A China vem 'se aproveitando' da OMC há 20 anos

- THE EPOCH TIMES - Rita Li - Tradução César Tonheiro - 28 out, 2021 -

A China não cumpriu seus compromissos com o comércio justo nas últimas duas décadas e tem pouca vontade de fazê-lo, apesar de o mundo estar olhando para sua transição para o capitalismo de livre mercado, disseram os especialistas.


“A China nunca cumpriu realmente as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). Tirou proveito da OMC”, disse Clyde Prestowitz, presidente e fundador do Instituto de Estratégia Econômica, à edição chinesa do Epoch Times. Prestowitz também é autor de “O mundo virou de cabeça pra baixo: América, China e a luta pela liderança global”.


“Se você olhar apenas para o que a China tem feito em seu comércio com a Austrália, verá que está, na verdade, infelizmente, interrompendo as importações australianas”, disse ele. “Claro, a China está dando algumas desculpas.”


Nos últimos 18 meses, Pequim limitou as importações de carne bovina, carvão e uvas australianas como parte de sua coerção econômica, além de tarifas sobre vinho e cevada australianos. A espiral descendente nas relações diplomáticas de alto nível veio logo após o apelo de Camberra por uma investigação internacional sobre as origens da pandemia global.


Em 26 de outubro, a OMS concordou em criar um painel para examinar as altas taxas da China sobre o vinho australiano importado. Esta é a terceira vez que a Austrália busca uma ação na OMC sobre um produto agrícola em menos de um ano, de acordo com a Australian Broadcasting Corporation.


“A Austrália é um dos inúmeros membros da OMC que experimentaram isso em primeira mão”, disse o embaixador da Austrália George Mina ao abordar a oitava revisão da política comercial da China na OMC em Genebra em 20 e 22 de outubro, dizendo que a China “tem testado cada vez mais regras e normas comerciais globais.”


As regras da OMC não permitiam que os Estados membros — não importa o quão grandes sejam — impusessem tais condições a outras nações, observou Mina.


Quase 50 delegações tomaram a palavra, a maioria criticando o desempenho da China nas últimas duas décadas durante a reunião a portas fechadas, de acordo com o Politico.


O encarregado de negócios americano David Bisbee disse que as políticas industriais da China "distorcem o campo de jogo" contra bens e serviços importados, além de outras acusações, incluindo tratamento preferencial para empresas estatais, restrições de dados, aplicação inadequada de direitos de propriedade intelectual, roubo cibernético e trabalho forçado.


“Hoje, esses desafios permanecem diante de nós”, disse ele.


Um estudo anterior também mostra que as práticas comerciais injustas da China desde que ingressou na OMC em 2001 prejudicaram a inovação industrial nas nações desenvolvidas, fazendo com que as empresas, principalmente na América do Norte e na Europa, perdessem sua vantagem competitiva em indústrias avançadas.


"Convencer governos amigáveis a encorajar suas empresas a deixarem a China ... enquanto corta as exportações da China, isso também enviaria uma mensagem sólida à China — que a China terá que mudar — ou seguir sozinha", disse o analista econômico da China Antonio Graceffo aos chineses da edição do Epoch Times.


Capitalismo de Estado


Relatórios (pdf) mostram que as empresas estrangeiras ainda não se sentem bem-vindas na China, visto que as restrições à participação no mercado ainda existem. Mesmo assim, as empresas chinesas podem operar com muito menos restrições nos Estados Unidos e na Europa.


As câmaras de comércio estrangeiras na China pediram a Pequim que acabe com a proteção injusta e o favoritismo financeiro para suas empresas estatais — que também estão no centro da guerra comercial sino-americana.


“A China pode ser uma economia orientada para o mercado, mas não é, na minha opinião, uma economia de mercado plena”, disse Graceffo. “O governo tem muito controle sobre a economia e sobre as empresas.”


De acordo com algumas medidas, as empresas estatais ainda respondem por 40% da economia chinesa, de acordo com Graceffo, excluindo as empresas controladas pelo estado.

Um trabalhador chinês limpa a placa em frente a um restaurante McDonald's em Pequim em 29 de agosto de 2001. (Kevin Lee / Getty Images)

“Empresas estatais, controladas ou favorecidas pelo Estado têm acesso ao capital. Elas obtêm a matéria-prima proveniente da Belt and Road Initiative”, disse ele.

Os tratamentos diferenciados também incluem proteções governamentais sobre disputas legais, empréstimos bancários, empréstimos em condições favoráveis e subsídios.


“Não há nada que os EUA possam fazer para tornar o comércio justo”, disse ele. “A economia da China, na minha opinião, corresponde mais de perto à definição de fascismo, que é capitalismo de estado.”


Padrões duplos


O Ocidente reconheceu tacitamente o duplo padrão da China, disse Graceffo. “A maioria dos países ocidentais tem dois conjuntos de regras, um para empresas estrangeiras e outro para a China.”


“As empresas chinesas podem investir em quase todas as áreas da economia dos EUA, mas há uma longa lista de setores em que as empresas americanas não podem investir na China”, disse ele.


“Há outra lista onde uma empresa americana poderia investir, mas apenas com um parceiro de joint venture de 51%, e concordar em transferir tecnologia para a empresa chinesa como uma condição para operar nesse setor.”


Graceffo disse que é quando surgem preocupações sobre a transferência forçada de tecnologia.


Uma nova lei de segurança de dados que entrou em vigor em 1º de setembro, exige que todas as empresas na China classifiquem os dados com as quais lidam em várias categorias e rege como esses dados são armazenados e transferidos para outras partes. Embora Pequim tenha sido acusada de roubar dados confidenciais estrangeiros por meio de métodos ilícitos, incluindo roubo cibernético e hacking.


Enquanto isso, as empresas chinesas listadas nas bolsas dos EUA alegam que não têm permissão de acordo com a lei chinesa para serem auditadas por terceiros, disse Graceffo. “Se uma empresa americana fizesse uma reclamação tão ultrajante na China, ela seria imediatamente fechada e seus diretores poderiam ser presos.”


“Observe as pequenas coisas que consideramos certas”, disse ele.


“A China criou institutos Confúcio em todo o mundo. O mundo pode criar Institutos Abraham Lincoln ou Centros Sócrates na China? Claro que não, as leis sobre propriedade estrangeira de escolas na China têm sido cada vez mais rígidas”.


Em uma ordem do final de julho aparentemente para aliviar a carga de trabalho dos alunos, as autoridades chinesas tornaram ilegal que agências de tutoria fora do campus fornecessem ensino no exterior ou empregassem tutores no exterior.

Os alunos lêem em sala de aula na escola primária Yang Dezhi “Exército Vermelho” em Wenshui, região de Xishui na província de Guizhou, China em 7 de novembro de 2016. (Fred Dufour / AFP via Getty Images)

Os reguladores da educação na China encerraram até 286 parcerias entre universidades chinesas e estrangeiras, como a New York University, o Georgia Institute of Technology e a City University London.


“Não tratou países e empresas externas da maneira que a Organização Mundial do Comércio deveria ser tratada”, disse Prestowitz.


Ele disse que o principal problema não é a mudança. “Não podemos mudar [a China]. Nós podemos mudar a nós mesmos.”


Sem vontade de mudar


Dezembro marca o 20º ano desde que a China aderiu à OMC, mas analistas acham que a China não tem inclinação para mudanças.


Na revisão da OMC em Genebra, o ministro do Comércio chinês, Wang Wentao, negou os erros, pedindo à OMC que confirmasse sua futura participação — como país em desenvolvimento. O status permite que a China se beneficie da preferência comercial unilateral, um esquema que não exige reciprocidade dos países beneficiários.


Desde que a China se tornou o 143º membro da OMC em 11 de dezembro de 2001, ela manteve o status autodeclarado de "país em desenvolvimento".


Embora a OMC não defina “desenvolvido” ou “em desenvolvimento”, deixando que seus membros individuais decidam, a diferenciação concede a um país autodesignado “em desenvolvimento” obrigações mais fracas de assumir, oferecendo isenção de muitas disposições. Também aprova prazos mais longos para cumprir as regras globais sobre e-commerce, subsídios, economias lideradas pelo estado, etc.


Mais de 3/4 dos membros da OMC atualmente se consideram países em desenvolvimento e países em transição para economias de mercado — incluindo a China.


“O pensamento era que se eles tivessem que cumprir todas as regras, eles não seriam capazes de ganhar dinheiro ou se desenvolver rapidamente, então os Estados Unidos e a comunidade mundial deram à China um cronograma bastante liberal para atingir 100% de conformidade com as regras”, disse Graceffo.


No entanto, a China, agora a segunda maior economia do mundo e o principal país comercial, se recusa a desistir da reivindicação, como fez nas últimas duas décadas.

Em 2019, tanto a Coreia do Sul, a quarta maior economia da Ásia, quanto Taiwan, a sétima maior, decidiram não buscar tratamento especial devido ao seu status econômico global aprimorado.


“Quando a China aderiu à OMC, provavelmente nunca teve a intenção de seguir as regras da OMC”, disse o economista e escritor Milton Ezrati à edição chinesa do Epoch Times.

“Não foi um milagre feito pela China”, disse Graceffo, mas os políticos americanos na época ajudaram a China a negociar com o mundo.


Ele acredita que os Estados Unidos deveriam impulsionar a segunda fase das negociações comerciais com a China, que exigiria que esta transformasse a forma como comercializa e opera.

Trabalhadores preparam um contêiner no porto de Qingdao, província de Shandong oriental da China em 14 de janeiro de 2019. (STR / AFP / Getty Images)

“Esses são problemas fundamentais e sistêmicos do sistema econômico e político chinês. A China vê qualquer tentativa de mudar essas políticas como uma violação de [sua] soberania”, disse Graceffo.


“E a China nunca fará isso de bom grado”, disse ele.


Enquanto isso, o serviço das práticas é direcionado na primeira fase do acordo de duas fases assinado em janeiro de 2020, disse Ezrati. Ele acredita que os Estados Unidos têm poucas opções a não ser impor tarifas punitivas às exportações chinesas, “e deixar claro que elas permanecerão em vigor se e até que Pequim mude suas práticas”.


“[Ainda] estou cético que Biden pode, como ele diz que quer, unir aliados, dentro ou fora da OMC”, disse Ezrati.


“Por um lado, os europeus parecem determinados a jogar dos dois lados ao mesmo tempo. Por outro lado, a OMC se mostrou até agora incapaz de disciplinar a China em sua quebra de regras.”

PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/china-has-been-taking-advantage-of-the-wto-for-20-years-experts_4073142.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


16 views0 comments