top of page

A Adesão da Ucrânia à UE: Agora Vem a Parte Difícil

- GEOPOLITICAL MONITOR - Marko Mocevic - 16 MAIO, 2023 - TRADUÇÃO GOOGLE -

Este verão marca um ano desde que a Ucrânia se tornou candidata oficial à adesão à União Europeia (UE) em um processo acelerado após a invasão da Rússia. Atualmente, Kiev está às portas da fase de negociações, que pode começar este ano, de acordo com autoridades da UE.


Historicamente, essa etapa é a parte mais longa, técnica e burocrática do processo, exigindo extensas reformas sob os “critérios de Copenhague” – um conjunto de condições políticas, jurídicas e econômicas de adesão.


Em junho de 2022, a Comissão Europeia recomendou conceder à Ucrânia o status de candidato com um “entendimento” de que Kiev deve implementar sete etapas para fortalecer os padrões anticorrupção e do estado de direito. Kiev declarou recentemente que cumpriu cada uma dessas condições. A decisão agora cabe à UE, que deve determinar se a Ucrânia cumpriu os requisitos básicos antes que o rígido processo de negociação possa começar.


"O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL"

Embora o progresso da Ucrânia do status de candidato a candidato tenha sido rápido, os defensores devem moderar as expectativas para as etapas subsequentes em direção à adesão; eles não serão tão rápidos ou simples. Kiev pode ser pego em um limbo pré-negociação semelhante aos atuais candidatos à UE nos Balcãs Ocidentais. Para referência, Belgrado e Podgorica levaram cerca de dois anos para iniciar as negociações depois de alcançar o status de candidato. Tirana esperou seis anos para abrir negociações formais depois de se tornar candidato em 2014, enquanto Skopje ficou parado por 15 anos antes de abrir negociações com Bruxelas. Cada nação tinha um conjunto específico de desafios que proibiam seu progresso, mas esses obstáculos não chegavam nem perto da situação da Ucrânia de se defender de um exército invasor antes de iniciar as negociações.


A nova metodologia de adesão da UE, revista em 2020, destina-se a “tornar o alargamento mais credível, previsível e dinâmico”. Mas essa abordagem modificada provavelmente não produzirá resultados mais rápidos para a Ucrânia ou para os candidatos atuais. A adesão à UE baseia-se em “fundamentos”, como reformas técnicas, jurídicas e burocráticas, incluindo Estado de direito, instituições democráticas funcionais e reforma da administração pública. Os capítulos que cobrem os fundamentos são abertos primeiro, fechados por último e um desafio para os atuais candidatos da UE com corrupção sistêmica e ineficiências políticas.


Além disso, o processo acelerado da Ucrânia para o status de candidato foi – em parte – um produto das circunstâncias existentes em torno da invasão da Rússia. Este fato não diminui a conquista da Ucrânia, sua determinação política de ingressar na UE ou o progresso feito para fortalecer os laços com a UE antes e durante a invasão. Apenas ressalta que as nações aspirantes à UE com melhores condições políticas e econômicas esperaram muito mais tempo para alcançar o status de candidatas. Também leva a outra pergunta para muitos observadores: a UE acelerará a adesão da Ucrânia de maneira semelhante à sua candidatura, dado o desafio geopolítico existente?


Considerações geopolíticas e realidades técnicas


Os líderes da UE alertaram que o processo de adesão da Ucrânia levará tempo, o que implica que critérios técnicos são a chave para a adesão. No entanto, não se pode ignorar as correntes geopolíticas ou a vontade política da UE de conduzir a candidatura da Ucrânia. Esta não é uma questão de saber se a Ucrânia merece ingressar na UE – ao contrário, é uma série de questões sobre sua prontidão para ingressar e se a UE ignorará as reformas necessárias à luz dos desafios geopolíticos. Além disso, como os Balcãs Ocidentais – que estão em vários estágios do processo de adesão há mais de uma década – interpretarão as decisões de Bruxelas se a Ucrânia pular a linha?


A natureza técnica das negociações de adesão, as reformas abrangentes e o cansaço do alargamento anterior do bloco levaram algumas nações dos Bálcãs Ocidentais a ponderar se a adesão é uma realidade distante – ou mesmo provável. O ritmo contribuiu para declínios perceptíveis no apoio popular à UE em alguns países candidatos. Tendo em conta este contexto, como irá a UE equilibrar as considerações geopolíticas e as capacidades de reforma dos candidatos?


