A crise da Evergrande afetará a América?

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - Tradução César Tonheiro - 23 out, 2021 -

O colapso potencial da gigante imobiliária chinesa poderia ser o próximo contágio a sair da China?


A crise de insolvência da Evergrande teve um alívio, mas pode haver mais do que aparenta - muito mais.


Depois que as negociações das ações da empresa foram interrompidas em 31 de setembro, a retomada das negociações em 21 de outubro levou a novas quedas no preço das ações, caindo de HK $ 2,95 (US $ 0,38) para HK $ 2,58 (US $ 0,33) por ação. O preço das ações da Evergrande caiu cerca de 80% no ano.


Evidentemente, o mercado acredita pouco na capacidade da empresa de se recuperar e cumprir suas obrigações. Também desencadeou uma liquidação em outros emissores asiáticos mais arriscados de títulos denominados em dólares, gerando rendimentos perto de seus máximos históricos. Isso é compreensível, dado que quase 50% de todos os títulos denominados em dólares na China são do setor imobiliário. Se o risco da segunda maior empresa de incorporação imobiliária da China for maior, outros emissores também o serão, prossegue o raciocínio.


Mas isso não é tudo. As negociações para vender o controle acionário da divisão de Serviços de Propriedade da Evergrande para a Hopson Development Holdings, com sede na China, por HK $ 2,6 bilhões fracassaram, contribuindo para a queda do preço de suas ações. Outras tentativas de levantar dinheiro por meio da venda de ativos também falharam. A propósito, depois que a Hopson desistiu do negócio, o preço de suas ações subiu mais de 7,5%.


No entanto, as autoridades financeiras chinesas insistem que o risco é administrável.


Eles estão corretos?


É muito cedo para dizer. De acordo com a mídia estatal da China, a Evergrande cumpriu seu pagamento de US $ 83,5 bilhões de juros para detentores de títulos offshore um dia antes do término de seu período de carência, impedindo-a de entrar em default.


Isso significa que a Evergrande está fora de perigo?


Provavelmente não.


Para muitos especialistas financeiros, a Evergrande se parece um pouco com a crise do Lehman Brothers em 2008, só que em menor escala. Esse é um ponto justo. Iremos revisitar a questão do Lehman Brothers novamente em um momento.


Mas do outro lado desse argumento está o fato de que a Evergrande não é a única imobiliária chinesa à beira do colapso. Algumas, como a Sinic Holdings e o Fantasia Holdings Group, estão inadimplentes, com muito mais empresas de desenvolvimento como o Kaisa Group Holdings (preço das ações caiu 40%) e a Modern Land (negociação interrompida em 21 de outubro) oscilando no limite também.


Além do mais, o maior teste será em janeiro, quando mais de US $ 5,2 bilhões em pagamentos de juros serão devidos a partir de um cardápio de 15 empresas chinesas de desenvolvimento imobiliário menores fortemente alavancadas. Isso é mais do que o dobro dos pagamentos atuais do serviço da dívida da Evergrande.


Além disso, lembre-se de que, neste ponto, os detentores de títulos domésticos ainda estão recebendo seus pagamentos de juros. As autoridades chinesas estão apenas ameaçando endurecer os detentores de títulos estrangeiros (denominados em dólares) - pelo menos por enquanto.


Isso traz outro ponto mais saliente sobre esses ativos financeiros offshore denominados em dólares que possivelmente entrarão em default. Poderia, em algum momento, desencadear uma crise mais ampla, como temem os pessimistas?


O momento Lehman Brothers que desencadeia um colapso do mercado de ações ainda pode acontecer, ou talvez uma versão do estouro da bolha imobiliária asiática de 1997 que temporariamente derrubou os preços das ações aqui seja possível.


E se um colapso financeiro do tipo do Lehman Brothers fosse iminente, os investidores seriam informados disso com antecedência?


Ou os investidores de varejo ficariam com o saco cheio enquanto casas de investimentos institucionais e bancos experientes vendem suas ações pouco antes do evento?


Outro cenário possível pode estar relacionado ao fato de os títulos serem, de fato, denominados em dólares.