Ações de incorporadoras chinesas são suspensas pela bolsa de Hong Kong

- THE EPOCH TIMES - Fran Wang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 4 ABR, 2022 -

VÍDEO CORRELATO:

A HKEX ESTÁ RUINDO TANTO QUANTO A QUALIDADE DAS CONSTRUÇÕES.

https://www.youtube.com/watch?v=RElGXLwWTvI


Ações de incorporadoras chinesas são suspensas pela bolsa de Hong Kong após perder o prazo dos relatórios anuais


Grandes quantidades de ações imobiliárias chinesas foram suspensas a partir de 1º de abril como parte de uma onda de empresas listadas em Hong Kong que perderam o prazo para apresentar relatórios financeiros anuais.



A Bolsa de Valores de Hong Kong congelou 32 ações em 1º de abril, incluindo promotores imobiliários chineses em apuros, particularmente aqueles declarados inadimplentes em suas dívidas ou aquelas propensas a inadimplência, como Sunac China Holdings Ltd., Shimao Group Holdings Ltd. e China Aoyuan Group Ltd.


As ações do Grupo Shimao foram suspensas, pois não seria possível publicar resultados financeiros não auditados de 2021 a tempo devido ao último surto de COVID-19, de acordo com seu arquivamento (pdf) à bolsa.


A pandemia levou ao bloqueio do prédio da sede da empresa em Xangai; a data para a remoção do bloqueio ainda era desconhecida, disse Shimao.


Esperava-se que esta temporada de relatórios financeiros fosse a pior em uma década para as incorporadoras chinesas, quando foram atormentadas por uma crise de crédito, envios atrasados e uma enxurrada de demissões de auditores.


A China Aoyuan, por exemplo, afirmou (pdf) na semana passada que precisa de mais tempo “para avaliar a potencial provisão para imparidade, que pode ter um impacto significativo” em seus resultados. No final de janeiro, a Deloitte Touche Tohmatsu renunciou ao cargo de auditora da empresa devido a um desacordo sobre cobranças adicionais para cobrir diferentes procedimentos.


A falha em produzir relatórios auditados em tempo hábil é um aviso de possíveis problemas de governança corporativa e transparência financeira, disse a Fitch Ratings, “particularmente quando associada a uma renúncia ou mudança de auditoria perto dos prazos de apresentação de relatórios”.


Para algumas incorporadoras, os rebaixamentos das agências de classificação foram outro fator para os resultados atrasados de algumas companhias. A Sunac China Holdings disse (pdf) que perderia o prazo de divulgação de resultados, citando “questões relacionadas a [seus] empréstimos offshore” decorrentes de recentes rebaixamentos por empresas de classificação internacionais e sua proposta de extensão de pagamento de títulos domésticos.


A empresa alertou que provavelmente divulgaria um lucro líquido em 2021 85% abaixo do nível de um ano antes. Fitch Ratings, S&P Global Ratings e Moody's Investors Service rebaixaram a empresa nas últimas duas semanas, expressando preocupações com os riscos de liquidez e refinanciamento da empresa.


As perspectivas de vendas para o setor continuam a se deteriorar, com novos surtos e bloqueios de COVID aumentando. O serviço de dados China Real Estate Information Corp. (CRIC) revelou que as vendas totais contratadas para as 100 maiores incorporadoras do país caíram 52,7% em março em relação ao ano anterior.


Sob uma regra especial de pandemia promulgada em 2020, que isenta as empresas de relatar resultados não auditados dentro do prazo, a HKEX permitiu que 192 ações de outras empresas permanecessem em jogo. Várias incorporadoras chinesas aproveitaram a exceção, incluindo Yuzhou Group Holdings, Ronshine China Holdings e Guangzhou R&F Properties.


A Fitch Ratings disse que problemas de auditoria podem induzir graves problemas de financiamento e aumentar o risco de inadimplência, observando que pode ser “um sinal que aumenta a cautela de potenciais credores sobre a capacidade de pagamento de dívidas [das empresas], desencorajando-os a conceder mais empréstimos.”


Outras incorporadoras problemáticas como China Evergrande Group (pdf) e Sinic Holdings Group (pdf) já foram suspensos de negociações anteriormente.


De acordo com as regras da HKEX, as empresas foram autorizadas a enviar números não auditados até 31 de março devido a atrasos relacionados ao COVID e a arquivar a versão auditada até 30 de abril para evitar a suspensão.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


13 views0 comments