Acelerar as negociações da Ucrânia, dando maior importância às circunstâncias geopolíticas, em vez de reformas técnicas, poderia alienar ainda mais outros aspirantes à UE. Dada a experiência do candidato balcânico com negociações, pode-se questionar se critérios técnicos ou considerações geopolíticas têm precedência nas negociações de adesão. Por exemplo, a capacidade de adesão da Bulgária e da Romênia foi muito examinada, mas sua eventual adesão também trouxe uma “âncora política e econômica estável em uma região cercada por vizinhos instáveis” enquanto fechava “divisões geográficas remanescentes da Guerra Fria”. Apesar de questões sérias relacionadas ao crime, estado de direito e corrupção, ambas as nações entraram na UE, embora com requisitos especiais de cooperação e verificação. Isso exemplifica a interação de prontidão, com base em critérios técnicos, equilibrada com as considerações estratégicas envolvidas com a integração.


Embora a invasão da Rússia tenha renovado a iniciativa de ampliação da UE e aberto debates sobre o papel de Bruxelas como ator geopolítico, o processo de adesão de candidatos deve permanecer fundamentado em sua capacidade de promulgar reformas e padrões necessários. Os desafios estratégicos da UE relacionados à guerra Rússia-Ucrânia são significativos, mas não devem ser o fator principal para a eventual adesão de Kiev. Priorizar o caminho da Ucrânia para a UE por razões estratégicas, ignorando o desejo das nações dos Balcãs Ocidentais de ingressar no bloco prejudicaria ainda mais a credibilidade da UE e corroeria a confiança no processo de adesão.


A UE também deve avaliar sua capacidade de “integrar novos membros”. Existem impactos institucionais associados à adesão, que exigem “reformar os procedimentos de tomada de decisão”. Além disso, a Ucrânia e os Bálcãs Ocidentais estariam entre os Estados membros mais pobres em uma variedade de medidas econômicas. Que desafios econômicos e financeiros a adesão apressada de Kiev criaria tanto para a UE quanto para a economia ucraniana? Se as reformas forem negligenciadas, Kiev terá mais dificuldade em ter sucesso no novo clube e Bruxelas enfrentará obstáculos adicionais para absorver totalmente a Ucrânia e seus problemas existentes.


A UE enfrenta uma série de questões difíceis agravadas pelo desafio estratégico da guerra. Bruxelas deve encontrar uma maneira de implementar sua iniciativa de ampliação, equilibrando as ambições dos candidatos sem sacrificar as realidades da reforma que certamente afetarão o ritmo das negociações.


Adesões à UE durante a guerra


A invasão da Rússia complica ainda mais o caminho da Ucrânia para a UE. Embora a invasão tenha resultado inicialmente em um resultado positivo para a candidatura da Ucrânia à UE, a resolução da guerra ditará a rapidez com que Kiev se juntará ao clube.


O termo vitória é um tanto ambíguo no contexto deste conflito, mas a Rússia poderia alcançar uma forma de vitória no campo de batalha que impediria qualquer esperança do futuro da Ucrânia na UE. Previsões confiáveis sugerem que a Rússia carece da capacidade necessária para ocupar completamente a Ucrânia. Mas Moscou poderia alcançar uma “vitória” limitada onde realiza alguns de seus resultados estratégicos.


A vitória potencial da Rússia cumpriria, por extensão, o objetivo estratégico do Kremlin de dissociar a Ucrânia do Ocidente. Trazer a Ucrânia de volta à sua esfera de influência era o objetivo de Moscou antes de 2014. Nesse caso, o esforço, os recursos e o apoio político do Ocidente à Ucrânia seriam um custo irrecuperável. Para evitar esse cenário, o Ocidente deve continuar a estender substancial apoio militar, político e financeiro aos ucranianos.


Outro resultado potencial que pode trazer relativa calma, mas não paz duradoura, é um cessar-fogo ou armistício. Essa opção encerraria as hostilidades ativas, criando a possibilidade de um eventual acordo de paz para resolver as causas subjacentes do conflito. No entanto, um cessar-fogo mediado por meio de um acordo também pode servir como base para um conflito congelado – em vez de um prólogo para um acordo negociado – onde o ressentimento dos lados em guerra se torna a base para uma luta renovada.


A incursão inicial da Rússia em 2014 e a recente escalada em 2022 são multifacetadas, mas parcialmente enraizadas na decisão de Kiev de integrar e alinhar-se ainda mais com a UE e a OTAN. Se as atuais hostilidades terminarem na linha de um cessar-fogo, a Rússia sempre poderá escalar assim que Kiev começar a se aproximar do Ocidente. Ambos os Acordos de Minsk viram violações repetidas de ambos os lados, falhando em impedir a invasão de 2022. A incapacidade de um cessar-fogo de alcançar seu resultado estratégico pode, portanto, ser usada como uma pausa tática ou operacional sob o disfarce de um acordo de boa fé para encerrar as hostilidades.


Conflitos congelados têm uma maneira de derreter e inflamar em lutas ferozes, apesar dos períodos prolongados de relativa calma. O segundo conflito de Nagorno-Karabakh é um exemplo recente de uma disputa de décadas que reacendeu após um lado determinado a resolver questões territoriais disputadas e alcançar seus objetivos estratégicos.


Quer um conflito congelado seja amenizado por meio de um acordo ou não, isso deixaria a porta aberta para combates futuros. Disputas territoriais inflamadas e questões não resolvidas relacionadas à soberania da Ucrânia seriam enfatizadas por ameaças persistentes de conflito renovado. Como a UE avaliaria os riscos de integrar ainda mais a Ucrânia sob a ameaça implícita de um conflito congelado? Se esse cenário se concretizasse, a UE teria que pesar suas opções: continuar os esforços de integração com a Ucrânia sob o risco de uma nova violência instigada pela Rússia ou deixar o status quo do conflito congelado prevalecer às custas do futuro da Ucrânia na UE. O caminho da adesão da Ucrânia à UE seria caracterizado pela falta de progresso, frustrando os formuladores de políticas.


Vitória Ucraniana


Uma vitória ucraniana é o resultado mais desejável para seus objetivos de adesão. No entanto, mesmo que a Ucrânia consiga reconquistar a totalidade ou a maior parte do território disputado e conquistado, incluindo a Crimeia, a sua adesão não será necessariamente rápida. Uma Ucrânia pós-guerra teria que lidar com as feridas da guerra, tanto físicas quanto psicológicas. Kiev teria que reintegrar partes do país que não estavam sob seu controle desde 2014 – um processo difícil e complexo. O Donbass e a Crimeia preferem a influência de Moscou sobre a UE e estariam em desacordo com a orientação ocidental da Ucrânia. A reintegração de regiões contestadas e a consolidação da democracia teriam de se basear no estado de direito e na reconciliação. Retaliação, retribuição e colunas de refugiados após a reconquista de territórios disputados por meios militares estariam em desacordo com os valores mais básicos da UE, complicando as metas de adesão da Ucrânia.


Um difícil período pós-guerra de reintegração, reconstrução e reformas baseadas em adesões exigiria paciência e dedicação. Também exigiria apoio financeiro e político ocidental firme e sustentado pós-conflito, mesmo que outras prioridades tenham cada vez mais precedência nas capitais da UE. Não se sabe se o apoio do Ocidente continua inabalável neste cenário, mas seria necessário para impedir conflitos adicionais e manter a Ucrânia em seu caminho de adesão à UE.


As dificuldades técnicas de adesão à UE, evidenciadas nas experiências dos países dos Balcãs Ocidentais, juntamente com o conflito ativo da Ucrânia, tornam improvável a perspectiva de adesão rápida à UE. Isso não significa que a Ucrânia não deva aderir à UE. Apenas destaca a realidade da adesão à UE, que exige reformas abrangentes e de longo alcance por parte dos candidatos antes de poderem aderir. Essas reformas não devem ser negligenciadas, pois colocam em risco o potencial de sucesso dos novos membros na UE. A quantidade de apoio financeiro necessária para reconstruir a Ucrânia será extensa, enquanto a responsabilidade de absorver um país tão grande não será fácil para as instituições da UE. Bruxelas agora tem a difícil tarefa de atrair novos membros enquanto equilibra uma miríade de fatores que certamente complicarão seus objetivos.


-
PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

7 views0 comments

Related Posts

See All

Comments


bottom of page