3.500 empresas americanas estão processando o governo dos EUA em prol do PCCh

- NATIONAL INTEREST - Oct 23, 2020 -

Maura Moynihan - Tradução César Tonheiro


Liu Yifei, atriz do elenco de Mulan posa na estréia em Los Angeles, Califórnia, 9 de março de 2020. (Mario Anzuoni / Reuters)

Elites ocidentais devem responder para permitir a ascensão da China

23 de outubro de 2020 por  Maura Moynihan


2020 ficará para a história como o ano em que o Partido Comunista Chinês (PCC) desencadeou uma pandemia global e destruiu a economia mundial. Em um universo racional, o PCCh pagaria um preço, mas não vivemos em um universo racional. Três mil e quinhentas empresas americanas estão processando o governo federal para derrubar as tarifas sobre produtos chineses. As listagens de ações chinesas em Wall Street estão prosperando; em 2 de outubro de 2020, as 217 empresas chinesas listadas nas bolsas dos EUA tinham uma capitalização de mercado total de US $ 2,2 trilhões. O Twitter bloqueou o New York Post por reportar sobre os negócios de Hunter Biden na China, mas permite que contas do governo chinês espalhem propaganda perversa culpando os Estados Unidos pela pandemia. E os executivos da mídia, tão piedosamente “acordados” sobre a justiça social, estão calados sobre os campos de concentração da China comunista, onde milhões de homens, mulheres e crianças estão sujeitos à tortura, escravidão e “reeducação”.


Desde o início da pandemia, a grande mídia divulgou a narrativa do PCCh de que a China “fez um trabalho muito melhor do que os EUA” contendo o vírus. Há poucos relatos sobre interrupções na cadeia de abastecimento e escassez de alimentos causados por meses de inundações catastróficas no país, a destruição da sociedade civil de Hong Kong ou a terrível eleição do regime chinês para o Conselho de Direitos Humanos da ONU.


A Disney Corporation, dona da ABC News, não demonstra remorso por filmar partes de seu blockbuster Mulan de US $ 200 milhões na província chinesa de Xinjiang, onde milhões de uigures fornecem trabalho escravo para mega-empresas acordadas, como Nike, Adidas e Apple. Nos créditos do filme, a Disney dá "agradecimentos especiais" a oito unidades do Gabinete de Segurança Pública do PCC, cujos agentes vigiam, prendem e torturam tibetanos e uigures, advogados de direitos humanos, poetas e artistas, por crimes como "contra-pensamento revolucionário ”e“ espalhar rumores sobre o governo ”. Quando questionada sobre isso por parlamentares britânicos, a Disney disse em um comunicado que, "Existem regulamentações que devem ser seguidas por todas as produtoras de filmes estrangeiras que desejam operar na China." O membro do parlamento Iain Duncan-Smith respondeu que, “Parece que os direitos humanos vêm em segundo lugar na política corporativa de não perturbar a China”.


A pandemia de coronavírus expôs os perigos de terceirizar a fabricação dos EUA para a China comunista. 90% dos nossos medicamentos são fabricados na China. A Asia Society, há muito um lar para os apologistas americanos do PCCh, atingiu um novo recorde em abril com uma carta aberta assinada por vários dignitários como Madeline Albright, Susan Rice e Lawrence Summers, afirmando que a América deve “resolver suas deficiências” e “cooperar ” com a China, e que “as fábricas da China podem produzir equipamentos de proteção e medicamentos necessários para combater o vírus”. Enquanto a pandemia afetava os EUA, Bill Gates vergonhosamente foi à televisão opinar que os EUA "reagiram mal" ao vírus, enquanto "a China fez muitas coisas certas".


Em julho de 2020, a Kennedy School de Harvard publicou um relatório, “Compreendendo a resiliência do PCC”, que encobriu a calamidade do vírus. “Os cidadãos chineses consideram o governo mais capaz e eficaz do que nunca”, disse o relatório. Harvard, Yale e a Universidade da Pensilvânia estão sob investigação por não informarem milhões de dólares em “presentes” da China. Harvard sozinha aceitou mais de US $ 1 bilhão de doadores do PCC e, em 2010, inscreveu a filha de Xi Jingping, Xi Mingxie, como caloura, sob um pseudônimo. Um ex-oficial de admissões de Harvard me disse: “Se seu pai é um comunista chinês, você tem mais chance de entrar em uma das melhores escolas da Ivy League do que um garoto americano cujo avô ajudou a construir essa escola”.


A dissolução da União Soviética anulou a justificativa para um “compromisso especial” com a República Popular da China, mas a política dos EUA na China não se ajustou de acordo. Em 1994, o presidente Clinton desvinculou o comércio com a China de uma revisão anual do Congresso do histórico de direitos humanos do PCCh. Seis anos depois, Clinton recompensou o regime com a entrada na OMC, permitindo-lhe expandir seu estado policial e promover suas ambições globais sem penalidades ou impedimentos. Agora está dolorosamente claro que aqueles que promoveram um “engajamento construtivo” com o PCC não desejavam uma reforma política. Passei anos ouvindo especialistas e financistas da Asia Society e do Conselho de Relações Exteriores exaltar a ditadura de partido único da China como "mais eficiente do que nossa confusa democracia". A normalização do PCCh até agora foi um grande sucesso.


Apesar dos esforços da mídia corporativa para encobrir os crimes do regime chinês, uma nova pesquisa da Pew Research Center revela que oito em cada dez cidadãos americanos agora percebem o PCCh como uma “força perigosa”. Já passou da hora de aqueles que ajudaram e encorajaram a ascensão da China comunista de prestar contas por suas ações.

Maura Moynihan é autora e cineasta especializada em história e atualidades asiáticas.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.nationalreview.com/2020/10/western-elites-must-answer-for-enabling-chinas-rise/

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube