A economia da China pode sobreviver à tendência do nearshoring?

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - Tradução César Tonheiro - 14 out, 2021 -

Um trabalhador usa uma ferramenta manual para fazer contêineres em uma fábrica em Lianyungang, na província de Jiangsu, no leste da China, em 27 de agosto de 2021. (STR / AFP)

As empresas estão mudando sua produção da China para países muito mais próximos de seus mercados


As notícias negativas sobre a economia chinesa parecem fluir de um poço sem fundo atualmente. Como se o atual default da Evergrande e o fantasma da iminente crise da dívida não fossem suficientes para o Partido Comunista Chinês (PCC) se preocupar, o mundo agora se encontra na pior crise da cadeia de suprimentos da história moderna.


A rosa chinesa murchou



O fato de o regime chinês ser a fonte da crise não passa despercebido ao mundo. Nem é o papel desprezível de Pequim na pandemia e sua atitude insensível para com os países fortemente afetados pelo vírus PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus.


Esses e outros desafios são os motivos pelos quais os fabricantes estrangeiros estão achando a China muito menos desejável do que antes. Como resultado, o “nearshoring” se tornou uma tendência importante no mundo e a economia da China será afetada por essa tendência. Em suma, nearshoring se refere a empresas que estão transferindo sua produção para países muito mais próximos de seus principais mercados.


Não é de se admirar por quê.


A China não é o país que costumava ser. Isso pode ser dito de muitas nações hoje; mas do ponto de vista da manufatura, o clima na China — comercial e político — está se deteriorando rapidamente. Elementos comerciais fundamentais, como cadeias de suprimentos de produção originadas na China, por exemplo, continuam a ser prejudicados pela escassez de mão de obra induzida pela pandemia e pela escassez de recursos, entre outros motivos.


Em uma resposta reveladora à piora das condições, a província de Guangdong, a maior região manufatureira do país, reduziu as barreiras ao investimento estrangeiro em um esforço para atrair mais manufatura corporativa multinacional. Não se sabe até que ponto essas políticas conterão a maré de nearshoring, mas mostra que Pequim sabe para que lado o vento sopra.

Um veículo elétrico Tesla Model 3 fabricado na China é visto no salão do automóvel de Guangzhou em Guangzhou, província de Guangdong, China, em 21 de novembro de 2019. (Yilei Sun / Reuters)

Custos crescentes e margens decrescentes


Já se foi o tempo em que uma empresa americana ou europeia podia aumentar drasticamente as margens de lucro simplesmente mudando suas operações de manufatura para a China, e não para outros países. Grandes lucros foram possíveis quando o PCCh ajudou dezenas de milhares de firmas estrangeiras a tirar vantagem dos salários do trabalho escravo.


Mas hoje, os custos trabalhistas da China estão entre os mais altos — senão os mais altos — da região. O Vietnã é mais competitivo em termos de custos trabalhistas do que a China e está tentando expandir sua capacidade de manufatura. Os custos de mão-de-obra do México também são mais baixos e os fabricantes dos EUA evitam as despesas e o risco de remessas para o exterior.


Isso é um grande negócio, porque os custos de envio estão disparando. Um ano atrás, custava cerca de US $ 2.000 para enviar um contêiner de mercadorias da China para os Estados Unidos. Hoje, esse preço é de pelo menos US $ 12.000, senão mais alto. E, ultimamente, os custos de envio da China aumentaram dez vezes. Além disso, os custos crescentes de combustível e a escassez de produtos provavelmente reforçarão essa tendência.


Alguns economistas prevêem que os problemas da cadeia de suprimentos serão relativamente uma situação de curto prazo, durando talvez um ou dois anos. Pode ser o caso, mas é duvidoso que eles se recuperem de uma forma semelhante à que estavam antes da pandemia.


