A influência de Pequim sobre a ONU impede a adesão de Taiwan

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - Tradução César Tonheiro - 29 OUT, 2021 -

Três legisladores de Taiwan - Hsu Yung-ming, Yu Wan-ju e Chang Hung-lu - lideraram a marcha 'Keep Taiwan Free' para a Sede das Nações Unidas na cidade de Nova York em 16 de setembro. Centenas de ativistas realizaram uma manifestação para protestar contra a exclusão de Taiwan das Nações Unidas. (Paul Huang / The Epoch Times)

A influência do Partido Comunista Chinês (PCC) sobre as Nações Unidas é usada esmagadoramente para enfraquecer o apoio a Taiwan em todo o mundo.


Em 1971, a China era um país totalitário atrasado, de base agrária, que não podia se alimentar nem oferecer muito ao mundo. Seu principal meio de transporte era a bicicleta e, em seu isolamento, quase não tinha influência nos assuntos globais. Estava muito ocupada perpetrando a Revolução Cultural que continuaria a separar o país por mais cinco anos.


Os EUA ajudaram a China a voltar ao mundo


No entanto, a nação mais poderosa da Terra, os Estados Unidos, abriu o caminho para que uma China empobrecida ingressasse na ONU e ganhasse um assento no Conselho de Segurança da ONU. Havia razões geopolíticas e econômicas por trás dessa decisão. Independentemente disso, a adesão à ONU certamente deu ao regime comunista, que havia derrubado o país, um impulso de legitimidade muito necessário.


Não apenas foi útil na subsequente abertura da China ao investimento ocidental, mas também deu nova legitimidade ao movimento comunista — as mesmas forças contra as quais lutávamos no Vietnã e de forma mais ampla na Guerra Fria. Assim, a entrada da China na ONU foi um sério golpe para a reputação anticomunista dos Estados Unidos e sua política de contenção, bem como para a defensora da civilização ocidental e dos valores democráticos. A ONU também se tornaria menos pró-Ocidente com o passar do tempo.


Ferindo Nosso Aliado Taiwan


Mas a consequência imediata foi que, depois de mais de 20 anos como membro pró-americano daquele órgão, Taiwan não apenas perdeu seu assento no Conselho de Segurança permanente para os comunistas em Pequim, mas foi rebaixado. O órgão governante de maior prestígio do mundo já não o considerava uma nação soberana.


Cinquenta anos depois, é claro, o regime chinês é agora uma força econômica e militar global. Mas é também a maior ditadura do mundo, construída com trabalho escravo e desprovida de direitos civis. Também mantém milhões de prisioneiros religiosos e políticos, sujeitando-os a tortura, privação e até mesmo extração de órgãos.


Taiwan: uma nação modelo


Enquanto isso, Taiwan continua sendo a única nação chinesa livre, uma república próspera com uma economia de mercado em pleno funcionamento. Realiza eleições livres. É líder global em tecnologia e fabricação de semicondutores e possui vários acordos comerciais com nações ao redor do mundo.


Além disso, Taiwan é membro de 40 organizações regionais e internacionais, desde a Organização Mundial do Comércio até o Banco Asiático de Desenvolvimento e o Fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico. Também detém o status de observador em várias outras organizações.

O Embaixador Abraham Wen-Shang Chu concorda com um pacote das 20.000 máscaras cirúrgicas doadas por Taiwan para ajudar Orange County a combater a pandemia COVID-19 em Santa Ana, Califórnia, em 16 de junho de 2020. (John Fredricks/The Epoch Times)

Talvez tão importante quanto, Taiwan demonstrou a resposta mais eficaz do mundo à pandemia e ajudou gratuitamente outras nações a fazer o mesmo, doando milhões de máscaras e outros suprimentos médicos para nações europeias e asiáticas. Ao mesmo tempo, o PCCh negava a culpa pela doença e sua disseminação, enquanto acumulava suprimentos e permitia que seu povo viajasse livremente ao redor do mundo.


Taiwan é, de fato por seus atos, uma nação soberana e um modelo nisso. E, no entanto, ainda não é reconhecida pela ONU.


Por que isso seria?


Existem Realmente Duas Chinas


Um dos principais motivos é que a China exerce enorme influência na ONU e se opõe mais uma vez a Taiwan se tornar membro. Isso demonstraria que existem duas Chinas no mundo — uma livre e a outra cativa.


No entanto, a China é um grande contribuinte financeiro para a ONU, o que significa influência. Apenas os Estados Unidos contribuem mais. Além disso, a política externa agressiva da China, juntamente com sua influência econômica, dá a Pequim muito mais influência sobre muitos membros menores, especialmente aqueles dentro ou em regiões vizinhas que desejam ou acham prudente cooperar com a China.