A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA está copiando os métodos comunistas chineses

- THE EPOCH TIMES - Stu Cvrk - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 1 ABR, 2022 -

Uma bandeira do lado de fora da sede da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA em Washington em 23 de fevereiro de 2022. A SEC propõe uma regra abrangente de divulgação de mudanças climáticas que as empresas públicas devem seguir. (Al Drago/Bloomberg via Getty Images)

As burocracias federais estão trabalhando duro para perseguir os objetivos do Green New Deal dos Democratas


A principal prioridade doméstica do governo Biden é “enfrentar a crise climática” implementando as políticas socialistas autoritárias do chamado “Green New Deal” (GND).

O objetivo do GND é usar a força do governo federal para refazer a economia dos EUA completamente por meio de medidas burocráticas arbitrárias, em vez de ser implementado na lei dos EUA por meio da ação do Congresso.



Essas ações seguem os métodos autoritários usados pelo Partido Comunista Chinês (PCC) para controlar empresas e indivíduos na China.


Esses métodos envolvem forçar empresas e indivíduos a relatar regularmente suas ações para cumprir os requisitos arbitrários do PCC, enquanto permitem que as burocracias comunistas monitorem essas ações para determinar e impor a conformidade diretamente.


Um sistema de pontuação social é usado para controlar o comportamento e implementar penalidades por descumprimento, com a pontuação social alinhada com os objetivos políticos do partido no poder.


Os métodos autoritários que estão sendo implementados pelo PCC na China são precisamente o que os proponentes do GND no Partido Democrata buscam implementar nos Estados Unidos. Os democratas dão as ordens e implementam medidas de conformidade por meio da burocracia federal.


Aqui está o plano de ação democrata.


Imediatamente após o dia da posse em 2021, o presidente Joe Biden assinou ações executivas que estabeleceram os “objetivos verdes” de seu governo, conforme extraído do site oficial da Casa Branca:


“Para responsabilizar os poluidores, incluindo aqueles que prejudicam desproporcionalmente comunidades de cor e comunidades de baixa renda; reduzir as emissões de gases de efeito estufa; reforçar a resiliência aos impactos das mudanças climáticas; … e priorizar tanto a justiça ambiental quanto a criação de empregos sindicais bem remunerados necessários para cumprir esses objetivos.”


Muitas agências federais assumiram a responsabilidade de perseguir esses objetivos, incluindo o Departamento do Interior (através do encerramento de novos arrendamentos de petróleo e gás pelo Bureau of Land Management e Bureau of Ocean Energy Management), a Agência de Proteção Ambiental (através do aperto de emissões padrões), o Departamento de Transportes (através de padrões mais rígidos de economia de combustível) e o Departamento de Energia (padrões revisados de conservação de energia).


Essas atividades visam reduzir a produção doméstica de petróleo e gás e forçar os americanos a usar as chamadas alternativas de “energia verde” para alimentar seus negócios, veículos e residências.


Como as chamadas “fontes de energia renovável” atualmente produzem apenas 12% da produção de energia dos EUA, de acordo com a Administração de Informação de Energia dos EUA, a economia dos EUA de cima para baixo teria que ser interrompida e alterada (e destruída?) do GND da esquerda.

O senador Edward Markey, democrata de Massachusetts, fala durante uma coletiva de imprensa no Capitólio, em Washington, em 20 de abril de 2021. Os legisladores reintroduziram o Green New Deal e introduziram a Lei do Corpo Climático Civil. (Stefani Reynolds/Bloomberg via Getty Images)

As ordens executivas de Biden fecharam o oleoduto Keystone XL, colocaram uma moratória no arrendamento das terras do Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Ártico (sigla em inglês ANWR) para perfuração de petróleo e gás, interromperam novos arrendamentos de petróleo e gás em terras e águas federais e levaram a uma frenética pressão para aumentar as importações de petróleo e gás de países adversários, como Rússia, Venezuela e Irã (após o novo acordo ser consumado em Viena).



Os primeiros resultados dessas ações burocráticas incluem preços historicamente altos da gasolina (o preço médio em 28 de março era de US$ 5,928 por galão em Los Angeles) e inflação em toda a economia dos EUA (7,9% nos 12 meses encerrados em fevereiro de 2022) que está diretamente ligada à alta de custos da energia.


De fato os efeitos secundários incluem o financiamento dos EUA da guerra da Rússia na Ucrânia por meio de um aumento nas importações de petróleo russo em 2021, conforme documentado pela Administração de Informações sobre Energia dos EUA (aqui).


As ações burocráticas acima são relativamente padronizadas e óbvias quando se contempla o que o governo federal pode fazer para perseguir os objetivos do GND do governo.


Um passo muito mais insidioso e de longo alcance para a implementação de controles socioeconômicos por meio da regulamentação financeira das empresas americanas foi recentemente dado pela Securities and Exchange Commission (SEC) [CVM], conforme relatado pelo The New York Times:


“A Securities and Exchange Commission disse pela primeira vez que as empresas públicas devem dizer aos seus acionistas e ao governo federal como elas afetam o clima, uma proposta abrangente há muito exigida pelos defensores do meio ambiente.”


