162 pesquisadores da principal instalação nuclear dos EUA agora trabalhando para a China: relatório

- THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMETÁRIO HEITOR DE PAOLA - 22 SET, 2022

Esta vista aérea de arquivo sem data mostra o Laboratório Nacional de Los Alamos em Los Alamos, NM (The Albuquerque Journal via AP)

Nada de novo no front. Hồ Chi Min e Võ Nguyên Giap estudaram em Paris e fundaram o Vietminh que expulsou a França da Indochina com a acachapante e vergonhosa vitória em Dien Bien Phu em 1954. Trotsky "estagiou" nos EUA e recebeu passaporte especial de Woodrow Wilson para voltar à Rússia e comandar o Exército Vermelho. A culpa é sempre dos comunistas, né? Mas quem os sustenta (porque são todos vagabundos, desde Marx!)? A hipocrisia ocidental é terrível!

COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA -


Mais de 150 cientistas que trabalhavam em um importante laboratório de segurança nacional dos EUA foram contratados pelo regime chinês para fazer pesquisas, segundo um novo relatório. Grande parte dessa pesquisa avançou diretamente a tecnologia militar chinesa, que agora ameaça a segurança nacional dos EUA.


O relatório ( pdf ), publicado pela empresa de inteligência estratégica Strider Technologies, afirma que o Partido Comunista Chinês ( PCC ) realizou um esforço sistêmico para recrutar cientistas líderes do Laboratório Nacional de Los Alamos (sigla em inglês LANL) para trabalhar em seus programas militares.



Localizada no Novo México, o LANL é uma parte fundamental da pesquisa de defesa e segurança dos EUA e é onde as armas nucleares foram desenvolvidas pela primeira vez. É uma das maiores instituições científicas e tecnológicas do mundo, e seus cientistas realizam pesquisas nas áreas de segurança nacional, exploração espacial, fusão nuclear, nanotecnologia e supercomputação.


Pelo menos 162 pesquisadores do LANL foram contratados pelo PCC nos últimos 35 anos, segundo o relatório. Destes, muitos passaram a realizar pesquisas militares para a China, pelo menos um dos quais anteriormente possuía autorização de segurança ultra-secreta no Departamento de Energia dos EUA.


“Ex-cientistas de Los Alamos fizeram e continuam a fazer contribuições consideráveis aos programas hipersônicos, de mísseis e submarinos [da China] que apresentam uma série de riscos de segurança para os Estados Unidos e todo o mundo livre”, disse o relatório.


“É necessária uma melhor proteção para as instituições, programas de pesquisa e cientistas que promovem a inovação nesta era de competição estratégica sem prejudicar a colaboração científica aberta.”


Uma 'Estratégia de Superpotência de Talentos'


De acordo com o relatório, o PCC alavancou uma “Estratégia de Superpotência de Talentos” na qual incentivou acadêmicos, pesquisadores e cientistas a irem ao exterior, aprofundar seus conhecimentos e retornar à China para promover os interesses estratégicos do país.


Muitos dos pesquisadores que vieram aos Estados Unidos para serem treinados e trabalharem em áreas críticas para a segurança nacional estavam envolvidos nos programas de talentos do PCC. Pelo menos 59 dos que trabalharam no LANL e posteriormente retornaram à China para fazer pesquisas faziam parte do Programa Mil Talentos do regime ou de sua força jovem.


O relatório disse que o programa e outros semelhantes foram essencialmente projetados para operar como uma “exploração” do compromisso do Ocidente com a colaboração científica global.


Além disso, esses programas geralmente exigem que os participantes hospedem e treinem outros pesquisadores chineses, muitas vezes sem notificar a instituição anfitriã sobre o requisito. Dessa forma, os programas de talentos permitiram que os pesquisadores chineses que ganhavam empregos nos Estados Unidos servissem de ponte por meio da qual poderiam receber mais treinamento.


“Na verdade, os programas de talentos [chineses] são redes de recrutamento em constante expansão”, disse o relatório.


“Uma vez empossados, os participantes são incentivados e obrigados a identificar os melhores talentos para colocação em posições de pesquisa desejáveis em sua instituição anfitriã e para eventual recrutamento de volta à [China].”


Militares da China são pagos com dólares de impostos dos EUA


Dos 113 pesquisadores de pós-doutorado e funcionários permanentes do LANL que retornaram à China, mais de 79% foram selecionados para participar dos programas de talentos do governo do PCC, segundo o relatório. Esses pesquisadores contribuíram para o desenvolvimento do programa hipersônico do PCC, motores a jato, ogivas, veículos não tripulados e submarinos furtivos.


O relatório destacou exemplos importantes de como esse processo funcionou por meio da exploração das carreiras de vários pesquisadores associados que trabalharam no LANL e mais tarde foram contratados pela China.


Uma dessas figuras é Chen Shiyi.


Chen é um especialista em dinâmica de fluidos e turbulência que passou vários anos na década de 1990 no LANL como Oppenheimer Fellow. Depois de retornar à China em 2005, Chen atuou como vice-presidente de pesquisa na Universidade de Pequim e mais tarde presidente da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul em Shenzhen, onde começou a recrutar cientistas com ligações profundas ao LANL.


Entre os recrutados por Chen estava Zhao Yusheng, um cientista que trabalhou na LANL por mais de 18 anos.


Durante esse período, os projetos de Zhao receberam mais de US$ 19,8 milhões em subsídios do governo dos EUA. Entre as pesquisas que essas doações financiaram estava o trabalho em ogivas de penetração profunda, revelou o relatório.


Zhao, por sua vez, supervisionou e patrocinou por conta própria pelo menos 25 pesquisadores de pós-doutorado, dos quais pelo menos oito eram da China e depois voltaram para trabalhar lá.


Além disso, um dos pesquisadores de pós-doutorado que Zhao treinou e que retornou à China logo depois registrou uma patente de defesa nacional para uma tecnologia semelhante com base em seu próprio trabalho em ogivas penetrantes da terra.


Esse pesquisador agora é afiliado à Academia Chinesa de Engenharia Física, que é a principal organização do PCC para conduzir a pesquisa, desenvolvimento e teste de armas nucleares, de acordo com o relatório.


É por meio dessa abordagem de rede de relações de pesquisa extensas e entrelaçadas que o PCCh conquistou para si um quadro de pesquisadores militares altamente respeitados, todos os quais receberam treinamento e emprego nos Estados Unidos às custas do contribuinte americano.


De fato, tão difundidas eram as conexões do LANL no próprio cenário de pesquisa militar da China, que uma história de 2017 no South China Morning Post descobriu que muitos dos cientistas que haviam retornado à China para trabalhar em pesquisa militar se referiam a si mesmos como o “Los Alamos Club .”


O relatório Strider levanta a questão de saber se essa ameaça à segurança nacional pode ser mais difundida e observa que o LANL é apenas uma instituição entre centenas que empregam participantes nos programas de talentos da China.


“O secretário-geral Xi Jinping e outros líderes do PCC sugerem que esforços semelhantes de recrutamento podem ser generalizados entre laboratórios financiados pelo governo dos EUA, instituições de pesquisa acadêmica e grandes centros de inovação”, disse o relatório.


“Esses programas estão alavancando pesquisas financiadas pelos contribuintes para promover o desenvolvimento econômico [da China] e a modernização militar.”

Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/162-researchers-from-top-us-nuclear-facility-now-working-for-china-report_4748811.html


22 views0 comments