A crise da dívida da China vai muito além da Evergrande

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - Tradução César Tonheiro -28 SET, 2021 -

A dívida externa da China, incluindo dívida em dólares americanos, era de US $ 2,4 trilhões no final de 2020, um aumento de 4% em relação ao trimestre anterior. A dívida corporativa do país, combinada com a dívida das famílias, agora ultrapassa 300% do PIB.


A guerra comercial EUA-China, junto com os bloqueios da pandemia, desaceleraram a economia. O PCCh espera que o aumento da demanda interna substitua as receitas de exportação perdidas — mas isso é improvável, dada a alta taxa de poupança da China, o alto desemprego e o envelhecimento da população.


A relação dívida / PIB da China parece estar crescendo a uma taxa de cerca de 11% , o que significa que ultrapassará o crescimento do PIB, mesmo nos melhores anos.


Para mitigar a estagnação econômica, o Partido Comunista Chinês (PCC) tem usado bancos estatais para canalizar crédito para o setor privado e aumentar o consumo doméstico. Junto com o aumento dos empréstimos, houve um aumento na inadimplência. No final de 2020, os bancos chineses detinham US $ 466,9 bilhões em empréstimos inadimplentes (NPL).


Pesquisa conduzida por acadêmicos de várias universidades em Cingapura sugere que a situação do NPL pode ser muito pior do que parece, com os bancos ocultando ativos inadimplentes dos reguladores. Como os bancos chineses vêm agrupando NPLs e vendendo-os aos investidores, esses pesquisadores estimam que mais de 70% dos pacotes de NPL foram revendidos a preços inflacionados. Da forma como as vendas foram estruturadas, os NPLs foram retirados dos balanços dos bancos, mas os bancos continuam expostos aos NPLs. Estima-se que o número real das NPLs aos quais os bancos estão expostos podem ser duas a quatro vezes os números relatados.


Essas suspeitas de NPLS subnotificados foram posteriormente comprovadas por meio de uma análise da receita dos bancos chineses. Basicamente, se os bancos chineses tiverem um valor X de empréstimos pendentes, eles deverão ter um valor Y de receita de empréstimos. Uma vez que sua renda é substancialmente menor do que o esperado, isso sugeriria que uma porcentagem significativa de seus empréstimos é inadimplente.


Além da dívida mantida em bancos, os empréstimos fora do balanço da China, o chamado setor bancário paralelo (shadow bank), totalizaram cerca de US $ 13 trilhões de dólares em 2020.


Embora as inadimplências pendentes da Evergrande tenham dominado a cobertura de notícias, o problemático incorporador imobiliário é apenas a ponta de um grande iceberg, que está podre na base.


Desmoronando sob $ 300 bilhões em passivos, a Evergrande abandonou inúmeros projetos de desenvolvimento em toda a China, deixando 1,5 milhão de compradores esperando que suas casas fossem concluídas. A Evergrande é apenas o desenvolvedor imobiliário mais recente e de alto perfil que ficou sem dinheiro, mas esse problema já se arrasta há anos. Recentemente, na cidade de Kunming, 14 prédios foram destruídos em uma demolição controlada porque os desenvolvedores ficaram sem dinheiro há sete anos, e a cidade estava cansada de olhar para os apartamentos semi-acabados que estavam crivados de defeitos na qualidade de edificação.

Os moradores seguram faixas durante uma manifestação de protesto em Wukan, província de Guangdong, em 19 de dezembro de 2011. Eles exigem que as autoridades centrais tomem medidas contra a apropriação ilegal de terras e a morte de um líder local sob custódia. (STR / AFP / Imagens Getty)

Empreendimentos imobiliários semelhantes, pré-vendidos, inacabados e abandonados, por uma série de empresas, estão espalhados por todo o país.


As incorporadoras chinesas geralmente pré-vendem apartamentos antes de serem construídos, combinando esses fundos com empréstimos bancários para concluir a construção. Consequentemente, quando a demanda cai porque as pessoas se mudam da cidade, ou menos pessoas do que o esperado se mudam para uma cidade, ou quando o excesso de oferta mata as vendas, as incorporadoras não têm como obter os fundos para concluir os projetos e eles ficam inacabados. Frequentemente, isso significa que os empréstimos não serão reembolsados aos bancos e credores. Outros resultados dessas conclusões fracassadas incluem pessoas que vivem em edifícios inacabados e há protestos massivos contra as incorporadoras.


A Evergrande afirma ter 1.300 projetos em mais de 280 cidades. Aparentemente, esses projetos serão adicionados à lista de empreendimentos inacabados e abandonados da China. A empresa é a maior emissora de títulos de alto rendimento denominados em dólares, muitos dos quais estão vencendo e ela não tem condições de pagar. Isso provocará uma onda através de uma série de instituições de crédito, abalando os próprios alicerces da indústria imobiliária, que responde por cerca de 27% de todos os empréstimos e 29% do PIB da China. O mercado imobiliário também representa 78% da riqueza dos chineses urbanos — o que significa que, se o setor entrar em colapso, levará consigo a economia, grandes incorporadores, pequenos investidores, proprietários e famílias.


Além das fronteiras da China, os países que exportam aço, cobre, concreto e matérias-primas para construção, como Austrália, Brasil e Zâmbia, dependem da demanda do setor imobiliário da China. Se a China parar de construir, os mercados de recursos naturais poderão despencar e esses países sofrerão.


Nos últimos anos, o PCCh reprimiu o wealth management product (WMP) [mercado de produtos de gestão de fortunas] de US $ 1 trilhão da China. Os WMPs são investimentos não transparentes de baixo risco e alto rendimento vendidos em bancos, cujos rendimentos são geralmente repassados para incorporadoras imobiliárias. Para evitar uma crise de hipotecas subprime ao estilo 2008, os reguladores chineses tornaram ilegal para os WMPs investirem em títulos com classificação inferior a AA +. Espera-se que essa nova lei desqualifique US $ 390,5 bilhões em WMPs, que terão de ser trocados por investimentos de menor rendimento e alta qualidade. Apesar das tentativas do PCC de conter esses produtos, eles ainda representam mais uma fatia massiva da economia que depende direta ou indiretamente do setor imobiliário.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, PhD., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Shanghai University of Sport e possui MBA na China pela Shanghai Jiaotong University. Antonio trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Além do Belt and Road: a expansão econômica global da China" e "Um curso rápido sobre a economia chinesa".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinas-debt-crisis-goes-far-beyond-evergrande_4018011.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


629 views0 comments