agressão da Rússia como um "ensaio geral" à frente de suas próprias ambições de recuperar Taiwan.


No entanto, muitos fundos de investimento ESG possuem ações e títulos chineses. Mais de 1.000 empresas chinesas de ações A listadas em Xangai e Shenzhen publicam relatórios ESG. A MSCI, empresa global de indexação de investimentos, atribui classificações ESG para mais de 700 empresas chinesas. Uma pluralidade de empresas chinesas tem classificação AAA em ESG pela MSCI.


Em um país onde as linhas políticas e de negócios são muitas vezes confusas e todas as empresas – públicas e privadas – devem jurar lealdade ao PCC, atribuir altas classificações ESG a empresas chinesas parece absurdo.


Paul Clements-Hunt, um dos fundadores do investimento ESG que ajudou a cunhar o termo, é um especialista que vem alertando os investidores sobre a diminuição das qualificações ESG.


“Se você não levar em conta a autocracia e um governo malévolo, então você falhou em sua avaliação ESG”, disse Clements-Hunt em uma entrevista recente à Bloomberg.


No entanto, a indústria de investimentos em ESG parece ignorar essas questões ao avaliar os vastos mercados de capitais da China. A China possui a segunda maior economia do mundo, e os investidores estão ansiosos para investir lá. As empresas chinesas produzem inescrupulosamente relatórios ESG enquanto ignoram o elefante na sala – o fato de que a maioria das empresas chinesas falharia nos aspectos S (social) e G (governança) do ESG. Muitos desses relatórios são copiados uns dos outros e têm linguagem e qualificações semelhantes. No entanto, as empresas de classificação ESG inadvertidamente atribuem classificações positivas a elas, levando a uma conclusão precipitada de que as empresas chinesas devem se qualificar para a inclusão ESG.


Esse processo zomba dos investidores que realmente se preocupam com conduta ética, governança transparente e práticas comerciais sustentáveis.


O fato de a China ser a segunda economia do mundo e um componente-chave da cadeia de suprimentos global significa que é ainda mais crítico aplicar adequadamente o ESG aos constituintes chineses. Se feito corretamente, o impacto real é alcançável.


Ouvi de investidores institucionais que reconhecem os padrões duplos, mas advertem que colocar empresas chinesas em listas negras pode derrubar o setor de investimentos em ESG.


Isso não é desculpa para perder de vista o propósito original do ESG. Se os participantes da indústria se resignarem a isso, então a indústria ESG falhou em sua missão.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Fan Yu é especialista em finanças e economia e contribui com análises sobre a economia da China desde 2015.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


21 views0 comments