A conclusão é que a SEC está sendo armada para implementar, por meio de ação administrativa, controles sociais relacionados ao GND, solicitados por ativistas das mudanças climáticas, que forçarão as empresas a relatar os “impactos climáticos” de suas operações comerciais.


Este é apenas o típico nariz do camelo sob a tenda, porque multas e penalidades por não conformidade com requisitos burocráticos a serem determinados são os próximos passos quase certos para forçar as empresas americanas a “se tornarem verdes”.


Se/quando implementadas pela SEC após receber feedback do público, essas novas regras terão efeitos de longo alcance nas empresas de capital aberto que serão forçadas a cumprir os padrões em evolução de “governança ambiental e social” (ESG) que estão sendo desenvolvidos cooperativamente por ativistas climáticos, instituições financeiras e funcionários do governo nos Estados Unidos e em todo o mundo.


De acordo com o Heartland Institute, aproximadamente “82% das grandes empresas nos EUA” já possuem sistemas ESG implementados.


Tornar obrigatória a conformidade com os padrões ESG é o verdadeiro objetivo da iniciativa da SEC de forçar as divulgações anuais de impacto climático por parte das empresas dos EUA.


O Heartland Institute aponta que os padrões ESG incluem modelos e estatísticas para monitorar e fazer cumprir muitas causas da esquerda. Os exemplos incluem o seguinte:

  • Política de identidade: Percentual de empregados por categoria funcional, por faixa etária, gênero e outros indicadores de diversidade (por exemplo, etnia).

  • Política sindical: Percentual da força de trabalho ativa coberta por acordos de negociação coletiva.

  • Ativismo climático: A pegada de carbono (e outras emissões/subprodutos de gases).

A deputada Ilhan Omar (D-Minn., à esquerda) ao lado de um ativista climático vestido como o projeto de lei Build Back Better após uma votação fora do Capitólio dos EUA em Washington em 19 de novembro de 2021. O plano de assinatura do presidente Biden para expandir a rede de segurança social e abordar as mudanças climáticas passou pela Câmara. (Stefani Reynolds/Bloomberg via Getty Images)

Em suma, os padrões ESG e as medições estatísticas associadas podem ser definidos arbitrariamente fora dos processos legislativos normais para quase qualquer causa de esquerda, com o governo federal se tornando o árbitro final das atividades comerciais autorizadas. Este é o modelo comunista chinês!


Como um aparte, apesar das alegações de que “a ciência foi estabelecida” sobre o dióxido de carbono antropogênico ser um dos principais contribuintes para as “mudanças climáticas”, novos estudos continuam sendo produzidos que desmentem essa teoria não comprovada.


Por exemplo, um relatório recente, intitulado “ World Atmospheric CO 2, Its 14 C Specific Activity, Non-fossil Component, Anthropogenic Fossil Component, and Emissions (1750–2018)”, conclui o seguinte (ênfase adicionada): “Nossos resultados mostram que a porcentagem de CO 2 total devido ao uso de combustíveis fósseis de 1750 a 2018 aumentou de 0% em 1750 para 12% em 2018, muito baixo para ser a causa do aquecimento global.”


Apesar dessa ciência real, o governo Biden procura levar a economia dos EUA ao precipício para perseguir seus sonhos do GND.


A SEC [CVM] de Biden está marchando ao som dos tambores de extremistas ambientais ao pressionar novas regulamentações financeiras para definir e fazer cumprir o que eles consideram ser “ações ambientalmente responsáveis” por empresas e indivíduos.


Ao definir pontuações arbitrárias do ESG com base na política em vez da ciência, a SEC poderia afetar negativamente a reputação de uma empresa, determinar a capacidade de uma empresa de tomar dinheiro emprestado de grandes instituições financeiras, atribuir penalidades financeiras por não conformidade e até potencialmente forçar o “goodwill gestures” (gestos de boa vontade) por meio de investimento dos lucros da empresa em atividades e organizações de esquerda socialmente responsáveis, a fim de compensar as pontuações ruins do ESG.


Isso seria capitalismo com características comunistas chinesas!


Tais ações seriam uma interferência direta do governo na valorização do capital das empresas e nos dividendos aos seus acionistas – tudo em nome dos objetivos políticos do GND (e outros) da esquerda.


Adicione essas medidas inspiradas no PCC aos enormes aumentos de impostos e gastos propostos nas demandas orçamentárias de Biden. O resultado é uma receita previsível para o desastre econômico: um retorno à estagflação dos anos 1970. É incontestável que os governos não possam tributar nem gastar seu caminho para a prosperidade.


Tudo isso é uma vantagem para o PCC em sua busca pela dominação e controle mundial: o condicionamento de empresas e indivíduos americanos a aceitar controles sociais no estilo do PCC e, ao mesmo tempo, destruir a economia dos EUA.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Stu Cvrk se aposentou como capitão depois de servir 30 anos na Marinha dos EUA em uma variedade de capacidades ativas e de reserva, com considerável experiência operacional no Oriente Médio e no Pacífico Ocidental. Por meio de educação e experiência como oceanógrafo e analista de sistemas, Cvrk é graduado pela Academia Naval dos EUA, onde recebeu uma educação liberal clássica que serve como base fundamental para seus comentários políticos.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


15 views0 comments