A Índia pode ultrapassar a China e se tornar o motor econômico da Ásia?

- THE EPOCH TIMES - John Mac Ghlionn - 8 JUN, 2022 -

Uma cliente verifica um colar de ouro antes de comprá-lo em um showroom de jóias por ocasião do Akshaya Tritiya, um grande festival de compra de ouro em Calcutá, Índia, em 3 de maio de 2022. (Rupak De Chowdhuri/Reuters)

O presidente dos EUA, Joe Biden, lançou o Indo-Pacific Economic Framework for Prosperity (IPEF) em 23 de maio. O pacto, nos dizem, “busca fortalecer a parceria econômica entre os países participantes com o objetivo de aumentar a resiliência, sustentabilidade, inclusão, crescimento econômico, justiça e competitividade na região do Indo-Pacífico.”


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Os países participantes incluem Coréia do Sul, Austrália, Brunei, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Tailândia, Vietnã e, talvez o mais importante, Índia — a maior economia que mais cresce no mundo .


Comentando logo após o lançamento, a Secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, disse: “Como as empresas estão começando a procurar cada vez mais alternativas à China, os países do Indo-Pacífico serão parceiros mais confiáveis para as empresas dos EUA”.


Ela está certa.


Embora muitas das maiores empresas do mundo estejam sediadas na China, a maré parece estar mudando, com mais dessas empresas procurando abandonar o barco e estabelecer raízes em outros lugares. Talvez, apenas talvez, a Índia ofereça uma alternativa sustentável, atraente e altamente lucrativa à China. Nesse caso, a Índia, que deve ultrapassar a China como o país mais populoso do mundo até 2027, pode se tornar a nova potência econômica e industrial da Ásia. Por muito tempo, a China – mais especificamente, o Partido Comunista Chinês (PCC) – tem sido a voz dominante da Ásia.


De acordo com um artigo recente do The Economist, a China parece estar “perdendo sua abordagem pragmática de administrar a economia”. As atividades ideologicamente rígidas do PCC ignoram, conscientemente ou não, as “realidades econômicas e geopolíticas” do mundo moderno.


Quando se trata de realizar negócios na China, um número crescente de empresas, especialmente as americanas, percebeu que os riscos superam em muito as recompensas. Para operar na China, uma empresa deve se submeter totalmente ao PCC, dobrando-se a todos os seus desejos e demandas. A conformidade é fundamental. É inegociável.


À medida que o PCC continua a dobrar sua política de “zero-COVID”, essencialmente colocando milhões de pessoas em grandes cidades como Pequim e Xangai em prisão domiciliar, aqueles que têm a opção de deixar o país estão aproveitando isso. Isso inclui grandes empresas como Apple e Airbnb.

O CEO da Airbnb, Brian Chesky, fala durante um evento em San Francisco, Califórnia, em 22 de fevereiro de 2018. A Airbnb Inc. anunciou em 24 de maio de 2022 que deixará de representar propriedades de aluguel de curto prazo na China e focará seus negócios no país em atender turistas chineses que procuram hospedagem no exterior. (Foto Eric Risberg/AP)

Horas após o lançamento da nova estrutura internacional, o Airbnb, empresa com sede em São Francisco, anunciou que removerá todas as listagens chinesas de sua plataforma popular nos próximos meses. A história, que a CNBC noticiou pela primeira vez, veio ao mesmo tempo em que o Airbnb continua a investir mais dinheiro no mercado indiano.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


De acordo com seu site, a empresa estabeleceu recentemente um centro de tecnologia em Bangalore, a resposta da Ásia ao Vale do Silício. O centro foi estabelecido “para criar empregos locais e qualificados, com planos para o centro atender a algumas centenas de pessoas nas fases iniciais, seguido por uma presença expandida no futuro”.


Outra grande empresa dos EUA que decidiu cortar os laços com a China é a Apple. Como a Livemint relatou, “de acordo com fontes familiarizadas com os planos de fabricação da empresa”, os executivos da Apple veem a Índia como “a nova China”.


Com sua grande população e baixos custos de produção, a Índia parece ser uma alternativa altamente atraente e consideravelmente menos hostil.


De acordo com o artigo, a Apple recentemente instruiu vários de seus fabricantes contratados a se concentrarem no aumento da produção fora do país comunista, “citando a forte postura anti-coronavírus de Pequim entre outros fatores”. Esta é uma história significativa por muitas razões. Mais de 90% dos produtos da Apple – incluindo iPhone, iPad, computadores MacBook e, até muito recentemente, o iPod (RIP) – são fabricados na China.

Pessoas usando máscaras são fotografadas em uma Apple Store no dia em que a nova série Apple iPhone 13 começa a ser vendida em Pequim, China, em 24 de setembro de 2021. (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

A Apple, ao que parece, quer cortar completamente os laços com a China. Antes tarde do que nunca, alguns podem dizer – e com razão. O PCC é uma ameaça direta aos Estados Unidos e seus muitos aliados; está em todas as empresas ocidentais, especialmente nas americanas, procurar outro lugar para chamar de lar.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Embora a Índia pareça ser um país mais do que disposto a oferecer um lar para essas empresas, o mercado indiano é “um osso duro de roer”, como Bhaswar Kumar, da Business Standard, alertou recentemente. Operar na China é, por falta de uma palavra melhor, difícil; penetrar no mercado indiano ferozmente competitivo exige um trabalho sério.


Em 2020, como observou Kumar, o Walmart Inc., a multinacional americana de varejo, demitiu 56 de seus executivos baseados na Índia. A medida “ressaltou os desafios que o Walmart enfrentava na expansão de seus negócios de atacado na Índia”.


Seis anos antes da decisão do Walmart, o Carrefour, a oitava maior rede de varejo do mundo em receita, saiu completamente do mercado indiano. Simplesmente não poderia competir em um ambiente tão cheio e implacável. Embora o Carrefour seja uma empresa popular e lucrativa, não é o Airbnb e certamente não é a Apple. O Carrefour oferece mantimentos. O Airbnb e a Apple, por outro lado, oferecem experiências genuínas, escolhas de estilo de vida e reconhecimento de marca incomparável.


No momento em que escrevi este artigo, eu estava baseado em Nova Delhi por alguns dias. A pobreza é um grande problema aqui. A lacuna entre os que têm e os que não têm é simplesmente profunda. No entanto, a Índia é o lar de uma classe média crescente, o tipo de pessoa com uma quantidade considerável de renda disponível para gastar em acessórios caros e experiências de fim de semana.


A Índia pode ser “um osso duro de roer”, mas as empresas que conseguirem quebrar essa noz em particular ganharão dinheiro, muito dinheiro. Mais importante, eles não terão mais que concordar com o PCC.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Seu trabalho foi publicado pelo New York Post, The Sydney Morning Herald, Newsweek, National Review e The Spectator US, entre outros. Ele cobre psicologia e relações sociais, e tem um grande interesse em disfunção social e manipulação de mídia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/can-india-overtake-china-and-become-asias-economic-engine_4513020.html


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


24 views0 comments