2 mortos, 2 na UTI após 83.400 receberem vacinas Sinovac em Hong Kong

- THE EPOCH TIMES - 8 Mar, 2021 -

NICOLE HAO - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Dois residentes de Hong Kong estão em estado grave após receberem as vacinas Sinovac COVID-19 da China, anunciou o governo de Hong Kong no domingo, depois que uma mulher de 55 anos com doença crônica morreu quatro dias após receber sua vacina - a segunda morte relacionada na cidade.


COVID-19 é a doença causada pelo vírus PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus.


No domingo, 8.100 pessoas foram vacinadas com a vacina CoronaVac da Sinovac, que representou 82,3% dos atendimentos diários para vacinação, de acordo com a Secretaria de Saúde da cidade.


Mas dois residentes ficaram em estado grave após a vacinação no sábado e tiveram que ser transferidos para a unidade de terapia intensiva (UTI). De acordo com relatos da mídia local, outros dois foram enviados a hospitais após sofrer uma reação adversa mais branda à vacina.


No sábado, três pessoas também deram entrada no hospital após receberem a vacina. Todos os pacientes sofreram reações leves e receberam alta em tratamento. Os sintomas incluíam erupção cutânea, desconforto cardíaco, tontura, pressão alta e tremores.


Um total de 83.400 pessoas haviam recebido a vacina CoronaVac na cidade até o sábado.

O departamento de saúde disse que as condições brandas foram causadas pela vacina, enquanto a causa das mortes e reações graves ainda não estavam claras.


A secretária de Saúde e Alimentação de Hong Kong, Sophia Chan, disse a um programa de rádio local que os moradores de Hong Kong podem consultar seus médicos de família antes de agendar uma vacina contra o COVID-19 se tiverem alguma dúvida.


2 mortes


O Departamento de Saúde de Hong Kong confirmou no sábado que a segunda morte, da mulher de 55 anos, foi devido a um derrame agudo na sexta-feira.


De acordo com o departamento, a mulher tinha histórico de hipertensão, lipídios elevados e proteinúria, mas ainda conseguia trabalhar.


Em 2 de março, a mulher recebeu a primeira dose de CoronaVac em um centro de vacinação da comunidade local. Às 19h de sexta-feira, ela estava trabalhando em seu local de trabalho normalmente quando perdeu o controle sobre o lado esquerdo do corpo. Ela foi levada às pressas para o hospital de ambulância e diagnosticada com um derrame. Ela faleceu às 4:51 da manhã de sábado.


Não está claro se a vacina contribuiu para a morte da mulher. As autoridades disseram que fariam uma autópsia e investigariam a causa da morte.


A primeira morte em Hong Kong foi de um homem de 63 anos com histórico de diabetes. Ele recebeu uma vacina contra o Sinovac em 26 de fevereiro e morreu em 28 de fevereiro. O governo de Hong Kong disse que sua morte não foi causada pela vacina.


2 em estado grave


O primeiro caso de UTI é de um homem de 80 anos com histórico de diabetes, aterosclerose carotídea, hipertensão e acidente vascular cerebral. Ele recebeu a vacina na segunda-feira e chamou uma ambulância no sábado devido a dores no peito. Ele estava em estado muito grave no domingo, depois de não responder bem ao tratamento, de acordo com o departamento.


O segundo caso de UTI é uma mulher de 72 anos, que também tem histórico de diabetes, hiperlipidemia, hipertensão e hipotireoidismo. Ela recebeu a vacina no sábado, mas pulou duas doses de insulina que tomava todos os dias quando se sentia mal após a vacinação.


Quando sua condição piorou na manhã de domingo, sua família a mandou para o hospital, onde descobriram que ela tinha cetoacidose diabética grave.


Sinovac

As autoridades chinesas aprovaram três tipos de vacinas COVID-19 para uso de emergência, que incluem CoronaVac e duas vacinas de vírus inativado da Sinopharm, mas apenas para pessoas de 18 a 59 anos, dizendo que “outras faixas etárias precisam esperar por mais ensaios clínicos de vacinas."


No entanto, o governo de Hong Kong aprovou o CoronaVac e sugeriu que os idosos fossem vacinados.


A eficácia da CoronaVac da Sinovac foi classificada em 50,4% em seus testes de vacinas clínicas de último estágio no Brasil - mal ultrapassando o limite de 50% da OMS para aprovação regulatória. A taxa também é menor do que as vacinas desenvolvidas nos Estados Unidos, com a da Pfizer-BioNTech em 95% e a da Moderna em 94,1%. Mortes de idosos foram relatadas em pessoas que receberam as vacinas Pfizer e Moderna. Mas até agora, o CDC dos EUA diz que as investigações não mostraram nenhuma ligação entre mortes e vacinas.


Em 14 de fevereiro, uma enfermeira indonésia de 33 anos morreu de COVID-19. Ela havia recebido uma injeção da vacina CoronaVac em 28 de janeiro. Naquela época, ela estava saudável, de acordo com seu gerente.


Vacinações em Hong Kong


As administrações de Hong Kong aprovaram apenas três tipos de vacinas para uso de emergência: CoronaVac da empresa chinesa Sinovac, parceira chinesa da Pfizer Fosun Pharma e Comirnaty da empresa alemã BioNTech, e uma vacina de dose única Oxford-AstraZeneca.


O governo começou a vacinar seu povo em 22 de fevereiro. Ninguém teve a chance de receber a segunda dose, pois é preciso esperar cerca de 28 dias.


Devido ao cronograma de embarque, a maioria das vacinas que os moradores de Hong Kong receberam são fornecidas pela Sinovac.


O Departamento de Saúde de Hong Kong anunciou na noite de domingo: “Cerca de 93.000 pessoas foram vacinadas contra COVID-19, com 91.800 recebendo sua primeira dose da vacina Sinovac e cerca de 1.200 sua primeira dose da vacina Comirnaty (RNA mensageiro).”



ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/2-dead-2-in-icu-after-83400-sinovac-vaccines-administered-in-hong-kong_3723914.html


6 views0 comments