Ações chinesas nas bolsas dos EUA sob forte avaliação

The Epoch Times - Tradução César Tonheiro

14/05/2020



O presidente Donald Trump fala aos repórteres a caminho do Marine One no gramado sul da Casa Branca em Washington, em 14 de maio de 2020 (Drew Angerer / Getty Images)

Trump está olhando 'muito fortemente' as ações chinesas nas bolsas dos EUA

14 de maio de 2020 por Emel Akan


WASHINGTON - O presidente Donald Trump disse em 14 de maio que seu governo está analisando "muito fortemente" assuntos relacionados a empresas chinesas listadas nas bolsas de valores americanas que não seguem os  padrões contábeis americanos.


"Estamos analisando isso com muita disposição", disse Trump a Maria Bartiromo em entrevista à Fox Business Network.


Trump, no entanto, observou que há forte concorrência entre as bolsas de valores globais.

"Aqui está o problema com isso", disse ele. Se o governo dos EUA pede às empresas chinesas que “sigam as regras da Bolsa de Nova York ou da NASDAQ, o que elas fazem, dizem: 'Ok, vamos nos mudar para Londres ou iremos para Hong Kong'”.


Atualmente, as empresas chinesas estão sujeitas a exigências de divulgação mais baixas do que as americanas, fazendo com que os investidores americanos enfrentem riscos e perdas.

Havia 172 empresas chinesas listadas nas bolsas dos EUA no valor de mais de US $ 1 trilhão em setembro do ano passado, de acordo com o relatório anual da Comissão de Revisão Econômica e Segurança EUA-China.


"O governo chinês continua impedindo o Conselho de Supervisão Contábil de Empresa Pública (PCAOB) de inspecionar os documentos de trabalho dos auditores na China, apesar de anos de negociações", afirmou o relatório.


No mês passado, Jay Clayton, presidente da Comissão de Valores Mobiliários, criticou a falta de transparência das empresas chinesas listadas na NYSE.


"É uma fonte de frustração para nós, porque não temos a mesma supervisão em relação às operações na China do ponto de vista dos relatórios financeiros que você tem na maior parte do mundo", disse Clayton em entrevista à Fox Business em abril.


Seus comentários vieram depois do escândalo da rede de cafeterias chinesa Luckin Coffee, cujo preço das ações caiu mais de 80% em menos de um mês. Atualmente está proibida de negociar devido a transações fraudulentas que envolveram o aumento dos números de vendas em 2019.


Plano de Poupança


Durante a entrevista à Fox, Trump também abordou o fundo de aposentadoria federal que investe em empresas chinesas. Em geral, os fundos públicos de pensão dos EUA estão sob crescente escrutínio devido a seus investimentos em empresas chinesas, incluindo aquelas que apoiam os abusos militares, espionagem e direitos humanos do regime.


Após pressão do governo Trump, o Conselho Federal de Investimento em Aposentadoria (FRTIB) de 13 de maio votou por unanimidade a suspensão de sua decisão de investir em empresas chinesas problemáticas. O FRTIB administra o fundo de aposentadoria dos trabalhadores federais, o Thrift Savings Plan (TSP).


Nos últimos anos, provedores globais de índices de ações, como MSCI e FTSE, adicionaram ações chinesas a seus índices de mercados globais e emergentes, permitindo que bilhões de dólares em fundos de aposentadoria dos EUA fluam para as ações chinesas.


Trump disse à Fox que o fundo de poupança "é administrado pelas nomeações de Obama" e, se investirem em ações chinesas, seu governo "as substituirá muito rapidamente".


Trump também renovou suas críticas ao regime chinês por manipular mal o surto de coronavírus.


"Foi estupidez, incompetência ou foi deliberado, um ou outro", disse Trump quando perguntado se foi um ataque deliberado aos Estados Unidos.


Trump descreveu a pandemia como um ataque "pior que Pearl Harbor" e apontou o dedo para a China.


"Poderíamos cortar todo o relacionamento" com a China, disse Trump, acrescentando que essa medida economizaria US $ 500 bilhões aos Estados Unidos, referindo-se ao déficit comercial anual EUA-China.


Quando perguntado se ele falaria com o líder chinês Xi Jinping, disse Trump: "No momento não quero falar com ele".


Um número crescente de países intensificou os apelos por mais transparência do regime comunista chinês e por uma investigação sobre o tratamento de Pequim do surto do vírus PCC. Como a crise da saúde continua a exigir custos humanos e econômicos substanciais em todo o mundo, os países também estão reavaliando seus laços com Pequim.



Cathy He contribuiu para este artigo.

https://www.theepochtimes.com/trump-administration-looking-very-strongly-at-chinese-stocks-on-us-exchanges_3351095.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube