A China e a Rússia estão projetando uma fome global?

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - 6 ABR, 2022 -

Um trabalhador ao lado de uma máquina que transporta grãos de arroz recém-colhidos para um armazém em Yangzhou, província de Jiangsu, China, em 25 de outubro de 2019. (Stringer/Reuters)

Armar as cadeias globais de fornecimento de alimentos apoia o impulso de ambas as nações pelo domínio global


Apesar dos reveses militares significativos, a China continua apoiando totalmente a invasão da Ucrânia pela Rússia As razões pelas quais Pequim faz isso podem variar, mas o resultado final é que as duas nações autoritárias estão trabalhando juntas para reformular a ordem global.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


Em outras palavras, Pequim e Moscou descobriram que não precisam ter bases militares ou uma grande marinha de águas azuis para ganhar influência ou mesmo controlar outras nações. Tudo o que eles precisam fazer é controlar grande parte do suprimento de alimentos do mundo.


A esta luz, a invasão da Ucrânia pela Rússia assume um significado diferente.


Ostensivamente, o ataque de Moscou ao seu vizinho foi uma reação à invasão da OTAN. Se foi ou não foi, não exclui a possibilidade de uma estratégia muito maior que envolve o controle de grande parte da oferta mundial de alimentos. De qualquer forma, a invasão colocou Moscou em uma posição dominante sobre o fornecimento global de grãos.


Antes da invasão, a Rússia e a Ucrânia produziam cerca de 1/3 das exportações mundiais de trigo, mas não mais. A Rússia destruiu grande parte da capacidade de exportação da Ucrânia sem sequer assumir o controle dos campos de trigo. Fez isso destruindo grande parte da infraestrutura de exportação da Ucrânia, incluindo portos no sul. Consequentemente, cerca de 80% das exportações de grãos da Ucrânia pararam ou desaceleraram.

Grãos são despejados de uma colheitadeira em um trator na vila de Mala Divytsa, Ucrânia, em 27 de julho de 2015. (Sergei Supinsky/AFP via Getty Images)

O impacto dos aumentos de preços resultantes está atualmente limitado ao Oriente Médio, Norte da África e alguns mercados asiáticos – pelo menos por enquanto. Mas os efeitos dos preços podem se espalhar muito mais pelos mercados globais.


Isso parece colocar o escopo da invasão em um contexto estratégico muito mais amplo.


A política de fome da Rússia


A fome como política para ganhos políticos e militares não é novidade para Moscou e Pequim. Ambas as nações assassinaram dezenas de milhões de pessoas e subjugaram regiões inteiras pela fome.


No caso da Rússia, Moscou projetou a fome contra os ucranianos durante a era soviética do início da década de 1930, conhecida como Holodomor. O líder soviético Joseph Stalin impôs sua ideologia comunista a alguns dos agricultores mais produtivos do mundo. Com a coletivização forçada vieram as ineficiências e graves carências, tudo a serviço do poder de Moscou.


Em suma, Stalin ganhou o controle do suprimento de alimentos na Ucrânia para aplicar a fome como política. Ele deliberadamente matou de fome cerca de 7 milhões de ucranianos para impor a agricultura coletivizada e suprimir o nacionalismo. A contínua opressão do povo ucraniano pelos russos soviéticos seguiu-se à fome.


Essa história ajuda a explicar o rígido nível de resistência do povo ucraniano contra a atual guerra da Rússia contra eles. Os ucranianos sabem do que Moscou é capaz e querem evitar uma repetição do passado.


A Fome da China por Ideologia


A China também tem uma longa história de fome.


A escassez de alimentos na China comunista no século 20 foi um resultado direto da coletivização forçada e de outras políticas ideológicas impostas ao povo pelo Partido Comunista Chinês (PCC).


Como a coletivização forçada de Stalin dos produtores de grãos ucranianos, o chamado “Grande Salto Adiante” do presidente Mao Zedong de 1958 a 1962 também forçou a coletivização nas fazendas. A produção, colheita e distribuição de alimentos despencaram.

Funcionários do Shin Chiao Hotel em Pequim constroem um pequeno e rudimentar forno de fundição de aço no pátio do hotel (ao fundo) em outubro de 1958 durante o período do “Grande Salto Adiante” (1958-1962). A fome que se seguiu custou à China cerca de 30 milhões de vidas. (Jacuet Francillon/AFP via Getty Images)

Essa política resultou na morte por fome de mais de 30 milhões de pessoas, ou 1 em cada 20 chineses. Continua a ser o maior desastre causado pelo homem e completamente evitável da história.


Planejando uma fome global?


Hoje, enquanto a guerra na Ucrânia continua, outra fome – desta vez de proporções globais – pode estar sendo planejada por Moscou e Pequim. Que a Rússia e a China tentem obter tal influência não deve surpreender ninguém. Ambas as nações estão desafiando abertamente a ordem mundial atual.


Além disso, a (weaponizing-food) equação de armamento de alimentos é tão simples quanto poderosa. Como o maior exportador mundial de trigo e um dos maiores exportadores de cevada do mundo, a Rússia ganha com um mercado global de grãos mais apertado e preços crescentes.


Do outro lado desse cálculo, a China também desempenha um papel importante como o maior importador de alimentos do mundo. Por um lado, está fornecendo à Rússia, que está sujeita a sanções e embargos comerciais do Ocidente, um mercado muito necessário para seus grãos.


Mas isso é só o começo.


O poder da China sobre os suprimentos de alimentos


O crescente poder da China de armar o abastecimento de alimentos foi grandemente aumentado por sua expansão nas nações produtoras de alimentos na última década. Graças à sua significativa propriedade de terras agrícolas na África, América Latina e até nos Estados Unidos, Pequim pode alavancar estrategicamente sua posição como fornecedora líder de alimentos para o mundo.


Ao mesmo tempo, a política da China é de fato de acumular alimentos. Esta redução da oferta de alimentos para o resto do mundo eleva os preços.


Em seu esforço para obter mais controle sobre o resto do mundo, o que impediria Pequim de simplesmente reter alimentos de outras nações?


Restringir alimentos ou outras commodities críticas – como gás natural e petróleo – para influenciar os resultados não é novidade para a Rússia ou a China. Ambos estão intimamente familiarizados com o abuso do poder devastador de controlar, ou mais precisamente, limitar o suprimento de alimentos tanto para seu próprio povo quanto para seus inimigos (geralmente os mesmos) para alcançar seus objetivos políticos ou militares.


Ambos os regimes são governados por tiranos implacáveis que têm ambições globais.

É possível que a guerra na Ucrânia não seja apenas uma zona tampão contra a OTAN?

É razoável supor que tanto a Rússia quanto a China estão coordenando suas políticas de controle de uma necessidade tão básica como a comida para expandir seu poder e influência?


É provável que haja mais escassez de alimentos, e não menos, em nosso futuro próximo?

Todos são possíveis e parecem ser o plano cuidadosamente coordenado de Moscou e Pequim.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está baseado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >



37 views0 comments