Danos de longo prazo para a economia chinesa


Todos esses fatores confluentes estão levando a economia chinesa para o vermelho, apesar dos relatórios do PIB inflacionados. Por exemplo, com uma taxa de poupança de 34%, os consumidores chineses não estão gastando seu dinheiro. Eles estão economizando mais este ano do que em 2020. A taxa de poupança bruta é de mais de 45%.


Onde está então o crescimento real da economia? É muito menos do que o relatado pelo PCC. Mais especificamente, o colapso do setor de incorporação imobiliária da China, carregado de dívidas, não é um sinal de uma economia saudável, mas sim de falência.


A realidade é que o impacto do nearshoring provavelmente será muito mais profundo e prejudicial à economia chinesa, porque envolve uma tendência de longo prazo. As empresas não deixam uma base de manufatura como a China por capricho ou devido a ventos contrários de curto prazo. Mover as operações de manufatura de um país para outro é caro e leva anos de planejamento. Eles só fazem isso depois de concluir que as mudanças nas condições estão diminuindo de maneira fundamental e, portanto, terão um impacto negativo estendido sobre os lucros futuros e até mesmo sobre a viabilidade de suas empresas.


A perda da China é o ganho de outros


Do lado positivo da tendência de nearshoring, países como Vietnã, Polônia, Turquia e México estão se beneficiando da perda da China. Os benefícios variam de custos de mão-de-obra mais baixos e tempo de comercialização mais rápido até riscos e custos de remessa mínimos.

Um trabalhador usando máscara facial trabalha na fábrica da Maxport em Hanói, Vietnã, em 21 de setembro de 2021. (Nhac Nguyen / AFP via Getty Images)

O Vietnã, é claro, está ganhando negócios de manufatura para o mercado da Ásia-Pacífico, enquanto a Turquia está se tornando a base de manufatura preferida para o mercado do Oriente Médio e do Norte da África. A Polônia está se tornando a nova base de manufatura para empresas baseadas na Europa que atendem ao mercado europeu. O México está provando ser uma base de manufatura bem-vinda para os fabricantes dos EUA e outros.


O que está ficando bem claro é que o impacto do nearshoring de empresas europeias, asiáticas e americanas será sentido no curto prazo pela China, bem como no médio ou mesmo longo prazo. Isso porque o PCCh enfrentará uma desaceleração quase imediata do PIB, bem como duros desafios de desemprego. Afinal, empregos e dinheiro na indústria tendem a desaparecer quando os fabricantes deixam o país.


Nearshoring: o começo do fim para o PCC?


As empresas que estão deixando a China em busca de um local próximo e a resultante crise de desemprego podem agravar um problema já crescente de agitação civil decorrente do desastre da Evergrande e de outros fracassos. Adicionar essas tensões de perda de investimento com os outros problemas mencionados acima também pode desencadear uma recessão profunda ou mesmo uma depressão na China.


Essas duas crises econômicas não são um bom presságio para a saúde da economia da China, nem para a do PCCh. Tenha em mente que o crescimento econômico e o pleno emprego são os dois pilares que justificam o governo do PCCh — as promessas que ele fez com 1,4 bilhão de cidadãos após o massacre da Praça Tiananmen em 1989.


Se a estagnação econômica e o desemprego prolongado persistirem, uma parte significativa do povo chinês poderia concluir que o PCCh não é mais capaz de se justificar como governante legítimo da China?


Possivelmente. No entanto, quando essa conclusão pode acontecer, se é que isso acontece, ainda não se sabe.


Mas uma certeza que já está aqui é a tendência do nearshoring. Está ganhando velocidade e volume à medida que os fabricantes mundiais fogem da China, levando empregos e dinheiro com eles. Conforme a tendência cresce, o PCCh pode se encontrar enfrentando problemas muito maiores de uma parte muito maior da população amanhã do que hoje.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele mora no sul da Califórnia.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/can-chinas-economy-survive-the-nearshoring-trend_4049248.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


25 views0 comments