A economia da China não ultrapassará os EUA até 2060

FINANCIAL TIMES - Ruchir Sharma - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 OUT, 2022


O consenso de que Pequim pode atingir qualquer meta que estabeleça ignora o ritmo de desaceleração nos últimos anos


O escritor é presidente da Rockefeller International


Ao embarcar em um terceiro mandato, o objetivo de Xi Jinping é tornar a China um país desenvolvido de nível médio na próxima década, o que implica que a economia precisará se expandir a uma taxa de cerca de 5%. Mas as tendências subjacentes – demografia ruim, dívida pesada e crescimento de produtividade em declínio - sugerem que o potencial de crescimento geral do país é cerca de metade dessa taxa.



As implicações do crescimento da China a 2,5% ainda precisam ser totalmente digeridas em qualquer lugar, incluindo Pequim. Por um lado, supondo que os EUA cresçam a 1,5%, com taxas de inflação semelhantes e uma taxa de câmbio estável, a China não ultrapassará os Estados Unidos como a maior economia do mundo até 2060, se é que conseguirá.


O crescimento a longo prazo depende de mais trabalhadores usando mais capital e usando-o de forma mais eficiente (produtividade). A China, com uma população cada vez menor e um crescimento de produtividade em declínio, vem crescendo injetando mais capital na economia a um ritmo insustentável.


A China é agora um país de renda média, um estágio em que muitas economias naturalmente começam a desacelerar devido à base mais alta. Sua renda per capita é atualmente de US$ 12.500, um quinto da dos EUA. Existem 38 economias avançadas hoje, e todas elas cresceram além do nível de renda de US$ 12.500 nas décadas após a Segunda Guerra Mundial – a maioria de forma bastante gradual. Apenas 19 cresceram 2,5% ou mais rápido nos próximos 10 anos, e o fizeram com um impulso de mais trabalhadores; em média, a população em idade ativa cresceu 1,2% ao ano. Apenas dois (Lituânia e Letônia) tinham uma força de trabalho cada vez menor.


A China é uma exceção. Seria o primeiro grande país de renda média a sustentar um crescimento do produto interno bruto de 2,5%, apesar do declínio da população em idade ativa, que começou em 2015. E na China esse declínio é vertiginoso, a caminho de contrair a uma taxa anual de quase 0,5% nas próximas décadas. Depois, há a dívida. Nos 19 países que sustentaram um crescimento de 2,5% após atingir o nível de renda atual da China, a dívida (incluindo governo, famílias e empresas) atingiu em média 170% do PIB. Nenhum tinha dívidas tão altas quanto as da China.


Antes da crise de 2008, as dívidas da China se mantinham estáveis em cerca de 150% do PIB; depois começou a injetar crédito para impulsionar o crescimento, e as dívidas subiram para 220% do PIB em 2015. Os excessos de dívidas normalmente levam a uma desaceleração acentuada, e a economia da China desacelerou na década de 2010, mas apenas de 10% para 6% – menos dramaticamente do que os padrões passados poderiam prever.


A China evitou uma desaceleração mais profunda graças ao boom do setor de tecnologia e, mais importante, ao emitir mais dívidas. A dívida total é de até 275% do PIB, e grande parte dela financiou investimentos na bolha imobiliária, onde grande parte foi desperdiçada.


Embora o capital – principalmente o investimento imobiliário – tenha ajudado a impulsionar o crescimento do PIB, o crescimento da produtividade caiu pela metade, para 0,7% na década passada. A eficiência do capital entrou em colapso.

A China agora precisa investir US$ 8 para gerar US$ 1 de crescimento do PIB, o dobro do nível de uma década atrás, e o pior de qualquer grande economia.

Nesta situação, um crescimento de 2,5% será uma conquista. Sustentar o crescimento da produtividade básica de 0,7% mal compensará o declínio da população. Para atingir 5% de crescimento do PIB, a China precisaria de taxas de crescimento de capital próximas às da década de 2010. A maior parte desse dinheiro foi para infraestrutura física: estradas, pontes e habitação. Dada a escala da crise imobiliária, é provável que o crescimento geral do capital caia para cerca de 2,5%.


É claro que o consenso é que a China pode atingir qualquer meta que o governo estabeleça, mas as previsões de consenso ficaram aquém de reconhecer o ritmo de desaceleração da China nos últimos anos, incluindo este, quando o crescimento provavelmente cairá abaixo de 3%. Por volta de 2010, muitos previsores proeminentes pensavam que a economia da China ultrapassaria a dos EUA em termos nominais até 2020.


Em 2014, alguns economistas afirmavam que a China já era a maior economia do mundo em termos de paridade de poder de compra – uma construção baseada em valores teóricos da moeda sem significado no mundo real. Esses teóricos argumentaram que o yuan estava muito desvalorizado e fadado a se valorizar em relação ao dólar, revelando o domínio da economia chinesa.


Em vez disso, a moeda chinesa se desvalorizou e sua economia ainda é 1/3 menor que a dos EUA em termos nominais. Se alguma coisa, 2,5% é uma previsão otimista que minimiza os riscos para o crescimento, incluindo crescentes tensões entre a China e seus principais parceiros comerciais, crescente interferência do governo no setor privado mais produtivo – tecnologia – e preocupações crescentes sobre a carga da dívida.


A China, com crescimento de 2,5%, tem implicações importantes para suas ambições como superpotência econômica, diplomática e militar. Uma China menor é mais provável do que o mundo imagina.


ORIGINAL >

https://www.ft.com/content/cff42bc4-f9e3-4f51-985a-86518934afbe


5 views0 comments