A BlackRock quer que os investidores aumentem a exposição na China, você deve seguir?

- THE EPOCH TIMES - 21 AGO, 2021 - Fan Yu - Tradução César Tonheiro -

A woman walks past an Alibaba sign outside the company's office in Beijing, on April 13, 2021. (Greg Baker/AFP via Getty Images)

A BlackRock, maior administradora de investimentos do mundo com mais de US $ 9 trilhões em ativos sob gestão, tomou recentemente uma decisão muito contraditória.


A gigante de investimentos argumentou que a China não é mais um mercado emergente e, como tal, os investidores precisam aumentar seus investimentos em ações e títulos chineses.

A China está sub-representada nas carteiras dos investidores, disse Wei Li, estrategista-chefe de investimentos do BlackRock Investment Institute, ao Financial Times em 17 de agosto.


A última decisão de alta da BlackRock sobre a China segue um relatório de pesquisa publicado em maio, que também argumentou que a alocação de ações e títulos chineses em índices de referência globais é muito baixa. Nesse relatório, a BlackRock disse que o crescimento econômico global está se tornando cada vez mais bipolar, liderado pelos Estados Unidos e pela China em extremos opostos desse espectro, e que os investidores precisam se expor a ambos em medidas quase similares.


É uma visão especialmente contrária, considerando o recente sufoco em torno das ações chinesas.


Muitos especialistas estão questionando as empresas chinesas.


O Goldman Sachs recentemente cortou a classificação de várias empresas chinesas, enquanto o fundo de hedge do Reino Unido Marshall Wace questionou se as ações chinesas podem ser investidas no curto prazo.


De forma mais ampla, as ações A-shares da China estão atrás dos mercados globais, e as empresas chinesas listadas nos Estados Unidos e Hong Kong tiveram um desempenho ainda pior após recentes repressões regulatórias e problemas de conformidade enfrentados por várias empresas chinesas conhecidas.


Então, os investidores deveriam confiar na BlackRock, a maior administradora de ativos do mundo, e dobrar seus investimentos na China?

Vamos analisar melhor.


Primeiro, vamos examinar os motivos e incentivos da BlackRock. Seu CEO, Larry Fink, vem tentando cultivar um relacionamento forte com Pequim há muitos anos. Em junho, a BlackRock se tornou a primeira administradora de ativos dos Estados Unidos a receber aprovação para estabelecer um negócio de fundos mútuos na China, uma posição na qual "estamos honrados em estar", disse Fink em um comunicado na época.


A BlackRock também possui uma das maiores listas de fundos de investimento com exposição na China, incluindo fundos dedicados da China, bem como fundos asiáticos e de mercados emergentes com alocação na China.


O carro-chefe da empresa BlackRock China Fund, que tem posições na Tencent, China Merchant Bank e fabricante de veículos elétricos Xpeng, tinha ativos sob gestão de mais de US $ 1,5 bilhão em 20 de agosto. A BlackRock também dirige um fundo de títulos da China que investe em uma variedade de produtos de renda fixa da China, incluindo títulos denominados em RMB onshore e offshore, bem como títulos offshore denominados em dólares norte-americanos.


Em outras palavras, a BlackRock estaria angariando apoio para investimento na China — ela recebe taxas e outras receitas de investidores que colocam dinheiro em seus fundos.

Olhando além do discurso de vendas, vamos examinar também a substância de investir na China.


Superficialmente, investir na China pode parecer atraente. Tem a maior população do mundo, a segunda economia, seu segundo maior mercado financeiro, uma classe média em expansão, uma população que entende de internet e um consumismo desenfreado. Todos esses são bons fatores para investimento.


Mas existem detratores significativos que tornam o investimento na China arriscado e desagradável.


Em primeiro lugar, os investidores de varejo dos Estados Unidos que compram ações com recibos de depósito americano (ADR) de empresas chinesas listadas nas bolsas dos Estados Unidos não estão realmente comprando o que acham que estão comprando. Uma parte da BABA não possui participação na empresa operacional Alibaba, que é o maior varejista online da China. Uma ação da BABA é uma parte de uma holding offshore, ou entidade de interesse variável (VIE), que tem um contrato legal com a empresa operacional chinesa que concede à VIE offshore uma parte dos lucros do Alibaba. Em outras palavras, é propriedade sintética porque a China proibiu a propriedade estrangeira em certas indústrias domésticas. Além disso, as estruturas VIE não são oficialmente reconhecidas pelas autoridades e podem ser ilegais sob o regime regulatório de Pequim. Mas, por enquanto, tem funcionado nos últimos vinte anos.


