A guerra contra a verdade neste sistema e no próximo

THE EPOCH TIMES - John Mac Ghlion - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 15 NOV, 2022


Chris Hardwick, o comediante e ator americano, disse certa vez: “Não estamos mais na era da informação. Estamos na era da gestão da informação.” Ele tem razão. Nós estamos. Com tanta informação por aí — muita boa e muita ruim — é difícil separar o fato da ficção. É por isso que os governos em todo o mundo estão intensificando os esforços para fazer a separação por nós. Isso deveria preocupar a todos nós. Os árbitros da verdade não são confiáveis.


Os autores do Reclaimthenet.org discutiram recentemente tendências preocupantes em dois países que se tornaram cada vez mais opressivos nos últimos anos. Na Nova Zelândia, lar de algumas das medidas de bloqueio COVID-19 mais opressivas do mundo ocidental, a tentativa de combater a desinformação tomou um rumo bastante ameaçador. As autoridades acabam de lançar um guia abrangente para ajudar os cidadãos a identificar extremistas violentos.



De acordo com o serviço secreto da Nova Zelândia, esses extremistas são motivados principalmente por sua identidade branca e/ou crenças religiosas. Nos últimos tempos, no entanto, surgiu um novo grupo motivado por uma questão extremamente nova. Este grupo consiste em indivíduos que questionam a narrativa do COVID, a eficácia das máscaras e medidas draconianas de bloqueio. Essas pessoas, você vê, tomaram muito Kool-Aid e consumiram muita “misinformation” and “disinformation.” [Misinformation é um conteúdo falso, enganoso ou fora de contexto compartilhado sem a intenção de enganar. Deisinformation é um conteúdo propositalmente falso ou enganoso compartilhado com a intenção de enganar e causar danos]. Por essas razões, eles agora representam uma grave ameaça para o povo da Nova Zelândia. Eles devem ser monitorados e, se necessário, tratados pelas autoridades.

A polícia para veículos em um posto de controle na SH1 ao norte de Wellsford em Auckland, Nova Zelândia, em 12 de agosto de 2020. Auckland foi colocado em bloqueio total do COVID por três dias, com todos os residentes trabalhando em casa, exceto trabalhadores essenciais e todas as escolas e creches fechadas. (Fiona Goodall/Getty Images)

Enquanto isso, na França, Emmanuel Macron está planejando um plano para reprimir a “misinformation”. Conforme relatado pela Reclaim, o presidente francês planeja regular a internet por meio das maiores plataformas de tecnologia do planeta. Em 10 de novembro, o homem de 44 anos se reuniu com vários representantes das gigantes de tecnologia, incluindo Microsoft, Facebook (Meta), Amazon e TikTok, de propriedade da ByteDance, uma empresa chinesa com laços estreitos com Pequim.


O Big Government está se fundindo com a Big Tech para policiar informações. Isso não é novidade. Isso ocorre há anos. Mas, é preciso ressaltar, essa parceria parece estar se tornando muito mais potente. O governo francês, como tantos outros governos, têm um domínio tênue da honestidade. Enquanto isso, os gostos do Facebook e TikTok apenas adicionam combustível ao inferno da “misinformation”. Nesta tentativa de apagar o fogo, a Big Tech e o Big Government devem ser vistos como bombeiros ou incendiários?


Claro, não se pode discutir a guerra contra a “misinformation” sem discutir os Estados Unidos. Em outubro, um tesouro de documentos, obtido pela primeira vez pelo The Intercept, delineou as várias maneiras pelas quais o Departamento de Segurança Interna (DHS) planeja atingir fornecedores de informações non grata [não bem-vinda; não aprovada]. Para ser mais específico, os documentos mostram claramente como os gigantes do Big Government e da Big Tech estão colaborando para sinalizar conteúdo potencialmente perigoso, incluindo “misinformation relacionado a eleições”.


Políticos proeminentes — como a democrata Amy Klobuchar, por exemplo — estão exigindo que os funcionários do governo tenham mais voz sobre quais informações podem ser postadas e compartilhadas online. Para ser claro, certas informações não devem ser defendidas ou promovidas, independentemente das tendências políticas de alguém. Esta informação inclui qualquer coisa que seja explicitamente racista ou antissemita por natureza.


No entanto, devemos recuar quando se trata de questionar questões como a integridade das eleições, a eficácia das medidas de bloqueio e os mandatos de máscaras sem ciência. Há um esforço concentrado para punir aqueles que se desviam da narrativa prescrita e pré-aprovada. Uma sociedade saudável próspera no pensamento heterodoxo, não no pensamento de grupo homogêneo.

Logo no prédio do Departamento de Segurança Interna dos EUA é visto em Washington em 22 de julho de 2019. (Alastair Pike/AFP via Getty Images)

Nos próximos anos, não é preciso ser Nostradamus para ver que essa tentativa de policiar a “misinformation” e a “disinformation” só se intensificará por natureza. Em outubro, alguns dos maiores players em Big Tech, Big Media e Big Government participaram do Fórum de Democracia de Atenas. Um dos tópicos discutidos envolveu como as instituições democráticas podem ajudar a moldar o metaverso. Pelo perfil, é claro, quero dizer governar.


Para os não iniciados, o metaverso pretende ser o próximo passo na evolução da internet. Como discuti em outro lugar, os usuários navegarão neste admirável mundo novo por meio de dispositivos vestíveis. Pense no metaverso como uma internet habitável, um ambiente mais cativante que consumirá mente e corpo. Quem vai policiar esse espaço de realidade virtual?

Você adivinhou, as mesmas pessoas que estão policiando este aqui.


Os palestrantes do Fórum da Democracia incluíram o ex-secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, e Jeffrey Sachs, um proeminente economista americano com uma história questionável. O evento, vale destacar, foi patrocinado pelo Facebook (Meta), Microsoft, UN Democracy Fund, Conselho da Europa, entre outros. Além do metaverso, os presentes também falaram sobre o flagelo das “fake news” e diversas formas de informação “enganosa”.


Neste sistema - assim também no que há de vir, ao que parece — a única coisa que vai mudar é o tempo. Os que estão no poder permanecerão no poder, passando o bastão para indivíduos com ideias semelhantes e dispostos a ecoar seus sentimentos. À medida que a guerra contra a “misinformation” continua a se intensificar, espere punições mais severas para aqueles que não desejam ler o roteiro cuidadosamente construído.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


John Mac Ghlion é pesquisador e ensaísta. Ele cobre psicologia e relações sociais e tem grande interesse em disfunção social e manipulação da mídia. Seu trabalho foi publicado pelo New York Post, The Sydney Morning Herald, Newsweek, National Review e The Spectator US, entre outros.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/the-war-on-truth-in-this-world-and-the-next_4858251.htm

7 views0 comments