A inação na Europa torna a luta anti-inflação do Fed mais difícil

- THE EPOCH TIMES - Milton Ezrati - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 11 MAI, 2022 -

A inflação persistirá como um problema nos dois lados do Atlântico


O Banco Central Europeu (BCE) tornou o trabalho do Federal Reserve (Fed) mais difícil. Depois de ignorar perigosamente a inflação por meses, o presidente do Fed, Jerome Powell, finalmente adotou uma postura de política anti-inflacionária.


O Fed irá gradualmente desfazer sua antiga prática de comprar títulos diretamente nos mercados financeiros – o que os banqueiros centrais chamam de “flexibilização quantitativa”. As vendas do tesouro de títulos acumulados em compras anteriores sugarão a liquidez inflacionária dos mercados financeiros e da economia. Os formuladores de políticas também começaram o que parece ser uma longa série de aumentos nas taxas de juros.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

Muitos vêem esses passos como muito pouco, e muito tarde. Ainda assim, a decisão do BCE de não tomar nenhuma ação anti-inflacionária tornará a luta do Fed muito mais difícil e promete infligir pressões de preços na Europa e nos Estados Unidos por mais tempo do que o contrário.


Diante dos relatórios de inflação europeus quase tão severos quanto nos Estados Unidos, a presidente do BCE, Christine Lagarde, praticamente se recusou a agir. Ela falou sobre encerrar o programa de flexibilização quantitativa do banco, provavelmente não até setembro. O aumento da taxa de juros, ela afirmou, vai esperar até o final deste ano, se for o caso.


Lagarde explica sua falta de ação fazendo duas distinções para a situação americana. A Europa, afirma ela, está menos adiantada em sua recuperação pós-pandemia do que a América, e sua economia é muito mais vulnerável às sanções impostas à Rússia. Estes são fatos indiscutíveis, mas ainda não são motivo para ignorar as pressões inflacionárias.

A falta de agressividade do Fed e a total passividade do BCE são especialmente angustiantes porque a inflação de hoje – em ambos os lados do Atlântico – vem de fontes mais fundamentais e teimosas do que os formuladores de políticas querem admitir. A linha oficial em Washington e Bruxelas é que a inflação é o resultado de problemas na cadeia de suprimentos pós-pandemia e as consequências da guerra na Ucrânia, especialmente as sanções impostas à Rússia.


Sem dúvida, as dificuldades na cadeia de suprimentos e as sanções contribuíram para as pressões inflacionárias. Ainda assim, um foco exclusivo neles ignora as raízes mais profundas e fundamentais decorrentes de anos de políticas fiscais e monetárias equivocadas que nenhum banco central pode corrigir com facilidade ou rapidez.

O Banco Central Europeu no rio Meno em Frankfurt, Alemanha, em 6 de outubro de 2021. (Michael Probst/AP Photo)

Por mais de uma década, Washington e governos de toda a União Européia (UE) adotaram posturas fiscais extremamente estimulantes que criaram déficits orçamentários extremamente amplos. Cada continente enfrentou uma sucessão de crises que pareciam exigir tais políticas em cada estágio, mas o padrão ao longo de tanto tempo criou desequilíbrios econômicos.


Pior ainda, do ponto de vista da inflação, as autoridades de ambos os continentes têm usado políticas monetárias extremamente expansivas para financiar essas políticas fiscais. O Fed nos Estados Unidos, por exemplo, usou a criação de dinheiro novo para comprar cerca de US$ 5 trilhões em dívidas governamentais na última década, US$ 3 trilhões apenas nos últimos dois anos. Este é o equivalente moderno de financiar o governo por meio da imprensa – uma receita clássica para a inflação.


Esse tipo de problema de inflação subjacente imporia uma dura luta aos esforços combinados de ambos os bancos centrais, mas a inação do BCE sobrecarregará tremendamente o Fed. O aumento das taxas de juros apenas nos Estados Unidos e as retiradas diretas de liquidez dos mercados financeiros tenderão a atrair fundos da Europa. Tais movimentos já são evidentes na alta do dólar nos mercados de câmbio. Ele subiu cerca de 12% em relação ao euro apenas nos últimos quatro meses e agora é mais alto do que nos últimos seis anos.


Essa retirada de parte do combustível inflacionário na Europa fará parte do trabalho de Lagarde para ela. Ao mesmo tempo, tornará os esforços do Fed para reduzir a liquidez inflacionária nos mercados americanos muito mais desafiadores. Efetivamente, o Fed conduzirá a luta antiinflacionária para ambos os bancos centrais. Esse fardo exigirá uma ação mais ousada de Powell e seus colegas do que se o BCE estivesse cooperando. Também prolongará a luta contra a inflação por mais tempo do que seria necessário.


O Fed já tornou seu trabalho mais difícil ao desperdiçar um ano negando a inflação quando poderia e deveria estar adotando políticas para conter as pressões sobre os preços. Isso permitiu que uma psicologia inflacionária se incorporasse à situação, o que, como mostra a experiência da última grande inflação nas décadas de 1970 e 1980, pode tornar a luta antiinflacionária muito mais difícil. Agora Lagarde e o BCE aumentaram as dificuldades. A única coisa a concluir é que as pressões inflacionárias incomodarão tanto americanos quanto europeus por algum tempo.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Milton Ezrati é editor colaborador do The National Interest, afiliada do Center for the Study of Human Capital of University at Buffalo (SUNY), e economista-chefe da Vested, uma empresa de comunicação com sede em Nova York. Antes de ingressar na Vested, ele atuou como estrategista-chefe de mercado e economista da Lord, Abbett & Co. Ele também escreve frequentemente para o City Journal e bloga regularmente para a Forbes. Seu último livro é "Thirty Tomorrows: The Next Three Decades of Globalization, Demographics, and How We Will Live".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/inaction-in-europe-makes-the-feds-anti-inflation-fight-tougher_4454313.html

11 views0 comments