Além disso, o Partido Comunista Chinês (PCC) deu início a uma série de reformas regulatórias — em outras palavras, repressões — visando empresas estrangeiras listadas. Inúmeras empresas foram afetadas em setores como educação, internet e transporte. Muitas dessas empresas viram suas ações listadas em Hong Kong ou Nova York despencarem nas últimas semanas. Mudanças regulatórias repentinas, que em alguns casos ameaçam a própria existência dos modelos de negócios das empresas, representam um risco significativo para os investidores estrangeiros acostumados aos regimes regulatórios relativamente estáveis do Ocidente.


Mais recentemente, o PCCh deu a entender que o “pseudo-capitalismo” que ele propagou nos últimos vinte anos pode exigir algumas mudanças drásticas.


Em agosto, o Comitê Central para Assuntos Financeiros e Econômicos delineou uma série de decretos para garantir a “prosperidade comum” dentro da sociedade chinesa. Em um relatório da mídia estatal Xinhua, as diretrizes buscam promover a igualdade de ganhos, reduzir os ganhos excessivos e encorajar os que ganham muito e as empresas a retribuírem à sociedade, resumiu o relatório.


Como acontece com a maioria das diretrizes do PCC, faltava especificidade. Mas essa mudança de tom pode ser prejudicial para os ganhos financeiros das corporações com fins lucrativos, especialmente se Pequim começar a impor doações ou outros impostos de bem-estar social às empresas privadas. Em outras palavras, a política desenfreada de ganhar dinheiro das duas últimas décadas parece estar chegando ao fim.


Economistas chineses discutiram recentemente a possibilidade de um imposto sobre a propriedade imobiliária — algo comum nos Estados Unidos, mas que não existia na China para a maioria dos proprietários privados. Esses impostos, se promulgados, podem ser destrutivos para o setor imobiliário e para os incorporadores imobiliários altamente alavancados da China, cujos títulos denominados em dólares são um investimento popular entre os investidores estrangeiros.


Outro desenvolvimento recente, que raramente é relatado, atinge o âmago do sistema “pseudo-capitalista” da China: o PCC parece estar apertando seu controle sobre empresas privadas de maneiras cada vez mais draconianas.


The Information, um site de tecnologia dos EUA, relatou que uma entidade do governo chinês recentemente assumiu uma pequena participação acionária e um assento no conselho de uma subsidiária da ByteDance, a empresa-mãe da popular plataforma de mídia social TikTok.


Um relatório separado observou que o PCCh recentemente assumiu uma participação e um assento no conselho do Weibo, que administra um site semelhante ao Twitter da China, de acordo com um documento da SEC. O Weibo é negociado na bolsa de valores Nasdaq em Nova York. A ByteDance não tem ações negociadas publicamente, mas é parcialmente propriedade de empresas de capital de risco dos Estados Unidos.


Muitas empresas privadas na China já têm células de comitês do partido comunista, e esse desenvolvimento sugere que o PCCh exercerá uma influência mais direta sobre a cultura, as políticas e a estratégia de negócios das empresas.


As ações recentes do PCCh forçaram até mesmo as corporações chinesas gigantes a alertar os investidores de forma proativa sobre riscos regulatórios adicionais. O presidente da Tencent, Martin Lau, disse em uma teleconferência de investidores em agosto que uma variedade de medidas regulatórias mais rígidas pode estar chegando.


Tudo isso não quer dizer que a China tenha mérito zero do ponto de vista de investimento. Mas antes de seguir qualquer conselho de “especialista”, os investidores devem fazer sua própria diligência e examinar cuidadosamente esses riscos.


E daqui para frente, os investidores devem considerar cada vez mais — para citar Donald Rumsfeld — as “incógnitas conhecidas em potencial” de investir na China.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Fan Yu é especialista em finanças e economia e contribui com análises sobre a economia da China desde 2015.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/blackrock-wants-investors-to-increase-china-exposure-should-you-follow_3959087.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


1 view0 comments