top of page

A Argentina Está Desmoronando De Novo... De Novo!

- AMERICAN THINKER - Mike Konrad - 18 MAIO, 2023 - TRADUÇÃO GOOGLE -

Como a Argentina faz isso? Quero dizer, por um bom tempo, fiquei totalmente surpreso com a forma como a Argentina consegue cair de cara no chão. E tem feito isso por mais de um século.

Image: Qu1m via Flickr, CC BY 2.0

Aviso: antes de ler isto, deve-se tocar este tango. Isso definirá o clima.


A Argentina está à beira do colapso econômico novamente... pela enésima vez.


Como a Argentina faz isso? Quero dizer, por um bom tempo, fiquei totalmente surpreso com a forma como a Argentina consegue cair de cara no chão. E tem feito isso por mais de um século.


"O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL"

No papel, a Argentina deveria ser a nação mais rica e produtiva do planeta.


– 45 milhões de pessoas em um país grande, aproximadamente metade do tamanho dos Estados Unidos continentais (os 48 menores). É subpovoado e poderia absorver com segurança milhões - que viriam de bom grado - se o país fosse administrado corretamente.


– A Argentina tem os pampas, a melhor região produtora de grãos do planeta. Ao contrário do cinturão de grãos da América, grande parte dos pampas é subtropical com uma estação de crescimento prolongada. Pense no Kansas com um clima melhor.


– A Argentina é um grande exportador de alimentos. Há mais de um século. Manteve a Grã-Bretanha alimentada durante a Segunda Guerra Mundial.


– O país não tem império ultramarino para subsidiar. Sem guerras inúteis. Nenhum trilhão afundado em outros países.


– A população é majoritariamente europeia em ascendência: cerca de 50% de espanhóis, 50% de italianos, 17% de franceses, 10% principalmente de árabes cristãos, 8% de alemães, com misturas menores de ucranianos, ingleses, irlandeses, alguns galeses, escandinavos, gregos, etc. Mesmo judeus. Os totais ultrapassam 100%, pois a maioria dos argentinos é mista. Existem pequenas comunidades asiáticas e indígenas. Embora muitos argentinos tenham alguma ascendência indígena, eles se identificam como brancos.


Há poucos negros na Argentina, devido às políticas "genocidas" do século 19.* Por mais terrível que tenha sido - e foi realmente terrível - deixou a Argentina sem a dura divisão racial que vemos na América. E a cultura argentina é geralmente homogênea.


– A Argentina é classificada como uma boa democracia pela Freedom House.


– O país tem liberdade de religião. Dez por cento da população é protestante, com menos de aproximadamente 1% de judeus, mas mesmo isso é subestimado. No Hemisfério Ocidental, apenas a cidade de Nova York tem mais judeus do que Buenos Aires. Enquanto o Islã existe em torno de 1%, a maioria não pratica, e os números são exagerados.


– A Argentina tem petróleo, gás e riquezas minerais, principalmente o lítio, que é procurado para baterias.


A Argentina concentra 9% das reservas totais [de lítio] do mundo — recursos cuja exploração tem se mostrado viável em termos técnicos e econômicos — e são as terceiras maiores atrás do Chile e da Austrália. —DialogChino


A Argentina foi um país feito para vencer. No papel, a Argentina deveria governar o planeta.


Um povo unificado, sem grande divisão racial, monolíngue, sem grande comunidade islâmica. Riqueza natural considerável. Muita comida. Ótimos climas. O que poderia dar errado?


No entanto, o histórico de fracassos da Argentina é tão impressionante que ganhou uma categoria separada na economia.


Simon Kuznets, vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 1971, afirmou que havia quatro tipos de economias no mundo: desenvolvidas, subdesenvolvidas, japonesas e argentinas. —Buenos Aires Times


Esta história desafia a crença.


Era um dos países mais ricos do mundo antes da Primeira Guerra Mundial. Depois da Segunda Guerra Mundial, era mais rico que a Grã-Bretanha.


