A China agora está 'não investível'

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 25 MAI, 2022 -


Investidores estrangeiros fogem da economia de crateras da China


Pequim pode distorcer a realidade até certo ponto antes que ela se torne realidade. E que dura realidade o Partido Comunista Chinês (PCC) está enfrentando.


O PCC empurra falsas esperanças e fracassos


A afirmação de Pequim de que os bloqueios extremos em relativamente poucos casos do vírus do PCC não afetariam a economia está, não surpreendentemente, provando ser falsa. Apesar de todas as garantias do PCC sobre o desempenho econômico da China, agora é o pior desde o início da pandemia de COVID-19 em 2020.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


Os últimos relatórios econômicos mostram uma queda de quase 3% na produção industrial e as vendas no varejo caíram mais de 11% em abril. Além disso, o desemprego está agora acima de 6%, aproximando-se dos níveis mais altos desde que Pequim começou a rastrear os níveis de desemprego em 2018.


À medida que o mal-estar econômico da China continua a piorar, os investidores ocidentais estão minimizando a exposição a um clima de investimento cada vez mais errático. Existem alguns fatores-chave que levam os investidores a fugir da China, como bloqueios, repressões e desacelerações.


Mas em todos os casos, a culpa pela retração do investimento recai diretamente sobre os ombros do PCC. Muitos, mas não todos os problemas, começam ou são agravados por bloqueios impostos pelo governo.


Política 'COVID-Zero' significa crescimento menor que zero


O PCC persiste em sua política irracional de "COVID-zero” que força o bloqueio de cidades inteiras de dezenas de milhões de pessoas para relativamente poucos casos do vírus do PCC. Xangai, um importante centro financeiro de 26 milhões de pessoas, está sob bloqueio total há semanas. Pequim também está sob fortes restrições de mobilidade. Regiões de fabricação, como a província de Jilin, no norte, até Shenzhen, no sul, também estão sob bloqueio.


O impacto na atividade fabril e na receita internacional foi significativo. O PMI Caixin mostra que a atividade de serviços da China registrou o segundo maior declínio já registrado. Qualquer número abaixo de 50 no PMI significa contração econômica. Seu nível atual é 36,2. Não é surpresa que quase 60% das empresas europeias na China esperem uma queda nas receitas em 2022.


O efeito cascata dos bloqueios


É claro que os bloqueios tiveram tremendos efeitos em toda a economia da China, e não mais do que no setor imobiliário crítico.


Por exemplo, sob condições de bloqueio, os compradores de casas são fisicamente incapazes de comprar uma casa. O impacto nas vendas de casas foi brutal, com os 30 principais mercados imobiliários da China vendo as vendas caírem 54% ano a ano em abril passado.


Mas até mesmo um problema maior surge no futuro próximo para a economia da China, que depende fortemente do desenvolvimento imobiliário. De grande preocupação é a demolição em andamento, mas em câmera lenta, de todo o mercado de desenvolvimento da China. Este setor sozinho compreende até 30 por cento da economia da China.


Evergrande, uma das maiores empresas imobiliárias, efetivamente deixou de cumprir suas obrigações de dívida e é o garoto-propaganda do setor endividado. Mas não é de forma alguma um outlier. Até 40% das empresas de desenvolvimento imobiliário na China enfrentam inadimplência. Grupos de investimento na China agora dizem que o colapso do setor imobiliário multimilionário do país é uma certeza e será brutal.


A repressão de Pequim aos gigantes da tecnologia é outra política do PCC que está prejudicando a atividade econômica. O PCC está esmagando a atividade empresarial em todo o setor de tecnologia, destruindo ganhos, custando empregos e sufocando a inovação em todo o vasto cenário de alta tecnologia da China.


A gigante do comércio eletrônico Alibaba cortará pelo menos 15% de sua força de trabalho este ano, resultando na perda de cerca de 40.000 empregos. Outras empresas de tecnologia provavelmente seguirão com seu próprio downsizing (redução de tamanho).


Apoiar a guerra da Rússia tem um custo

Bombardeiro estratégico russo Tu-95 voa durante exercícios aéreos militares russo-chineses para patrulhar a região da Ásia-Pacífico, em um local não identificado, nesta imagem estática tirada de um vídeo divulgado em 24 de maio de 2022. (Ministério da Defesa da Rússia/Divulgação via Reuters)

Mas bloqueios e repressões não foram as únicas causas da queda da atividade econômica. O apoio do regime chinês à guerra da Rússia contra a Ucrânia desencadeou níveis recordes de saída de investimentos. Somente no mês de março, a China viu US$ 17,5 bilhões em saídas de investimentos, incluindo US$ 11,2 bilhões em títulos e o saldo em ações.


Acompanhando isso, um nível sem precedentes de fuga de capitais da China está aumentando os níveis de incerteza no país. O comportamento cada vez mais provocativo de Pequim em relação a Taiwan, por exemplo, também está piorando suas relações diplomáticas com investidores estrangeiros. Mais ao ponto, não é uma retirada de investimento regional por investidores estrangeiros, mas uma retirada calculada da China. Nenhum outro mercado emergente está experimentando saídas semelhantes.


Previsivelmente, a meta de PIB da China não será cumprida este ano. Ninguém na China está dizendo isso definitivamente, mas é uma certeza absoluta. Até analistas globais admitiram que o PIB cairá pelo menos 0,5%, com algumas estimativas chegando a 0,8%.


Os mercados de ações da China estão refletindo essa realidade. Eles foram duramente atingidos por todos esses ventos contrários, levando os mercados globais a despejar ações chinesas em grandes quantidades. Março viu a maior queda de avaliação do mercado de ações em seis anos. Além disso, o índice de ações chinesas listadas nos EUA caiu mais de 70%.


As surras continuarão até que o moral melhore


É claro que o PCC está tentando intimidar e propagandear a economia de volta à forma. O primeiro-ministro Li Keqiang está exortando os governadores regionais a tomarem medidas para estancar o sangramento e restaurar alguma estabilidade no cenário econômico.


Mas há pouco que os governadores e outras autoridades provinciais possam realmente fazer. Os desafios enfrentados pela economia chinesa são em grande parte resultado de macropolíticas, feitas em nível nacional em Pequim pelo PCC.

É um absurdo culpar funcionários de nível inferior pelas políticas postas em vigor pelo PCC que continuam a causar tantos danos à economia. Também é um absurdo esperar que eles forneçam soluções diante da perseguição do PCC por violar suas políticas.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está sediado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-is-now-uninvestible_4488317.html

29 views0 comments