'A Última Geração' reflete a desumanização da China pelo PCC

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 3 JUN, 2022 -

Vista aérea de pessoas na fila para teste de ácido nucleico COVID-19 em Tianjin, China, em 20 de janeiro de 2022. (VGC/VCG via Getty Images)

Na declaração final de resistência, uma nova geração não acredita mais na China


O desespero é uma força poderosa. É a completa perda de esperança. Sem esperança, não há sentido na vida e nenhuma razão para continuar vivendo. É aí que o Partido Comunista Chinês (PCC) liderou a última geração da China.

Ou, como eles autodenominam, “A Última Geração”.


Os Jovens e os Desesperançosos


Isso é mais do que apenas a resposta irreverente de um jovem desanimado com os bloqueios totalitários, vigilância e intrusão do Estado em sua vida. Quando a polícia lhe disse que sua atitude e falta de cooperação em ir a um campo de quarentena afetariam sua família por três gerações, o homem respondeu: “Esta é a última geração”.


Essa resposta da “última geração” ressoou na geração mais jovem da China, que pouco espera em suas vidas. Rapidamente se tornou uma hashtag de mídia social em todo o país, permitindo que os jovens expressassem facilmente seu próprio desespero com a vida sob as decisões draconianas do PCC de bloquear cidades inteiras como Xangai e muitas outras, isolando dezenas de milhões de jovens chineses.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Em última análise, a resposta vem do desespero e desilusão com a vida na China moderna. Pode-se certamente simpatizar com sua situação.


'Cultura 996' explora uma geração


Normalmente, a geração de chineses – entre 20 e 30 anos – são os únicos filhos de seus pais, como resultado da política de filho único do PCC de décadas atrás. Eles podem ser casados, com dois pares de pais para cuidar, porém muitos não são casados e moram sozinhos. Muitas vezes, eles não têm filhos e podem possuir um apartamento que caiu de valor devido à manipulação do mercado pelo Estado. Muitos não podem comprar um apartamento, economizam e gastam aquém das necessidades apenas para sobreviver.


Seus trabalhos, se tiverem um, são longos e tediosos. Esses trabalhadores escravizam suas vidas em funções de alta tecnologia que lhes deixam pouco tempo em suas vidas. Esse novo estilo de vida chinês foi cinicamente identificado como a “cultura 996”, na qual jovens trabalhadores com formação universitária trabalham das 9h da manhã às 9h da noite, seis dias por semana.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Embora a reclamação sobre a vida “996” seja comum nas redes sociais e tenha despertado uma discussão nacional na China, ela é totalmente apoiada pelos altos escalões do poder empresarial e político há décadas. Mudanças recentes na lei foram feitas para reduzir esse fenômeno moderno de exploração do trabalho de alta tecnologia, mas continua em vigor.


Essa exploração e a “cultura 996” servem aos propósitos do estado, é claro, que ganha tanto a produtividade de sua geração mais jovem quanto o benefício adicional de estar exausto demais até mesmo para administrar seus afazeres diários.


Uma crise nacional de saúde mental


Além disso, na era da pandemia, o estado tornou-se todo-poderoso e intrusivo. Testes frequentes, monitoramento invasivo pela polícia, enxurrada constante de instruções por alto-falantes e falta de comunicação com seus pares impactaram a psique de uma geração.


A geração de hoje viu o país passar de líder global na indústria e até controle pandêmico para pária global com um governo totalitário que tem controle total sobre eles.


O resultado é uma crise nacional de saúde mental que o governo está mal equipado para lidar, muito menos reconhecer, caracterizada por desilusão e apatia em massa.


Corra por sua vida – fora da China


Em resposta, surgiu uma nova tendência entre os jovens conhecida como “runxue” ou a “filosofia da corrida”. Sua mensagem é tão simples quanto condenatória – diz aos jovens que fujam da China para uma vida melhor e mais segura.


Essa nova filosofia é tão compreensível quanto o sentimento da “última geração”. Afinal, os jovens precisam de uma oportunidade para experimentar coisas novas, abrir as asas, tentar, falhar e tentar novamente sem a pressão sufocante e constante da bota do PCC em seus pescoços e sua presença em suas mentes.


Do ponto de vista comportamental, a geração jovem é diferente de qualquer outra que a China já viu. Durante a era da política do filho único, por exemplo, muitos queriam mais de um filho enquanto o Estado praticava abortos forçados para impor a política.


Hoje, muitos jovens chineses se recusam a ter filhos. Uma pesquisa mostrou que dois terços da maioria das mulheres entre 18 e 31 anos optam por não ter filhos.

“Não trazer crianças para este país, para esta terra, será o ato mais caridoso que eu poderia fazer”, escreveu um usuário do Weibo sob a hashtag #thelastgeneration antes de ser censurado.


Outro escreveu: “Como pessoas comuns que não têm direito à dignidade individual, nossos órgãos reprodutivos serão nosso último recurso”.


Um presente e um futuro distópico


Mesmo com incentivos fiscais e de renda do governo para persuadir os jovens a ter até três filhos, a ideia de trazer uma criança para a distopia que é a China moderna não é atraente para a própria geração da qual a política depende.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Como se poderia esperar, uma população envelhecida com taxas de natalidade abaixo da reposição não é um bom presságio para o futuro da China ou do PCC. Esse é um tópico separado, é claro, mas basta dizer que as políticas do PCC nas últimas décadas criaram um deserto geracional e social cujas consequências só agora começam a ser sentidas no Partido.


É claro que o PCC lidou com um clima tão devastador e aparentemente arraigado entre muitos de seus jovens, assim como aborda todos os problemas que enfrenta: sufocando a discussão pública.


Naturalmente, a “última geração” agora é censurada nos canais de mídia social da China. Aparentemente, o pensamento do PCC é que, como não pode ser visto ou expresso nas mídias sociais, ou em qualquer outra mídia, a coisa toda desapareceu. O Partido pode declarar confiante e oficialmente que não há mais desespero entre os jovens.


Exceto, é claro, que há desespero entre a geração mais jovem. Ele é originado – ou pelo menos mais identificado com – as extensas e cruéis políticas de bloqueio do PCC, mas suas raízes são muito mais profundas do que isso. Além do mais, esse profundo desânimo é desenfreado. Repressão empresarial, bloqueios e uma economia em colapso apenas tornaram a China menos habitável e o Estado mais intimidador e agressivo em relação ao seu povo.


No início da década de 1990, quando a China ascendia rapidamente, a promessa de riqueza material estava nos lábios dos líderes chineses e nas mentes da geração jovem. Um ditado popular na época dizia: “Prefiro chorar no seu BMW do que rir na sua bicicleta”.


Hoje, grande parte da geração jovem da China está além das lágrimas, além do entorpecimento, e talvez irremediavelmente quebrada por seu governo cruel e se recusando a legitimá-lo tendo filhos.


Esse é um problema multidimensional para o qual o PCC não tem empatia ou respostas reais.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está baseado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORGINAL >

https://www.theepochtimes.com/the-last-generation-reflects-the-dehumanization-of-china-by-the-ccp_4505057.html


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


14 views0 comments