No final da Segunda Guerra Mundial, o peso argentino era considerado uma das moedas mais estáveis do mundo, ao lado da libra esterlina e do dólar americano. Naquela época, a Argentina era o país mais rico e influente da região, muito à frente do Brasil. Sua elegante capital, Buenos Aires, foi imortalizada como "la reina del plata" ("a rainha do prato") nas letras do grande cantor de tango Carlos Gardel.


O fim do boom não estava à vista e a Argentina se tornou um ímã para refugiados famintos por trabalho, principalmente da Itália e da Espanha, que foram para a terra prometida onde empregos e prosperidade abundavam. Havia mais carros por pessoa na Argentina do que na França, mais linhas telefônicas do que no Japão e um metrô de Buenos Aires que corria sob as ruas. Mesmo na década de 1950, a renda média per capita permaneceu significativamente mais alta do que na Alemanha, cuja economia do pós-guerra também estava crescendo. —DW.com, Deutsche Welle


A maioria dos observadores rastreará o problema até os gastos perdulários de Juan Perón no final dos anos 40 e início dos anos 50. Perón foi o Biden de sua época, mas isso não explica tudo. Suas desastrosas políticas socialistas estatais populistas sobreviveram sob o rótulo de peronismo, mas embora o peronismo ainda seja influente, seu poder e fascínio foram contidos por décadas.


Perón era apenas metade do problema. As elites ricas tratavam a massa da população como se ela não valesse nada. Durante a Grande Depressão, a elite até forçou o governo a um tratado unilateral de Roca-Runciman com a Grã-Bretanha, que permitiu aos britânicos despejar seus produtos na Argentina, destruindo a nascente industrialização da Argentina. Por que?


Apenas para que a elite pudesse vender carne bovina para a Grã-Bretanha.


A população ficou furiosa com a traição e procurou alguém que defendesse a Argentina. Daí o peronismo.


A Argentina teve e tem uma distribuição de riqueza divergente. Os super-ricos não se importavam com a maioria da população que era extremamente pobre. Mais ou menos como os magnatas da tecnologia de hoje. Perón tentou corrigir essa discrepância, ainda que estupidamente, com gastos ridículos do estado de bem-estar. A princípio, ajudou as massas da população, até que Perón levou a Argentina à falência. O exército, cuja classe oficial extraía suas fileiras da elite, acabou por derrubá-lo.


E o ciclo argentino de prosperidade se movendo para o colapso econômico descontrolado para a intervenção militar de volta ao governo civil para a prosperidade para o colapso nasceu.


Como resultado, os argentinos aprenderam a não confiar em seu governo.


[A] maneira como as pessoas na Argentina navegam na economia do dia-a-dia pode soar maluca. Quando você acha que não pode confiar no banco, na moeda ou em qualquer pessoa responsável, as coisas podem ficar muito estranhas rapidamente. —VOX


Isso já dura tanto tempo que as pessoas acham que é normal. As principais compras são feitas em dólares. As poupanças são guardadas em colchões, porque ninguém confia nos bancos – não depois de 2001.


Em 2001, o governo restringiu o acesso aos depósitos. O congelamento durou um ano; quando os clientes recuperaram o acesso aos fundos, descobriram que seus depósitos em dólares haviam sido convertidos em pesos, cujo valor havia sofrido uma desvalorização significativa. —CNBC


A Argentina é o que parece uma sociedade quando o vínculo entre os que estão no poder e o povo está totalmente corroído. Todo mundo está fora para si mesmo e mais ninguém. O país pode ser democrático agora, mas e daí? É irrelevante. Quem se importa?


O dano foi autoinfligido. E ninguém, nem a elite arrogante nem o pobre esquerdista, é inocente. A força motriz da responsabilidade cívica se foi. Acho que a única razão pela qual os argentinos não têm uma revolução neste momento é que eles perceberam que qualquer mudança seria inútil.


Se não fosse pelo futebol (fútbol), a Argentina não teria espírito nacional. A Argentina é a prova de que, mesmo em condições quase perfeitas, os humanos são falhos e podem atrapalhar as coisas.


Não se engane sobre isso. É para onde a América está indo... muito em breve, a menos que as coisas mudem.


-
PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

10 views0 comments

Related Posts

See All

Kommentare


bottom of page