A Belt & Road Initiative (BRI) da China pode levar à sua destruição?

- NATIONAL INTEREST - Mar 14, 2021 -

Joseph M. Parent - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


A conectividade é politicamente neutra; ela apenas acelera e amplifica as tendências subjacentes. As mesmas estradas que Roma construiu para conquistar o mundo permitiram que o mundo saísse de Roma.

14 de março de 2021 por Joseph M. Parent


No Congresso Nacional do Povo na semana passada, a China anunciou sua grande estratégia para vencer no mundo pós-pandêmico. Embora grande parte da atenção da mídia se concentre em medidas antidemocráticas contra Hong Kong, as medidas mais importantes podem ser as tentativas da China de aumentar a conectividade no exterior e a homogeneidade cultural em casa. Ambos são susceptíveis de sair pela culatra.


A principal política externa da China é a Belt and Road Initiative (BRI), uma série de projetos de infraestrutura por terra e mar para ligar a Ásia, a África e a Europa, que custará cerca de US $ 1,3 trilhão. Para isso, a China agora adicionou um plano para uma “Rota Polar da Seda” ― rotas de navegação árticas mais rápidas. Indiscutivelmente, a política interna mais importante da China são as tentativas de impor maior uniformidade cultural às suas minorias étnicas. Superficialmente, essas políticas tornaram a China mais forte e mais unida. Mas arranhe a superfície e verá que esses planos são imprudentes, são apostas erradas na hora errada.


Por quê? A conectividade é politicamente neutra; ela apenas acelera e amplifica as tendências subjacentes. As mesmas estradas que Roma construiu para conquistar o mundo permitiram ao mundo saquear Roma. A ajuda americana com projetos de infraestrutura para os alemães não pacificou o país antes da Segunda Guerra Mundial nem prejudicou seu pacifismo pós-guerra. Vivemos em uma época de descentralização, em que os grandes estados estão se tornando mais raros, mais fragmentados e mais introvertidos. Forjar ligações econômicas e imensas identidades nacionais contraria as correntes predominantes. A China pode remar rio acima por algum tempo, mas vai exaurir suas forças sem atingir seu objetivo.


Em vez de ser um multiplicador de forças para a China, essas políticas serão divisoras de forças por motivos internacionais e domésticos. Internacionalmente, é provável que percam amigos e alienem Estados. Certamente, esse não será o caso em toda a linha; A China é um país poderoso e esse poder inevitavelmente exercerá uma tentadora atração em muitos lugares. No entanto, a atração magnética sempre traz força repelente também; os estados tendem a se equilibrar contra o poder. Países simpáticos à autocracia, deslumbrados pela corrupção e indiferentes à opressão doméstica se alinharão com a China, mas muitos outros não, e tenderão a ser os Estados mais poderosos. Na verdade, esse processo já está em andamento. Japão e Índia anunciaram seu Corredor de Crescimento Ásia-África para combater o BRI, e políticos em lugares como a Malásia ganharam campanhas anti-BRI.


Internamente, as políticas atuais tendem a gerar apoio ao governo chinês. O aumento da globalização pode atiçar as chamas do nacionalismo chinês e da xenofobia. Os mesmos ventos que sopraram as políticas de direita para o sucesso em todo o mundo sopram na Ásia. Gastar suntuosas somas em outros países e coagir concidadãos provavelmente alienará porções significativas do apoio doméstico. O dinheiro gasto no BRI não é gasto em itens nos quais a China ainda está atrasada: gastos com saúde e bem-estar. Essas políticas surradas já alimentam o descontentamento, e a pandemia apenas ressaltou os problemas. A China carece de competição partidária e flexibilidade institucional para se recuperar rapidamente caso cometa erros, e a China apenas neste mês aumentou seu governo centralizado.


A China parece estar se apoiando em duas lógicas familiares que não deram certo recentemente. Uma é social: conhecer um país é amá-lo. Ao expandir o volume de interações e exportar sua cultura, a China irá melhorar o seu soft power. Mas isso definitivamente não é verdade em províncias chinesas como Tibete ou Xinjiang, nem em outros lugares no Cazaquistão, Quênia ou Zâmbia, onde os projetos do BRI estão enfrentando crescente escrutínio, ceticismo e hostilidade. Da mesma forma, o patrocínio dos institutos confucionistas pouco fez para polir a marca global da China.


A outra lógica é econômica: a bandeira segue o comércio. Ao expandir o intercâmbio econômico, diz a história, a China ganhará influência sobre seus parceiros comerciais e espalhará riqueza por meio de sua sociedade desigual. Mas isso ignora as forças compensatórias. Os empréstimos podem estourar, os contatos econômicos podem fracassar. A Lei de Livre Comércio da América do Norte e a União Europeia fizeram muitas coisas, mas não alteraram a hierarquia subjacente na América do Norte ou na Europa. E se a maior conectividade não transformou esses continentes, por que a Ásia seria diferente? Por mera virtude do tamanho, a China terá uma influência regional substancial, mas redes mais extensas não mudarão drasticamente o poder relativo, as taxas de crescimento ou a influência. Apesar dos enormes gastos com infraestrutura ao longo de gerações, os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estão enfrentando os mais altos níveis de desigualdade em cinquenta anos e muitos enfrentam crises de legitimidade. Por que a China seria diferente?


Napoleão teria dito: “nunca interrompa seu inimigo quando ele estiver cometendo um erro”. Ele deve saber. Ninguém está mais sujeito a cometer erros do que aqueles que estão em uma sequência de vitórias. Hoje, a China está fazendo incursões com confiança para impor a conformidade a seu povo e ocupada na construção de estradas para expandir seu alcance político. Amanhã, um desses pode acabar sendo o caminho para a ruína.

Joseph M. Parent é professor de Ciência Política na Universidade de Notre Dame e codiretor do Programa Hans J. Morgenthau de Grande Estratégia. Ele é o autor de Unindo Estados: União Voluntária na Política Mundial e co-autor de Crepúsculo dos Titãs: Grande Declínio e Redução do Poder.


ORIGINAL:

https://nationalinterest.org/blog/skeptics/could-chinas-belt-and-road-lead-its-undoing-180122

32 views0 comments

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online